PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Conheça as terapias alternativas usadas no combate à dor de cabeça

iStock
Imagem: iStock

Felipe Cerqueira

Colaboração para o VivaBem

14/02/2020 04h00

A advogada Maria Elizabete Araújo, 64, convive com a enxaqueca há mais de duas décadas, mas nunca procurou um especialista para saber qual a gravidade de suas dores de cabeça. "É só tomar um chá de camomila que passa. Também faço ioga", diz.

A paulistana está entre os 2,1 milhões de brasileiros que buscam terapias alternativas no SUS (Sistema Único de Saúde) para tratar alguma doença, mas seu caso mostra que nem todo o mundo o faz da maneira correta.

Entende-se por terapias alternativas todo o tipo de tratamento não convencional. Isso engloba o uso de remédios fitoterápicos (derivados de plantas) e naturais (substâncias extraídas da natureza em sua forma bruta e usadas como medicamento), além de práticas baseadas no corpo e na mente. O SUS oferece hoje, gratuitamente, 29 PICs (Práticas Integrativas e Complementares). Entre elas estão aromaterapia, homeopatia e plantas medicinais, todas associadas ao tratamento da enxaqueca.

O assunto não é um tabu dentro da comunidade médica como muitos pensam. Os neurologistas ouvidos pelo VivaBem não veem problemas em indicar as PICs a seus pacientes —sobretudo quando eles as preferem—, mas fazem a ressalva: não há, na literatura médica, nenhuma comprovação de que chás ou ioga aliviem as dores.

"O efeito placebo acontece em diversas formas de tratamento. Só de acreditar a pessoa pode melhorar. Mas sem um tratamento de alta eficácia, esse efeito não costuma se sustentar. Por isso o tratamento farmacológico faz a diferença", afirma Marcio Nattan, neurologista do Hospital das Clínicas da USP (SP).

Isso não significa que ele e outros neurologistas não considerem sérias as práticas naturais no tratamento da dor de cabeça. Quando seus pacientes rejeitam a alopatia, mesmo com a advertência de que os fármacos são mais eficientes, o neurologista Fernando Kowacs, coordenador do departamento científico de cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia, recomenda, para o tratamento preventivo da enxaqueca, atividades físicas aeróbicas e remédios nutracêuticos (formulações com vitaminas específicas).

Entre os exercícios aeróbicos sugeridos estão corrida e natação. A Revista Internacional de Medicina Esportiva publicou, em 2011, um estudo que afirma que a prática destas atividades três vezes por semana ajuda a reduzir a quantidade e a intensidade dos ataques de enxaqueca.

A meditação também é bem vista entre os especialistas porque reduz o estresse e melhora a qualidade do sono, dois causadores de crises. Há credibilidade entre os profissionais que defendem a musicoterapia como meio de tratar a dor de cabeça. Eliseth Ribeiro Leão, enfermeira e pesquisadora do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (SP), criou, em parceria com um fabricante de medicamentos, o projeto Dorflex Music Experiment, autointitulado um "analgésico musical". A cantora Ana Carolina deu voz às reconfortantes canções compostas com o objetivo de relaxar o corpo e, assim, combater a doença.

Diferença entre enxaqueca e cefaleia tipo tensão

Quando alguém tem diabetes, não hesita em ir ao médico para procurar o tratamento adequado. Porém, quando está com dor de cabeça, geralmente ignora os sinais do corpo acreditando se tratar de um problema menor.

A enxaqueca é a segunda doença mais incapacitante do mundo, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde). Estima-se que mais de 30 milhões de brasileiros sofram dessa enfermidade. A dor pode ser moderada ou grave. Geralmente é latejante e piora quando a pessoa se movimenta. Em indivíduos portadores da doença, as crises podem ser desencadeadas por estresse, privação ou excesso de sono, alimentação irregular, mudanças bruscas de temperatura ou da pressão atmosférica, atividades intensas ou variações dos níveis hormonais (como na menstruação).

A enxaqueca é chamada de crônica quando existe dor de cabeça em pelo menos 15 dias por mês durante um trimestre. Neste caso, é preciso controlar o uso de analgésicos para que o quadro não piore. Também por isso, há muita gente que tem receio de usar fármacos.

A cefaleia do tipo tensão é menos intensa e não latejante. Não há, em casos do tipo, o incômodo com sons ou com a luminosidade.

O que dizem os naturólogos

O assentimento Práticas Integrativas e Complementares como complemento da alopatia mostra que está longe de haver uma guerra fria entre médicos e naturólogos, mas os pontos discordantes entre as duas comunidades existem. O segundo grupo acredita fortemente que é possível aliviar a dor de cabeça sem usar medicamentos alopáticos.

"O naturólogo preza pela prática multiprofissional e, desta forma, desenvolve diversas de suas atividades junto à comunidade médica. É importante observar que não somos contra o uso de fármacos, quando necessários. O termo atual utilizado para as terapias alternativas é Práticas Integrativas e Complementares. Não se trata de excluir o uso de outras terapias, mas de complementar o tratamento. Em alguns casos, a utilização de remédios naturais dentro de uma visão ampliada de saúde (que objetiva tratar a pessoa em sua integralidade, compreendendo a causa da dor), junto a orientações de mudanças de hábitos e a utilização de outras PICs como a meditação, por exemplo, é o suficiente para aliviar as dores. Em outros casos, de enxaqueca mais grave, pode ser necessária a associação de fármacos prescritos por um neurologista", explica o naturólogo Diego Paz.

"Compreendido isto, evidências científicas e a prática clínica demonstram que recursos naturais como óleo essencial de lavanda e o óleo essencial de hortelã-pimenta, utilizados na aromaterapia, e o extrato de gengibre, utilizado como fitoterápico, são efetivos para o alívio dos sintomas da enxaqueca."

De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 3.000 municípios brasileiros oferecem Práticas Integrativas e Complementares (dados de 2017). O país tem hoje três cursos de graduação em naturologia.

"A disseminação de informação por meios digitais dá a possibilidade de as pessoas conhecerem alternativas de tratamento sem o uso de fármacos para diversas questões de saúde. Antigamente, o acesso a este tipo de informação não era possível. As pessoas tinham pouco ou nenhum acesso à informação", declarou Paz.

Ele aponta, no entanto, problemas que surgem neste contexto: a utilização das PICs de modo indiscriminado e sem orientação e a disseminação de todo tipo de informação em meios digitais, inclusive as incorretas.

Embora se tratem de práticas que visam promover a saúde e a qualidade de vida, elas também devem ser utilizadas com a orientação adequada de um profissional capacitado para evitar efeitos prejudiciais como, por exemplo, interações entre o uso de fitoterápicos e medicamentos que possam ser clinicamente relevantes.

Terapias que podem ser usadas no tratamento complementar da dor de cabeça

  • Acupuntura

Estimula pontos espalhados por todo o corpo por meio da inserção de finas agulhas. Pode ajudar consideravelmente no tratamento da enxaqueca porque modula os nervos periféricos do crânio.

  • Aromaterapia

Prática que visa utilizar a propriedade de óleos essenciais para recuperar o equilíbrio do organismo. Os naturólogos dizem que os óleos essenciais de lavanda e de hortelã-pimenta aliviam a dor de cabeça.

  • Exercícios aeróbicos

O SUS não lista entre seus 29 procedimentos integrativos e complementares atividades como a caminhada e a natação, mas os médicos recomendam vivamente esse tipo de exercício para prevenir dores de cabeça. Além disso, exercitar-se ajuda a pessoa a ficar em forma. O controle da obesidade é essencial no combate à enxaqueca.

  • Fisioterapia

Recomenda-se a fisioterapia quando a dor de cabeça está associada à má postura. Além disso, alguns exercícios podem ajudar a diminuir a rigidez que a cefaleia causa nos músculos do pescoço.

  • Fitoterapia

Tratamento com remédios feitos à base de plantas medicinais. Podem ser administrados por qualquer via ou forma. Naturólogos afirmam que o extrato de gengibre alivia a dor de cabeça. Os de maracujá e de erva-cidreira ajudam a diminuir a tensão nervosa. O extrato de valeriana melhora a qualidade do sono. Os fitoterápicos devem ser utilizados de maneira racional. Muita gente ignora a concreta possibilidade de efeitos adversos e contraindicações.

É uma abordagem terapêutica de caráter holístico que utiliza substâncias altamente diluídas a fim de desencadear o sistema de cura natural do corpo. Os medicamentos da farmacopeia homeopática brasileira estão incluídos na Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais).

  • Ioga

Ao corrigir a postura, relaxa os músculos, regula o sistema circulatório e tende, de acordo com seus praticantes, a reduzir e prevenir crises.

  • Meditação

A paz interna é um excelente remédio para evitar a dor de cabeça. A meditação reduz a ansiedade, melhora a qualidade do sono, relaxa a musculatura, reduz o estresse e ativa a circulação.

  • Musicoterapia

Quem afirma que a música pode ajudar no tratamento da dor de cabeça é a pesquisadora Eliseth Ribeiro Leão. Segundo ela, esta terapia ajuda o cérebro a liberar endorfina e relaxar o corpo. O aplicativo de músicas Spotify tem uma playlist chamada Tratamento da Cefaleia.

  • Terapia floral

O uso de essências florais tem como finalidade modificar padrões de consciência do indivíduo e, assim, auxiliar em seu equilíbrio. A escolha das essências florais, dizem os naturólogos, varia de pessoa para pessoa, de acordo com as necessidades emocionais e mentais de cada um no momento.

Natação para gestantes

Grávidas que sofrem com dores de cabeça podem tratá-las com exercícios aeróbicos, principalmente a natação. Caminhada e corrida também são indicados, todos até o último trimestre de gestação.

Aparelhos de estimulação elétrica são eficazes para prevenir crises em mulheres que estão prestes a dar à luz. Alguns médicos costumam receitar citrato de magnésio.

O naturólogo Diego Paz aconselha a utilização do óleo essencial de lavanda a partir do quarto mês de gestação. No entanto, é necessário o acompanhamento de um profissional capacitado para orientar a mulher.

Em caso de dor de cabeça tensional, diz Paz, podem ser utilizados outras Práticas Integrativas e Complementares: massoterapia em regiões específicas da cabeça, exercícios respiratórios, meditação e essências florais.

Fontes: Fernando Kowacs, coordenador do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia; Marcio Nattan, neurologista do Hospital das Clínicas da USP (SP); Diego Paz, naturólogo, consultor em fitoterapia, farmacêutico homeopata e docente das disciplinas de fitoterapia, farmácia clínica e homeopatia na Universidade Anhanguera (SP). Revisão técnica: Fernando Kowacs.

Saúde