PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Vinagre de maçã combate infecções fúngicas? Não e pode piorar certos casos

iStock
Imagem: iStock

Sibele Oliveira

Colaboração para VivaBem

29/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Não há estudos científicos conclusivos sobre a eficácia do vinagre para eliminar infecções causadas por fungos
  • Para que o tratamento funcione, é necessário identificar o fungo que está causando a infecção e tomar o antifúngico adequado
  • Quando aplicado na pele de qualquer jeito, o vinagre pode causar irritação, ardência e queimaduras
  • Hábitos saudáveis protegem o corpo contra as infecções fúngicas

Você já ouviu falar que o vinagre de maçã combate infecções causadas por fungos? Segundo especialistas, substituir medicamentos antifúngicos por essa receita caseira não é uma boa ideia.

"Não existe nenhum trabalho científico mostrando a eficácia do vinagre de maçã para eliminar infecções fúngicas nos tecidos humanos", alerta Viviane Alves, professora de microbiologia da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Embora as infecções fúngicas não assustem tanto quanto as bacterianas, elas podem ser graves se a pessoa estiver com o sistema imunológico debilitado. Nesses casos, uma candidíase ou mesmo aquela micose que parece inofensiva podem invadir outros órgãos, causar infecção hospitalar e colocar a vida em risco.

"A Candida, num paciente crítico, numa terapia intensiva, é uma das infecções mais graves. Pode causar uma sepse por fungos", afirma Rosana Richtmann, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas (SP). Corre um risco maior com essas infecções quem tem doenças como diabetes, câncer e Aids, faz uso de corticoides, inibidores de necrose tumoral, medicamentos para prevenir a rejeição de um órgão depois do transplante ou toma antibióticos por um longo período.

Mas, afinal, vinagres como de maçã matam os fungos como tanta gente acredita? Antes de mais nada, é importante saber que há dois tipos desses microrganismos: os filamentosos (mofos ou bolores) e as leveduras (que conhecemos por serem usadas na fabricação de pães e cerveja). As espécies de Candida, por exemplo, são leveduras que costumam causar infecções no trato geniturinário.

Também é necessário lembrar que muitos fungos habitam no corpo humano. O problema ocorre quando há uma multiplicação descontrolada desses microrganismos, que o nosso sistema de defesa não consegue conter.

Um dos argumentos de quem defende o uso do vinagre é que ele poderia equilibrar o pH (medida do nível de acidez) dos tecidos e desfavorecer o crescimento dos fungos. Mas de acordo com Alves, os fungos preferem um pH mais ácido. E o pH do vinagre é ácido. Isso não é uma regra. "Alguns mofos e bolores toleram pH alcalino", esclarece a microbiologista.

Não há comprovação científica das propriedades antifúngicas do alimento em seres humanos. Por enquanto, estudos só constataram a eficácia dos vinagres em superfícies de resinas acrílicas, como as próteses dentárias. Um deles, publicado no Journal Prosthodontics, observou que o vinagre de maçã inibe a aderência de espécies de Candida nas resinas acrílicas.

Aposte na prevenção

Muita gente nem desconfia que as micoses são infecções. Por isso, dá pouca importância para essa doença que aparece na pele, no couro cabeludo e nas unhas, e é mais comum no verão. Isso é um erro porque sem tratamento elas acabam piorando. Optar por receitas caseiras como o vinagre de maçã também não é uma conduta aconselhada pelos médicos, pois adia a cura.

Para ficar longe das micoses, a prevenção é o melhor remédio. Como fazer isso? "Devemos evitar umidade secando bem os pés e áreas de dobras, evitar andar descalços, principalmente em vestiários de academia, e usar roupas de algodão que permitem uma ventilação melhor da pele", explica Cristina Abdalla, dermatologista do Hospital Sírio-Libanês (SP).

Quando o problema já está instalado, é necessário procurar um médico para fazer o tratamento correto. "Em primeiro lugar, o tipo de micose (há vários) precisa ser diagnosticado. Muitas vezes é necessário colher o exame micológico direto e cultura para a identificação do fungo", acrescenta Abdalla.

Mesmo não havendo estudos que comprovem a eficácia do vinagre de maçã para tratar as micoses, algumas pessoas substituem os antifúngicos pelo produto. Nesse caso, é preciso tomar muito cuidado, pois o vinagre pode causar irritação, ardência e até queimaduras. Para evitar essas reações, ele deve ser diluído em água.

Incômodo e perigoso

Uma das infecções fúngicas mais temidas é a candidíase. Ao contrário do que muitos pensam, a doença causada por espécies do fungo Candida não atinge só a vagina. Ela também pode se manifestar na boca, no pênis, nas dobras da pele e em órgãos internos como o esôfago e a bexiga. É um microrganismo oportunista que pode causar uma infecção disseminada.

candidíase - iStock - iStock
Uma das infecções fúngicas mais temidas é a candidíase, e ela não atinge só a vagina
Imagem: iStock

No entanto, a mais comum é a candidíase vaginal. A doença —que tem como sintomas corrimento branco com aspecto de "leite coalhado", irritação, coceira e às vezes ardência ao urinar e incômodo na relação sexual devido à irritação na mucosa da vagina— é causada por um desequilíbrio da flora vaginal que leva à proliferação do fungo.

O vinagre de maçã jamais deve ser usado para tratá-la. "A candidíase por si só é uma vulvovaginite ácida. Portanto, o uso de vinagre ou qualquer outra substância que também tenha pH baixo tende a piorar o quadro", ressalta Laísa Roteli, ginecologista do Hospital São Luiz (SP).

Ainda há o risco de confundir a infecção com outras doenças ginecológicas como vaginose citolítica, alergias e dermatites vulvares, e deixar de fazer o tratamento correto.

Além do vinagre de maçã, há várias receitas caseiras usadas com a finalidade de acabar com a candidíase vaginal. De todas, a médica diz que apenas o bicarbonato de sódio pode ajudar a aumentar o pH da região, mas a forma de administração deve ser orientada por um ginecologista. Para aliviar o incômodo, o banho de assento com chá de camomila pode ser associado ao tratamento convencional porque tem ação calmante. Mas deve ser feito sempre morno ou frio.

É possível se proteger da infecção com algumas medidas preventivas simples. Os ginecologistas recomendam não usar roupas muito apertadas, preferir calcinhas de algodão, utilizar sabonetes íntimos ou glicerinados neutros e dormir sem calcinha, além de evitar o uso excessivo de antibióticos e ter uma alimentação equilibrada.

A escolha do antifúngico usado no tratamento depende do tipo de candidíase vaginal. "Ela pode ser classificada como simples ou complicada. Episódios de repetição, por exemplo, são considerados candidíase complicada, possivelmente causados por um tipo de Candida diferente da Albicans, que é a mais comum, presente em aproximadamente 90% dos casos", diferencia Roteli.

Mantenha o corpo saudável

Para ficar livre das infecções fúngicas, Richtmann aconselha a tomar probióticos após o uso prolongado de antibióticos. "Na candidíase, o fungo se aproveita de uma diminuição da flora bacteriana para crescer. Isso acontece porque o antibiótico mata as bactérias que estão causando a infecção e também as bactérias do bem. E o fungo se aproveita disso. Então a gente precisa repor a flora bacteriana tomando probióticos".

Outras dicas importantes são adotar uma alimentação menos ácida, verificar se os hormônios estão equilibrados, se a glicemia está normal e evitar roupas escuras no calor. Além de ambientes escuros, os fungos gostam de lugares quentes e úmidos. Por isso, a infectologista recomenda lavar as roupas usadas em atividades físicas antes de usá-las novamente.

Os especialistas consultados para essa reportagem afirmam que o vinagre de maçã não faz mal, a não ser causar um desconforto na região onde é aplicado, em alguns casos. O risco maior é confiar no produto e, com isso, dar tempo para as infecções fúngicas piorarem. "Por isso, ele nunca deve ser usado como substituto do tratamento convencional com antifúngicos", explica Rafael Borlini, nutrólogo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP).

Saúde