PUBLICIDADE

Topo

Movimento

Inspiração pra fazer da atividade física um hábito


Movimento

CPB oferece treinos grátis para pessoas com deficiência; veja como funciona

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

20/07/2020 04h00

Embora haja dezenas de transmissões ao vivo, vídeos e aplicativos que oferecem diferentes tipos de treinos para fazer em casa durante o período de isolamento social, é raro ver algo voltado para pessoas com deficiência.

Visando propagar a atividade física para esse público, especificamente deficientes físicos e visuais que são sedentários ou não possuem orientação profissional, o CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro), lançou o programa Movimente-se, com aulas online e gratuitas.

"O objetivo é a melhora da qualidade de vida de cadeirantes, paralisados cerebrais, amputados e deficientes visuais. São pessoas que muitas vezes já têm certa dificuldade de mobilidade, e em um momento de isolamento acabam se movendo ainda menos", explica Alberto Martins, diretor-técnico do CPB.

Como são divididas as aulas

O conteúdo é criado por profissionais de educação física técnicos de equipes paralímpicas nacionais com o auxílio de um médico e um fisioterapeuta para pensar em especificações para cada patologia.

Nos vídeos, os movimentos são demonstrados por atletas paralímpicos. "Essa é uma parte importante, já que o público, além de se sentir motivado, se vê representado naquelas figuras", indica Martins.

A primeira etapa do projeto consistirá em cinco vídeos semanais, diferenciados por tipos de deficiência. As aulas para deficientes visuais contarão com dois vídeos: um legendado para baixa visão e outro com o serviço de audiodescrição, ambos com o mesmo conteúdo.

Os treinos são compostos por aquecimento, exercício principal e volta à calma (relaxamento). "Para escolher os exercícios, focamos em equilíbrio, consciência corporal e no que poderia melhorar o dia a dia das pessoas, ou seja, movimentos funcionais como agachar, caminhar, pegar algo, segurar algo, até correr para quem consegue", explica Everaldo Braz Lúcio, técnico de atletismo do CPB.

Para os módulos futuros, ainda sem data de lançamento, o treinador conta que os vídeos devem focar mais em habilidades específicas, como ganho de força.

Parceria com o aplicativo Be My Eyes

Para tornar o programa ainda mais inclusivo para pessoas com deficiência visual, o CPB firmou uma parceria com o app Be My Eyes.

Por meio da tecnologia, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, usuários do programa Movimente-se poderão tirar dúvidas específicas com profissionais de educação física do CPB. Se alguém não sabe como posicionar os pés ou quanto deve descer o quadril durante um agachamento, por exemplo, poderá solucionar a dúvida no aplicativo.

"A assistência é especialmente importante para aqueles que não tem nenhuma memória corporal, como jovens que já nasceram sem enxergar", indica o diretor-técnico.

"Os principais benefícios são para minha mente"

Treino Maria Lourdes - Movimente-se - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Há dois anos e meio, Maria Lourdes Takashi, 70, perdeu completamente o movimento da perna esquerda após sofrer um AVC (acidente vascular cerebral). Ela, que antes fazia aulas de pilates duas vezes por semana, precisou abandonar a modalidade e deixou de praticar exercícios.

Com a criação do Movimente-se, há cerca de um mês, a rotina de Maria voltou a ser mais ativa. "Sentia muita falta de fazer exercícios. Não senti só mudança só corpo, mas principalmente na mente. Tenho mais vontade de fazer as coisas... Os treinos levantam o astral", conta.

Para ela, o objetivo final, ganhar mobilidade e ocupar a mente, já está sendo cumprido. "Faço vários alongamentos e os treinos são variados, assim a gente não enjoa. Acaba um, já começa outro. Minha filha também participa, então o momento fica mais legal. Enquanto eu possuir saúde, continuarei treinando", diz.

Movimento