PUBLICIDADE

Topo

VivaBem

1/3 dos norte-americanos mostra sinais de ansiedade e depressão na pandemia

O quadro parece mais grave para pessoas mais jovens, de 18 a 29 anos, do que entre pessoas com mais de 80 - Getty Images/EyeEm
O quadro parece mais grave para pessoas mais jovens, de 18 a 29 anos, do que entre pessoas com mais de 80 Imagem: Getty Images/EyeEm

De Viva Bem, em São Paulo

27/05/2020 19h20

Pelo menos um terço dos norte-americanos estão mostrando sinais de ansiedade e depressão durante a pandemia do coronavírus, segundo pesquisa do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde em parceria com o Census Bureau.

Os dados começaram a ser coletados em abril e serão coletados por mais três meses por meio de uma pesquisa on-line na plataforma Household Pulse Survey.

Os pesquisados foram questionados sobre a frequência com que se sentiram incomodados ou demonstraram pouco interesse ou prazer em realizar tarefas — resultados coletados entre 23 de abril e 19 de maio mostram que aproximadamente 30% dos norte-americanos apresentaram sintomas de transtorno de ansiedade e quase 24% apresentaram sintomas de transtorno depressivo como consequência do isolamento social.

O quadro parece mais grave para pessoas mais jovens: entre pesquisados que têm de 18 a 29 anos, 42% relataram sintomas de ansiedade e 36% deles apresentaram sintomas de depressão.

Em contrapartida, enquanto pessoas mais velhas correm maior risco de ter complicações por conta da covid-19, apenas 11% das pessoas com mais de 80 anos relataram sintomas de ansiedade e 9% de depressão.

"Esse problema [de ansiedade e depressão] tem sido muito estudado em jovens adultos, mas ainda não mostra respostas claras", afirmou ao Washinton Post Maria A. Oquendo, professora de psiquiatria da Universidade da Pensilvânia.

Oquendo disse que o índice mais alto entre jovens pode ser decorrente das mídias sociais, da forma como essa geração foi criada ou porque eles têm maior disposição em abrir o jogo sobre seus problemas, mas que o efeito é "preocupante".

VivaBem