PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Menta, alecrim, chá verde, ioga e até lactobacilos ajudam a combater caspa

iStock
Imagem: iStock

Felipe Cerqueira

Colaboração para VivaBem

22/04/2020 04h00

Cristiano Ronaldo venceu a caspa é um dos memes mais famosos da internet. A graça vem do fato de o jogador português, um dos mais famosos e premiados do mundo, ser o garoto-propaganda de um xampu anticaspa —ou seja, a condição de pele que afeta o couro cabeludo é, supostamente, mais um da lista de adversários batidos pelo craque.

Mas não é só com cosméticos que se briga contra a dermatite seborreica: os fãs de Ronaldo também podem usar remédios e produtos naturais no tratamento.

A caspa é uma inflamação de pele, especialmente do couro cabeludo, e está associada a baixas temperaturas, alimentação, consumo de álcool, oleosidade excessiva no couro cabeludo, genética, estresse e a proliferação exagerada de um fungo que as pessoas normalmente têm no cabelo.

Ela não tem cura e vem acompanhada de momentos de melhora e de piora. Se a crise for muito intensa, pode causar queda de cabelo.

Devido à ação antifúngica e de controle de oleosidade, a menta, o alecrim, a melaleuca e o chá verde podem ser usados de forma tópica, por meio de óleos essenciais ou extratos, diz o dermatologista Gabriel Sampaio.

Como alguns pacientes têm crises desencadeadas por períodos de estresse, terapias como ioga, acupuntura e meditação são recomendadas. Até leites fermentados com lactobacilos vivos podem apresentar benefícios. Veja abaixo quais são os remédios naturais que podem ajudar no combate à caspa.

  • Melaleuca

Também conhecida como árvore do chá, tem propriedade anti-inflamatória e combate o fungo que causa a dermatite seborreica. Um estudo de 2002 mostrou melhora de 41% das pessoas que usaram óleo da árvore o chá para combater a caspa. Para usá-lo, é preciso misturar algumas gotas ao xampu comum. Há o risco de inflamação se aplicado diretamente no cabelo.

  • Aloe vera

Você provavelmente já viu na gôndola do supermercado ou no banheiro da sua casa um xampu feito à base de aloe vera. De acordo com um estudo de 2015, esta planta tem propriedades antibacterianas e antifúngicas que ajudam a proteger o couro cabeludo. É bastante utilizado em forma de gel. Use uma touca de banho e o deixe agir por 30 minutos antes de enxaguar o cabelo.

  • Chá verde

Tem ação antifúngica e controla a oleosidade. Seu ativo é bastante usado em produtos para o cabelo. Pode ser usado por meio de extrato. Deve-se fazer o enxágue durante o banho, com água não muito quente. É importante dizer que ele não substitui o xampu.

  • Menta

O óleo essencial de menta controla a oleosidade e reduz a coceira no couro cabeludo. Também pode combater o fungo causador da caspa. Aplique três gotas misturadas ao xampu usado no dia a dia.

  • Alecrim

O óleo essencial de alecrim combate a oleosidade e, por isso, pode ajudar a reduzir a caspa. Misture algumas gotas (três ou quatro) em seu xampu antes de aplicá-lo diretamente no couro cabeludo.

  • Zinco

A reposição do zinco pode ser útil no caso de deficiência deste mineral no organismo. Reduz a produção de sebo no corpo e, por isso, auxilia no combate à caspa. É encontrado em alimentos como feijão, castanha e ovos. Dependendo do caso, o dermatologista pode indicar suplementos.

  • Ômega 3

Segundo uma pesquisa de 2010, o ômega 3 é promissor como tratamento para muitos distúrbios da pele, incluindo a caspa, graças à sua propriedade anti-inflamatória. Este ácido graxo está presente em alimentos como peixe (sobretudo os mais gordurosos, como o salmão), linhaça e nozes.

  • Lactobacilos

As bebidas de leite fermentado que contém lactobacilos vivos também podem reduzir a caspa. Uma pesquisa de 2017 mostrou que um grupo de 60 pessoas que ingeriu probióticos por 56 dias seguidos reduziu significativamente a severidade da caspa.

  • Terapias que combatem o estresse

O estresse proporciona um desequilíbrio hormonal em todo o organismo, e isso aumenta a oleosidade da pele, incluindo a do couro cabeludo. Por isso, terapias como acupuntura, meditação e ioga apresentam benefícios.

Siga o VivaBem no

Fontes: Gabriel Sampaio, dermatologista filiado à SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) e Marisa Gonzaga da Cunha, chefe do setor de cosmiatria da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC).

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que dizia um trecho do texto, zinco é um mineral, e não uma vitamina. A informação foi corrigida.

Saúde