PUBLICIDADE

Topo

Spa detox pelos pés realmente elimina toxinas do corpo?

Check-up 22/4/20 - spa pelos pés - web
Imagem: Priscila Barbosa

Aline Dini

Colaboração para VivaBem

22/04/2020 04h00

Provavelmente você já ouviu falar no "spa detox", também conhecido como "detox iônico". O procedimento nada mais é do que uma espécie de escalda-pés de salmoura feito num aparelho com eletrodos ligados à tomada e que, após alguns minutos com os pés submersos, deixam a água escurecida.

Diversas clínicas de beleza e bem-estar chegam a cobrar R$ 200 por sessão do spa detox, justificando que a coloração escura é resultado da eliminação das toxinas acumuladas no corpo.

Só no Instagram a hashtag spadetox conta com quase 15 mil posts, boa parte deles promovendo a melhora no funcionamento geral do corpo e até emagrecimento após as sessões do "tratamento".

Pura química

Porém, o que parece até um passe de mágica nada mais é do que reação química. Pesquisadores do Canadá fizeram experimentos com o detox iônico e ficou comprovado que a água se torna escura mesmo que ninguém tenha encostado os pés nela.

O estudo foi publicado no site do NCBI (Centro Nacional de Informações Biotecnológicas, dos Estados Unidos), e serve como prova de algo bastante óbvio para quem entende de processos químicos: o escurecimento da água é resultado da corrosão eletrolítica —ou de metais.

Algo parecido com o que acontece com a formação da ferrugem. A diferença é que no detox iônico ela é acelerada pela presença de sal na água e pela eletricidade.

"A água salgada em que o eletrodo é imerso atua como um meio condutor, que vai permitir que os íons 'nadem' por ali, indo de um lado a outro do eletrodo. E a corrente elétrica na água salgada faz com que eles se 'soltem' dos metais, ficando dissolvidos e colorindo a água", explica Laura Marise de Freitas, farmacêutica-bioquímica, doutora em biociências e biotecnologia, pesquisadora do Instituto de Química da USP (Universidade de São Paulo), e integrante do projeto Nunca Vi 1 Cientista.

O endocrinologista Mario Kedhi Carra, presidente da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade) é enfático ao afirmar: "Essa história de fazer detox pelos pés é uma das maiores bobagens que eu já vi. E só convence as pessoas porque tem um apelo de marketing muito forte. Não existe nada, fisiologicamente comprovado, que faça qualquer toxina ou substância do nosso organismo sair pelos pés."

A alta procura de pacientes pelo procedimento e a curiosidade de muitos alunos fizeram com que João Tassinary, fisioterapeuta, biomédico especialista em estética e doutor em medicina e ciências da saúde, repetisse o experimento dos pesquisadores canadenses.

Em parceria com um engenheiro químico, o especialista chegou à mesma conclusão: a coloração escurecida da água não passava de uma reação química.

Para quem tem dúvida se um tratamento realmente pode ser eficiente, Tassinary aconselha a desconfiar de tudo o que pareça ser resolvido como num passe de mágica, além de procurar informações em sites de instituições sérias e, claro, pesquisar sobre a qualificação do profissional que oferece aquele procedimento.

"Estamos na era digital e o conhecimento está disponível inclusive para quem não é da área, em base de dados científicas, como a biblioteca virtual do Capes", diz o professor.

Organismo é inteligente e faz a própria faxina

Assim como muitas dietas e sucos detox, o spa detox dá a entender que o corpo precisa de uma forcinha para eliminar as toxinas acumuladas.

"Acontece que o corpo humano tem um complexo sistema preparado para fazer a própria limpeza através de reações químicas que acontecem no fígado, nos rins, no trato digestório e no intestino, realizando uma verdadeira filtragem", explica Alexandre Hohl, endocrinologista e professor do HU-UFSC (Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina).

Só o fígado, por exemplo, já é responsável por metabolizar tanto os nutrientes de alimentos quanto substâncias do álcool ou de medicamentos. Assim, as toxinas que não são boas são eliminadas pela urina e pelas fezes.

"Por isso ressalto que no processo metabólico simplesmente não existe sequer a palavra desintoxicação. A expressão até pode ser usada numa forma de uma linguagem de mais fácil entendimento, mas jamais para vender a ideia de que existem tratamentos ou produtos que realizem esse processo", reforça Francisco Tostes, endocrinologista e membro da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia).

Mas nem por isso devemos abusar

Não é porque o organismo conta com um complexo sistema de filtragem e eliminação de toxinas que estamos liberados a fazer extravagâncias com ele. Especialmente o cigarro, que conta com mais de cinco mil substâncias tóxicas, e a bebida alcoólica em excesso podem sobrecarregar esse filtro.

Por outro lado, beber bastante água alivia o trabalho dos rins, que também atuam no processo de filtragem das toxinas, favorecendo todo o fluxo.

Vale também ter uma dieta rica em vegetais, já que eles são ricos em nutrientes que otimizam as funções do corpo. Fazer atividade física e dormir bem são outros bons hábitos que devem ser cultivados, pois auxiliam o corpo a realizar processos de reparo e recuperação.