PUBLICIDADE

Topo

"Faço dieta desde os 5, mas só com terapia mudei hábitos e perdi 21 kg"

Vivian Como Emagreci 1 - Arquivo pessoal
Vivian Como Emagreci 1 Imagem: Arquivo pessoal

Marcelo Testoni

Colaboração para o VivaBem

23/07/2020 04h00

A enfermeira Vivian Cannato, 35 anos, sofreu com o sobrepeso desde criança. Com cerca de 100 kg, ela decidiu mudar hábitos pois não queria fazer cirurgia bariátrica para combater à obesidade, como seus pais. A seguir, ela conta como conseguiu emagrecer:

"Desde pequena fui gordinha, seguindo um 'padrão de familiar'. Na família do meu pai há muitas pessoas obesas e minha mãe engordou bastante após ter duas filhas (eu e minha irmã), o que acabou influenciando na minha alimentação.

Quando criança, sofria bullying por estar acima do peso tanto dentro da família quanto na escola e na rua. Se por um lado os adultos tentavam me recompensar com gostosuras, por outro me cobravam, me criticavam e me chamavam por apelidos nada agradáveis.

Vivian Como Emagreci 4 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Aos cinco anos, fui obrigada a fazer dieta, pois estava com o peso muito acima do limite e, pode parecer surreal, mas tive uma crise de hipoglicemia e minha mãe precisou abrir uma lata de leite condensado para eu comer e não desfalecer.

Comprar roupa era sempre um martírio, porque eu era maior que as outras crianças da minha idade, inclusive que os meninos, e em alguns casos o jeito era recorrer a tamanhos usados por adultos, porque 25, 30 anos atrás a moda não pensava tanto em quem estava com sobrepeso.

Na puberdade, fui diagnosticada com síndrome do ovário policístico e um dos sintomas característicos é o ganho de peso. O próprio médico informou aos meus pais na minha frente que seria muito difícil eu emagrecer e ter filhos quando crescesse, uma vez que meus ciclos menstruais não eram regularizados e eu tinha uma tendência natural a engordar.

Por não aceitar o meu corpo, eu era avessa à prática de atividades físicas e me tornei muito ansiosa, o que fez com que eu comesse tudo ainda mais desenfreadamente, principalmente doces, que traziam prazer e aliviavam um pouco a angústia relacionada a essa questão.

Vivian Como Emagreci 2 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Aos 17 anos, cheguei a pesar quase 100 kg (para meus 1,65 m, na época). Tinha muita dificuldade de me achar bonita e não me arriscava a paquerar ninguém. Ouvia também que embora existisse gente com excesso de gordura bonita, eu era feia. Mas o problema não era só estético. Meu triglicérides nessa idade já estava acima de 350 mg/dl, mais que o dobro do valor adequado (150 mg/dl), o que traz um grande risco para a saúde cardiovascular.

Para tentar emagrecer, testei várias dietas, que hoje vejo como eram malucas, sem nenhuma supervisão médica. Meus hábitos eram totalmente errados. Eu passava a semana inteira sem ingerir nada sólido, só tomando shakes, chás e sopas, e no sábado e domingo almoçava bolo com sorvete e brigadeiro.

Quando fazia cursinho pré-vestibular, trocava o almoço por uma barra inteira de chocolate que devorava com um saco de suspiro. E isso porque comecei o ano com uma alimentação restritiva, sem carboidratos. Como não via resultados, ficava revoltada, desistia de emagrecer por um tempo e comia ainda mais.

Vivian Como Emagreci 5 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Minha percepção sobre saúde e consciência corpórea só começou a mudar depois que entrei na faculdade de enfermagem, pois pude compreender melhor o funcionamento do nosso organismo. Passado algum tempo, já trabalhando em um hospital, vivenciei uma situação que também me fez refletir sobre meu futuro e o tipo de profissional que eu gostaria de ser. Um médico me pediu para orientar a alimentação de uma criança que estava para receber alta e eu estava na copa comendo um lanche de fast-food. Como poderia dizer para alguém o que ela deveria ou não deveria comer?

Em 2009, meus pais se submeteram à cirurgia bariátrica, um na sequência do outro. Foi quando caiu a ficha de vez e percebi que eu precisava fazer alguma coisa, pois não queria passar por aquilo no futuro. Eu estava formada nessa época e acompanhei o processo pós-cirúrgico dos dois e pude ver o quanto eles sofreram. Meu pai, por exemplo, ficou com uma tendência depressiva e minha mãe mais irritada, com flutuações de humor durante sua adaptação.

Vivian Como Emagreci 3 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Então, tive a ideia de acompanhar os meus pais na alimentação e comer porções parecidas com a deles. Quando vi, já tinha conseguido eliminar alguns quilos. Animada com os resultados, busquei uma especialista para ajustar meu cardápio e comecei a fazer caminhadas.

Passado algum tempo, engatei um intercâmbio no exterior e o peso voltou a desandar. De volta ao Brasil, decidi retomar os exercícios, mas com mais intensidade, e incorporei à minha rotina sessões de terapia com psicólogo e meditação. Posso afirmar que dei um mergulho mais profundo para dentro de mim que me fez enxergar como meu corpo e saúde são importantes.

A terapia foi muito importante e me mostrou que não devo descontar meus sentimentos nas comidas. Ao perceber isso, consegui controlar melhor a alimentação, deixar de consumir besteiras e meu peso foi diminuindo 'naturalmente', com mudanças no cardápio que todo mundo sabe que deve fazer, como deixar de comer doces, frituras e não exagerar nas porções.

Desse modo, consegui eliminar 21 kg. Hoje, mantenho uma dieta equilibrada. No meu prato incluo todos os tipos de alimentos, mas em quantidades adequadas. Não preciso me privar de nada. O segredo está na moderação.

Além disso, por treinar musculação, correr e fazer psicanálise semanalmente, minha ansiedade está mais controlada e consequentemente não tenho mais aquele desejo ruim de comer sem controle. Meu objetivo é seguir com hábitos saudáveis, perder mais alguns quilos e ganhar massa muscular."