PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Ludmilla é internada com pielonefrite aguda; entenda o quadro

Reprodução Instagram/ @ludmilla
Imagem: Reprodução Instagram/ @ludmilla

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

13/05/2020 11h52

Após sentir fortes dores abdominais, a cantora Ludmilla foi internada ontem em hospital no Rio de Janeiro. De acordo com informações divulgadas pela assessoria, a artista foi diagnosticada com pielonefrite aguda (um processo inflamatório no rim). "Ludmilla foi medicada e passa bem, seu quadro é estável, devendo receber alta em breve", diz a nota.

O problema que a cantora apresenta é um tipo de apresentação menos comum da infecção urinária.

"A infecção urinária mais comum é chamada de cistite, chamamos de infecção urinária baixa. Quando ela não é tratada de forma adequada e há ascensão das bactérias pelo trato urinário ou, eventualmente, por outros mecanismos, as bactérias causadoras da infecção atingem os rins e estruturas adjacentes, causando a pielonefrite", explica Gustavo Ferreira da Mata, nefrologista da Santa Casa de São José dos Campos.

As principais bactérias que causam a infecção urinária são organismos que vivem em nosso corpo normalmente, no trato intestinal, mas, quando mudam de local — como sair do intestino e passam a habitar o trato urinário — podem causar infecção.

Sintomas

  • Febre
  • Dor lombar
E os sintomas da infecção urinária comum:
  • Ardor ou dor ao fazer xixi
  • Pressão ou dor no baixo ventre (abaixo da barriga)
  • Vontade de fazer xixi o tempo todo, mas ao ir ao banheiro quase não há o que urinar
  • Xixi escuro, com sangue ou odor diferente
  • Cansaço ou mal-estar

Diagnóstico e tratamento

Em um primeiro momento, o diagnóstico é feito pela descrição dos sintomas do paciente. Depois, o médico solicita testes de urina para a confirmação.

"Além do exame de urina 1, mais simples e com resultado rápido, o especialista também pode pedir uma urocultura com antibiograma, no qual a urina é colocada em uma placa de cultura e, após identificar a bactéria, se torna possível testar alguns antibióticos e ver qual funciona melhor. Mas o teste demora entre 48 e 72 horas, então, o paciente necessita ser medicado antibiótico antes do resultado, sendo necessária a reavaliação assim que o resultado do exame estiver disponível", indica o médico.

Dependendo da gravidade do caso, também é possível que os médicos peçam um parâmetro para estimar a função renal, utilizando-se do exame que detecta a quantidade de creatinina (resíduos que os rins geralmente eliminam na urina) no sangue e hemograma para avaliar o aumento dos leucócitos (células de defesa que indicam a atividade inflamatória), e ultrassom para checar se há abcessos ou cálculos urinários.

Como prevenir infecções urinárias*

- Tome água com frequência A quantidade ideal varia para cada pessoa, por isso uma dica simples é observar se a urina está sempre clara. Se estiver concentrada, é sinal de que é preciso tomar mais líquido.

- Não espere a vontade apertar A bexiga deve ser esvaziada no mínimo a cada quatro horas; para quem é muito ocupado ou esquece de ir ao banheiro, o alarme do celular pode ser útil.

- Relaxe na hora de fazer xixi Se houver a sensação de que sobrou urina na bexiga, faça uma forcinha.

- Faça xixi logo após as relações sexuais O jato de urina ajuda a "lavar" as vias urinárias.

- Evite passar muito tempo com roupas íntimas molhadas e prefira peças feitas com tecidos que absorvem o suor, como algodão.

- Use camisinha e faça exames de rotina para afastar o risco de DST. E depois do sexo anal, troque o preservativo caso volte à penetração vaginal.

- Troque fraldas e absorventes com frequência Isso evita a exposição da uretra a bactérias.

- Ensine as meninas a fazer a higiene íntima sempre de frente para trás.

- Cremes vaginais com estrogênio podem evitar o risco de infecções urinárias nas mulheres durante a menopausa.

- Considere o tratamento da próstata, caso essa seja a causa de infecções recorrentes

* Com informações da reportagem de Tatiana Pronin, publicada em 26/02/2019.

Saúde