PUBLICIDADE

Topo

Ela secou 26 kg após não 'caber' em shorts: "Defini como meta usar a peça"

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Thamires Andrade

Colaboração para o VivaBem

09/04/2020 04h00

Na terceira gestação, Ingrid Santiago engordou 30 kg e não conseguiu emagrecer. Sem ter noção de que seu manequim passou a ser 48, ela tomou um susto quando foi comprar um short 40 e a peça não serviu. Mesmo assim, comprou a roupa e resolveu mudar hábitos para pode usá-la. A seguir, ela conta como conseguiu:

"Sempre fui uma criança magra, mas quando entrei na adolescência comecei a engordar. Aos 14 anos, estava muito acima do peso e me matriculei na academia. Passei a adorar praticar atividade física. Mas aos 17 anos engravidei e deixei de me exercitar. Dois meses depois da minha primeira gestação, já tinha perdido os 20 kg que ganhei.

Ingrid 3 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Três anos depois, tive minha segunda filha e foi a mesma coisa. Quando engravidei no ano seguinte, da minha terceira filha, engordei 30 kg por conta de uma série de medicamentos que tive que tomar para não perder meu bebê e nunca mais consegui emagrecer.

Não tinha ideia do quanto estava acima do peso. Um dia resolvi comprar uma roupa na loja de uma amiga e pedi por um shorts tamanho 40. Ela olhou para mim, deu uma risadinha e falou que não entraria em mim. Retruquei que caberia, porque aquele era o meu número. Quando fui vestir, não entrou, não chegou nem no meu joelho.

Ingrid 2 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Fiquei desesperada e resolvi levar a peça, mesmo sem caber. Sai da loja chorando e, quando cheguei em casa, pendurei o shorts no meu guarda-roupa. Eu me olhei no espelho e vi que realmente meu corpo tinha mudado. Por conta da gravidez, só usava vestido soltinho e não tinha essa percepção. Então, me dei conta que vestia 46/48. Tinha 1,57 cm e estava pesando 83 quilos.

Foi então que comecei a pesquisar sobre alimentação saudável e conheci a dieta low carb e o jejum intermitente. Passei a aplicar essas estratégias no meu dia a dia de maneira muito regrada. Tive que reprogramar a minha cabeça e realmente aprender a comer novamente, pois odiava legumes, verduras e saladas. Coloquei em minha mente que nem sempre temos que comer tudo que gostamos e que eu precisava daqueles alimentos para ficar bem. Resultado? Hoje, amo esses alimentos!

Fui bem focada na dieta, ao ponto de ir para casamentos e aniversários e só tomar água porque não serviam nada saudável"

Ingrid 4 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Algumas pessoas me chamavam de louca por andar com minhas marmitas para todos os lugares, mas também programei meu cérebro para entender que estava fazendo aquilo por mim e não pelos outros. Acredito que foi muito importante trabalhar o psicológico em todas essas situações e também na hora de quebrar a minha grande meta (emagrecer 26 kg) em conquistas menores.

Olhava para o shorts todos os dias no guarda-roupa e mentalizava que ia entrar nele. Criei metas semanais de quanto iria emagrecer para conquistar isso e foi bem menos dolorido! Para elevar minha autoestima, também espalhava frases de empoderamento sobre o quanto eu era forte e persistente. Ia praticar exercício mentalizando isso também.

Ingrid 5 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Quando comecei meu processo de emagrecimento, meu marido estava desempregado e não tinha dinheiro para me matricular na academia. Então comecei a fazer HIIT (treino intervalado de alta intensidade) dentro de casa mesmo e, em um mês, perdi 10 kg. Malhava de segunda a sexta-feira e a alimentação regrada de domingo a domingo. No mês seguinte, me matriculei na academia.

Tinha um salão de beleza na minha casa, que abria às 8h e não tinha horário para fechar. Por isso, precisava me programar para treinar mais cedo. Acordava às 4h30 e ia mentalizando várias frases até chegar lá.

Ingrid 6 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Na academia, inicialmente segui com os treinos mais curtos de alta intensidade, como os que fazia em casa. Depois, comecei a ir para a esteira, elíptico e bike, além de fazer aulas de dança. Com o tempo, também investi na musculação para evitar a flacidez, pois como emagreci muito rápido ficou sobrando pele em algumas regiões, como seios, coxas e abdome. Inclusive, já fiz cirurgia reparadora (para remover o excesso de pele) nos seios e pretendo fazer no abdome.

Hoje, o meu momento é de manter o peso perdido! Continuo seguindo a dieta, mas nos finais de semana me libero uma ou duas saídas. Tudo mudou na minha vida depois que consegui emagrecer. Eu me sinto mais disposta, consigo subir e descer escadas e até levantar meus braços sem dificuldade. Fora a minha autoestima e até o relacionamento amoroso com o meu marido, que melhoraram muito.