PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Aprenda o que dá para fazer em casa para aliviar os sintomas da psoríase

PositiveFocus/IStock
Imagem: PositiveFocus/IStock

Bruna Alves

Colaboração VivaBem

31/07/2020 04h00

A psoríase é uma doença crônica, autoimune e genética que está ligada a fatores ambientais (clima, sol, secura) e psicológicos, como o estresse. Ela se caracteriza pelo aparecimento de manchas e placas róseas ou avermelhadas na pele, associadas a intensa descamação e coceira.

No Brasil, estima-se que a doença atinja 1,3% da população jovem e adulta, não havendo distinção entre homens e mulheres, nem de raça. Já nos EUA, a prevalência da doença é maior em brancos (2,5%) do que em negros (1,3%).

As lesões podem ocorrer em qualquer região da pele, couro cabeludo e até nas unhas. Na pele negra, a psoríase tende a evoluir com manchas escuras mais duradouras, após o quadro inflamatório.

Além disso, alguns pacientes apresentam a inflamação também nas articulações (artrite psoriática). Nesse caso, se não tratada precocemente, a doença pode se manifestar de forma mais grave.

De acordo com os especialistas, estudos recentes mostraram a associação da psoríase a outras doenças inflamatórias ou comorbidades como diabetes, hipertensão e obesidade.

Além disso, assim como as demais doenças crônicas, a psoríase sempre pode voltar melhor ou pior, dependendo das circunstâncias. No entanto, embora não haja uma cura específica é possível controlar a doença tratando os sintomas com medicamentos e fototerapia.

Vale ressaltar que em qualquer aparecimento de manchas, coceiras ou descamação na pele, o médico deve ser consultado para iniciar um possível tratamento, se for o caso.

VivaBem conversou com especialistas para listar dicas que ajudam a aliviar os sintomas da doença. Lembrando que elas não substituem os medicamentos, mas atuam como tratamento complementar.

Vaselina sólida: para quem está com as lesões muito secas e com muita descamação. Nesses casos, a vaselina é um produto de baixo custo e pode ser uma boa opção.

Óleos de banho: os óleos minerais ou vegetais podem atuar complementando os hidratantes corporais, amenizando, permitindo uma maior penetração dos raios ultravioleta e potencializando o seu efeito anti-inflamatório. Além disso, é possível usar o óleo de amêndoas no couro cabeludo para ajudar na remoção das escamas, para isso basta deixar agindo no local de uma a duas horas por dia.

Hidratantes corporais: alguns hidratantes corporais são mais espessos e impedem a evaporação da água da pele. Uma dica de um creme que costuma ser muito eficaz são os que contêm como base a cera de abelhas e óleos de amêndoas, rico em ácidos graxos essenciais. Eles são facilmente encontrados em farmácias de manipulação. Aí vai uma dica extra: não use produtos coloridos e perfumados para evitar reações alérgicas.

Sele o hidratante: para aumentar a absorção do hidratante na pele, após a aplicação, pegue um papel filme (que usamos na cozinha) e sele a pele. Faça como se realmente precisasse deixar um recipiente bem fechado. Isso vai ajudar a penetração do produto na pele ressecada.

Camomila - iStock - iStock
Imagem: iStock

Chá de camomila: compressas geladas de chá de camomila podem ser utilizadas para diminuir a vermelhidão e irritação das lesões. Deixe-as agindo por apenas um minuto em cima das lesões.

Babosa: também conhecida como Aloe Vera, a babosa é ótima para a hidratação de pele, comprovado cientificamente. Essa planta também possui efeito calmante, refrescante e anti-inflamatório que, segundo alguns especialistas, podem ajudar a diminuir os efeitos da psoríase.

Sol, tomar sol - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Banho de sol: segundo especialistas, mais de 90% dos portadores de psoríase melhoram com um banho de sol. Os raios UV (principalmente UVB) têm efeito anti-inflamatório na pele. O banho de sol age como uma espécie de fototerapia caseira, com menos intensidade. Mas cuidado para não provocar uma queimadura e acabar piorando os sintomas ou até contribuindo para o surgimento de novas lesões. O ideal é saber dosar o tempo, cerca de 15 minutinhos por dia já ajudam a aliviar bastante os sintomas.

Melaleuca: também conhecida como árvore do chá, esse produto é um óleo originário da Austrália. Mas você não precisa ir tão longe para buscá-lo. Hoje é possível comprar um frasco em várias lojas de produtos naturais e até mesmo pela internet. A dica nesse caso é colocar apenas algumas gotinhas no xampu de uso diário. Embora não haja comprovação científica, alguns especialistas acreditam que esse óleo reduz a inflamação e auxilia na remoção das placas escamosas que ficam na pele.

Atividade física: a prática de exercícios físicos tem o poder de melhorar e até prevenir muitas doenças. E com a psoríase não é diferente. O paciente obeso, com hipertensão arterial elevada e com gordura no fígado, geralmente tem uma psoríase mais extensa e grave. Nesse caso, a prática de atividades físicas pode reverter a obesidade e resultar numa melhora do quadro.

Deixe os vícios de lado: na maioria das vezes, o sedentarismo, alcoolismo e tabagismo podem agravar os sintomas da doença, por isso, se você quer ter um controle melhor da psoríase, a dica é: abandone os vícios.

Meditação em casa - iStock - iStock
Imagem: iStock

Meditação: sabe-se que a psoríase está diretamente relacionada aos sintomas e doenças psicológicas como estresse, ansiedade, traumas e depressão, portanto, a prática de meditação torna-se uma grande aliada contra a doença.

Dieta equilibrada: a dieta mediterrânea tem sido bem avaliada pelos especialistas para ajudar a melhorar o estilo de vida dos pacientes com psoríase, especialmente os obesos. Mas, no geral, qualquer dieta equilibrada ajuda a manter a saúde em dia e, consequentemente, o controle da doença.

Fontes: Ana Luísa Sampaio, coordenadora do Departamento Interno de Medicina da SBD-RJ (Sociedade Brasileira de Dermatologia do Rio de Janeiro) e dermatologista do HUPE (Hospital Universitário Pedro Ernesto); Daniel Alan Costa, professor de fitoterapia do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), coordenador do curso de pós graduação em naturopatia da Unip (Universidade Paulista) e diretor da EBRAN (Escola Brasileira de Naturopatia); Fábio Heidi Sakamoto, dermatologista e professor no curso de medicina da Faculdade Santa Marcelina (SP); Gladys Martins, dermatologista, coordenadora do ambulatório de psoríase do HUB (Hospital Universitário de Brasília); e Leonardo Abrucio, dermatologista da BP (A Beneficência Portuguesa de São Paulo).

Saúde