PUBLICIDADE

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Vingança contra vilões é mais desejada que o perdão, diz estudo

Estudo mostrou que nos divertimos mais com histórias de vingança - iStock
Estudo mostrou que nos divertimos mais com histórias de vingança Imagem: iStock

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

11/02/2020 16h06

Resumo da notícia

  • Participantes do estudo analisaram histórias de ficção e relataram que as mais divertidas eram de vingança
  • Por outro lado, os participantes também disseram que as histórias de perdão eram as mais significativas e comoventes
  • Os autores do estudo acreditam que isso revela um "lado sombrio" do ser humano, que aprecia a vingança
  • Mas também revela que é da nossa natureza moral esperar que o vilão seja punido de forma justa

"A vingança nunca é plena, mata a alma e envenena", já dizia Seu Madruga, um dos personagens mais icônicos do programa Chaves. Talvez isso funcione para a vida, mas, no que diz respeito ao que as pessoas mais gostam quando o assunto é entretenimento, essa frase pode estar errada.

É o que diz um estudo feito por pesquisadores da The Ohio State University, nos Estados Unidos. Os pesquisadores analisaram a reação de alguns estudantes diante de algumas possíveis histórias para um programa de TV.

A maioria dos entrevistados classificou as histórias em que o vilão sofreu uma punição pesada (e não apenas "justificável") como "divertida". Já as histórias em que o vilão era perdoado foram classificadas como as menos divertidas — mas, por outro lado, elas também foram consideradas as mais tocantes, comoventes e instigantes e todas as narrativas.

De acordo com Matthew Grizzard, um dos autores do estudo e professor assistente de comunicação da universidade, o estudo revela um "lado sombrio" do ser humano, que aprecia a vingança.

No geral, no entanto, os resultados revelaram que é da nossa natureza moral esperar que o vilão seja punido de uma forma justa. "Já a falta de punição requer um nível de deliberação que não nos chega naturalmente", diz o especialista. "Mas podemos apreciá-la, mesmo que não pareça particularmente agradável", afirma.

Como o estudo foi feito?

  • Na primeira parte do estudo, 184 estudantes leram algumas narrativas que seriam para um programa de TV;
  • Em um terço das narrativas, o vilão era tratado de forma positiva pela vítima; em outro terço, o vilão recebia uma punição justa; no último terço, o vilão era punido de forma mais severa, além do que seria justo pelo seu crime;
  • Imediatamente após lerem as histórias, eles foram questionados quais histórias elas gostaram ou não; a maioria respondeu de forma rápida que havia gostado das tramas com punição justa, mas demoraram a escolher uma opção nas histórias em que o vilão era perdoado ou punido de forma severa;
  • Na segunda parte do estudo, os participantes classificaram as histórias em "divertidas" e "comoventes, instigantes";
  • Nesse momento, a maioria classificou as histórias em que os vilões são punidos de forma severa como "divertidas", enquanto as em que eles eram perdoados foram vistas como menos divertidas;
  • Por outro lado, eles também responderam que as narrativas em que o vilão era perdoado eram as mais significativas e "comoventes", revelando um nível de reflexão antes da responder ao questionamento.

Equilíbrio