PUBLICIDADE

Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor


Alimentação

Sem tempo para cozinhar? Vegetais congelados são opção prática e saudável

iStock
Imagem: iStock

Samantha Cerquetani

Colaboração para o VivaBem

12/03/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Legumes, verduras e frutas podem ser congelados e ainda são alimentos nutritivos
  • Congelar o alimento preserva os nutrientes desde que o processo seja realizado da forma correta
  • Há variações de tempo de validade dos congelados de acordo com as técnicas de processamento desses alimentos
  • Se o alimento for descongelado de forma inadequada há risco de proliferação de microrganismos e também alteração de sabor e textura
  • Alface, rúcula, agrião, melancia, melão, pepino, batata, maçã, banana e pera d'água não apresentam bons resultados após o descongelamento

Depois de um dia corrido de trabalho, cozinhar pode dar preguiça e isso estimula o consumo de alimentos com poucos nutrientes e mais calóricos. Uma opção bastante prática e até econômica é investir nos legumes, verduras e frutas congeladas. A boa notícia é que eles são considerados alimentos saudáveis por manterem a concentração de nutrientes e, na maioria das vezes, não contêm aditivos químicos, como corantes e conservantes. E isso vale inclusive para os congelados que você compra no supermercado.

"É uma forma de variar o cardápio diariamente com alimentos saudáveis. É um erro acreditar que frutas, legumes e verduras congeladas não são tão saudáveis quanto os produtos frescos", explica Marcella Garcez, nutróloga e diretora da ABRAN (Associação Brasileira de Nutrologia).

Uma pesquisa da Universidade da Califórnia (EUA) mostrou que algumas frutas e legumes congelados podem ter a mesma quantidade de vitaminas em relação as versões in natura. Isso ocorre porque o processo de branqueamento —imersão do alimento em água fervente, e em seguida, resfriamento com água e gelo — não altera as vitaminas A e E, minerais e fibras dos alimentos. Mas, a vitamina C e as do complexo B podem ser afetadas e reduzidas nesse processo.

Por isso, os especialistas consultados pelo VivaBem acreditam que na impossibilidade de consumir o alimento in natura, que sempre possui mais micronutrientes, a melhor alternativa é investir nos congelados. Apesar de terem pequenas perdas de vitaminas e minerais, alteração de textura, sabor e odor, esses alimentos mantêm as características nutricionais do momento do congelamento e ainda são práticos.

Em alguns casos, os alimentos congelados de forma adequada podem até possuir níveis mais elevados de certos nutrientes quando comparados aos alimentos frescos. Já que estes, se forem armazenados por vários dias, perdem nutrientes e antioxidantes ao longo desse período.

"O congelamento é o método que menos altera o valor nutricional dos alimentos. Somente perdem-se os nutrientes nesse processo quando ocorre um congelamento lento, por haver formação de cristais devido a água do alimento", explica Lígia Santos, nutricionista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Durabilidade dos congelados

Há variações de tempo de validade de acordo com as técnicas de processamento desses vegetais e frutas. Por isso, as datas de validade devem ser observadas nas embalagens ou nas instruções de preparo e congelamento. O período geralmente varia entre três meses a um ano, desde que esses alimentos sejam conservados no freezer com temperatura de aproximadamente - 18ºC.

"Os legumes e as verduras congeladas duram cerca de um ano e as frutas aproximadamente 9 meses. Mas, o ideal seria conservar os congelados por até três meses e consumir o alimento em até 24h após seu descongelamento. E esse alimento não deve ficar fora da geladeira ou ser congelado novamente", destaca Renata Faggion Bortoluzzo, nutricionista do Núcleo Paulista de Obesidade.
Formas adequadas de congelamento em casa

As formas de congelamento variam de acordo com a técnica de processamento, se os alimentos são frescos, cozidos, isolados ou adicionados de outros ingredientes. Se for realizado em casa, o ideal é que seja feito em pequenas porções em sacos plásticos ou potes de vidros ou plásticos, pois facilita o processo e o descongelamento. Evite deixar o alimento na pia, por exemplo, pois isso aumenta o risco de contaminação.

"Os alimentos congelados devem estar sempre protegidos. Não é recomendada a utilização de sacos coloridos que possuem resíduos tóxicos que podem contaminar os alimentos. Outra dica importante é de não sobrecarregar o freezer com vários itens, dificultando a circulação de ar, o que prejudica a conservação dos alimentos", completa Santos.

De acordo com os especialistas, a melhor forma de congelar é pela técnica de branqueamento. O ideal é que os alimentos sejam cozidos em água fervente por pouco tempo (variando de 2 a 10 minutos) ou no vapor, e depois sejam resfriados em água gelada. Esse processo inativa as enzimas que afetam a qualidade do alimento, diminui os microrganismos e favorece a fixação da coloração.

Durante a técnica, o alimento precisa estar coberto por água e o tempo dos alimentos na água fervente deve ser o mesmo de quando estiver gelada. É importante também colocar a data do congelamento em etiquetas para ter um controle da data de validade.

Para que o método seja eficaz na conservação dos nutrientes, é necessário ainda evitar a luz e o ar durante o congelamento. E quanto mais rápido for o processo, maior será a preservação dos nutrientes. Vale ressaltar que todo o alimento a ser congelado deve ser fresco, limpo e de boa qualidade.

E como descongelar?

O descongelamento correto do alimento caseiro ou industrializado deve ser realizado lentamente, sob refrigeração ou em água fria, que deve ser trocada a cada 30 minutos, no máximo.

Se o alimento for descongelado de forma inadequada, dentro da água quente, ao sol ou ao ar livre, por exemplo, há riscos de proliferação de microrganismos. E também pode sofrer alteração de sabor e textura.

No micro-ondas o descongelamento também é rápido e seguro e deve ser feito em recipientes adequados. Mas nesses casos, deve-se tomar cuidado para não cozinhar o alimento sem querer. E também é possível descongelar diretamente na panela, durante a cocção da refeição.

Atenção extra ao comprar congelados

Os maiores riscos envolvem a data de validade e a possibilidade de o alimento sofrer descongelamento e ser congelado novamente. Além de observar as informações do rótulo quando for comprar os congelados, é muito importante verificar se há sinais de descongelamento na embalagem e no produto.

Cheque também se as embalagens apresentam excesso de água, se estão rasgadas, com cores alteradas e se há camadas de gelo sobre o produto, pois isso indica oscilação de temperatura no local. Vale observar também se há adição de corantes e se os alimentos são in natura.

"Uma dica importante para garantir as equivalências entre alimentos frescos e congelados é ler a lista de ingredientes do produto congelado. Quanto menos ingredientes adicionados, maior a possibilidade dos nutrientes entre os alimentos congelados e frescos serem parecidos", afirma Garcez.

É melhor não congelar...

Vários alimentos não devem ser congelados, pois perdem suas características como sabor e textura, além das propriedades nutricionais. Entre eles estão os vegetais e frutas ricas em água como alface, rúcula, agrião, melancia, melão, pepino, batata e maçã. Além disso, banana e pera d'água não apresentam bons resultados após o descongelamento e podem escurecer.

No caso das frutas, o ideal é congelar em forma de purês ou polpa e depois desse processo, elas devem ser utilizadas apenas para sucos ou preparações, não podendo ser consumida in natura. Somente as frutas com consistência mais firme devem passar pelo branqueamento.

"Os alimentos congelados são bastante práticos e é uma forma de contribuir com uma alimentação saudável. Além disso, o congelamento diminui os desperdícios de alimentos e facilita o preparo das refeições, pois a pessoa se organiza no final de semana e ter frutas e vegetais durante vários dias", finaliza Cristiane Hanashiro, nutricionista da BP - Beneficência Portuguesa.

Revisão técnica: Lígia Santos

Alimentação