PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Volta às aulas demanda alta testagem e rastreamento de contatos, diz estudo

Volta às aulas precisa de testes e rastreamento de contatos em larga escala para evitar nova onda de infecções - iStock
Volta às aulas precisa de testes e rastreamento de contatos em larga escala para evitar nova onda de infecções Imagem: iStock

De Viva Bem, em São Paulo

04/08/2020 09h50

Pesquisadores da University College de Londres, na Inglaterra, concluíram que a segurança contra o novo coronavírus na volta às aulas depende da realização de testes e do rastreamento de contatos, de acordo com artigo publicado ontem pela revista científica The Lancet Child & Adolescent Health.

Os cientistas traçaram vários cenários para a retomada das atividades escolares, que podem ajudar a orientar os processos de reabertura não só no Reino Unido como em outros lugares do mundo.

"Para evitar uma segunda onda de covid-19, o relaxamento do distanciamento físico, incluindo a reabertura de escolas, no Reino Unido deve ser acompanhado de testes em larga escala em toda a população de indivíduos sintomáticos e rastreamento eficaz de seus contatos, seguido pelo isolamento dos indivíduos diagnosticados com o novo coronavírus", diz o artigo, assinado pela equipe da epidemiologista Jasmina Panovska-Griffiths.

No Reino Unido, os estudantes devem voltar às escolas presencialmente a partir de setembro. Os pesquisadores usaram um modelo com base na evolução britânica da pandemia para prever o impacto da covid-19 em duas estratégias de reabertura.

"O modelo descreve as redes de contatos de indivíduos estratificadas em camadas domésticas, escolares, locais de trabalho e comunidade, e usa dados demográficos e epidemiológicos do Reino Unido", explica o artigo.

A simulação considerou seis cenários diferentes, representando a combinação de duas estratégias de reabertura nas escolas — período integral e meio período, com 50% dos alunos frequentando a escola em semanas alternadas) — e três cenários de teste.

Nova onda poderia ocorrer sem aumento de testes

Uma nova onda de infecções poderia ser evitada, afirmam os pesquisadores, com níveis aumentados de testes.

"Entre 59% e 87% das pessoas sintomáticas testadas em algum momento durante uma infecção ativa pelo novo coronavírus, dependendo do cenário, e rastreamento e isolamento de contatos eficazes" poderiam ser determinantes para que uma "recuperação epidêmica" fosse evitada, avaliam os pesquisadores.

"Supondo que 68% dos contatos possam ser rastreados, estimamos que 75% dos indivíduos com infecção sintomática precisariam ser testados e casos positivos isolados se as escolas retornassem em período integral em setembro, ou 65% se um sistema de meio período fosse usado. Se apenas 40% dos contatos pudessem ser rastreados, esses números aumentariam para 87% e 75%, respectivamente."

Na conclusão dos cientistas, sem esses níveis de teste e rastreamento de contatos, "a reabertura das escolas, juntamente com o relaxamento gradual das medidas de bloqueio, provavelmente induzirão uma segunda onda, que atingiria o pico em dezembro de 2020, se as escolas abrirem em período integral em setembro, e em fevereiro de 2021, se um sistema de meio período fosse adotado".

Saúde