PUBLICIDADE

Topo

Pergunte ao VivaBem

Os melhores especialistas tiram suas dúvidas de saúde


Pergunte ao VivaBem

Tenho ansiedade e sinto náusea, palpitações e sintomas físicos. Como lidar?

Fernanda Garcia/UOL VivaBem
Imagem: Fernanda Garcia/UOL VivaBem

Daniel Navas

Colaboração para o VivaBem

07/04/2020 04h00

No momento da crise de ansiedade, ou seja, em que esses sintomas físicos como náuseas, dores de cabeça e palpitações estão ocorrendo, o ideal é controlar a respiração e os pensamentos. Inspire lentamente com a boca fechada, deixando o diafragma —músculo situado abaixo do pulmão, entre o tórax e o abdômen — se expandir (estufar a barriga) e segure por 5 segundos. Depois, solte o ar pela boca com calma. Enquanto fizer o trabalho de respiração, foque em pensamentos positivos. Dessa forma os sintomas irão diminuir, até que você não sinta mais nada.

É preciso entender que a ansiedade é um estado normal do ser humano, e que pode, inclusive, vir acompanhado de alguns sinais como os citados, assim como insônia, diarreia ou vômito. A atenção se dá quando esses sintomas se tornam mais intensos e frequentes. É o chamado transtorno de ansiedade. Nesse caso, o ideal é procurar um profissional de saúde mental para que ele possa realizar um diagnóstico mais preciso e indicar o tratamento, que pode ser o uso de medicamentos e psicoterapia.

Para entender melhor, quando ficamos ansiosos, o sistema límbico (responsável pelas emoções) do nosso organismo libera os hormônios adrenalina e cortisol para nos preparar para a defesa ou fuga. Mas se temos que enfrentar algo que julgamos acima da nossa capacidade, e a ajuda é mínima, todo esse processo se exacerba, convertendo-se em sintomas.

A melhora do transtorno de ansiedade vai depender da gravidade e evolução do tratamento. Portanto, os sintomas só irão diminuir, caso o paciente siga continuamente a terapia indicada pelo profissional da saúde e não tome atitudes sem consultar o médico. Afinal de contas, é ele quem poderá avaliar se o tratamento está tendo evolução e quais os próximos passos a seguir.

Fontes: Denise Pará Diniz, psicóloga comportamental e coordenadora do setor de gerenciamento de estresse e qualidade de vida da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), José Carlos Tavares, psicólogo, especialista em terapia cognitivo comportamental e professor de psicologia do centro de ciências da saúde da Universidade Católica de Petrópolis, no Rio de Janeiro; e Luiz Vicente Figueira de Mello, supervisor do programa de ansiedade do IPQHCFMUSP (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

Quais são suas principais dúvidas sobre saúde do corpo e da mente? Mande um email para pergunteaovivabem@uol.com.br. Toda semana, os melhores especialistas respondem aqui no UOL VivaBem.

Pergunte ao VivaBem