PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Filho de ex-Polegar engasga e tem parada respiratória; como agir?

Alan Frank, ex-Polegar, ao lado dos filhos  - Reprodução/Instagram
Alan Frank, ex-Polegar, ao lado dos filhos Imagem: Reprodução/Instagram

Gabriela Ingrid

Do VivaBem, em São Paulo

15/01/2020 14h14

O filho de 6 anos de Alan Frank, ex-integrante do grupo Polegar, engasgou e teve uma parada respiratória, no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, no dia 2 de janeiro. Em entrevista à revista Marie Claire, o cantor contou que a família voltava das férias quando o menino passou mal.

"[Ele] se engasgou com a água, em seguida vomitou e provavelmente o pedaço de algum alimento obstruiu as vias aéreas de modo que ele começou a ficar roxo e perdeu completamente os sentidos. Teve uma parada respiratória", disse Alan.

Os primeiros socorros foram feitos pelo próprio pai, que, além de cantor, também é médico oftalmologista. Na entrevista, Alan conta que o tumulto formado atrapalhou, assim como alguns que tentaram ajudar, mas que não sabiam o que fazer: "Um cara puxou meu filho dos meus braços dizendo que eu estaria fazendo de forma errada e passou a apertar e chacoalhar meu filhinho sem sucesso".

Alan então o deitou no chão, alinhou a traqueia do menino e tentou fazer respiração boca a boca, sem sucesso. "Sua boquinha estava travada, dura e saindo sangue", disse. Como também não passava ar pelo nariz, ele resolveu aspirar e em seguida soprar novamente. "Daí então tive êxito, fiz a respiração boca-nariz mais algumas vezes e ele voltou a respirar. A corzinha dele voltou, mas ele estava em coma. Um pesadelo terrível", afirmou.

Somente quando a equipe médica do aeroporto chegou para prestar atendimento, o menino recuperou os sentidos. Ele foi encaminhado para um hospital em Guarulhos, onde permaneceu em observação até o dia seguinte.

Como saber se a criança está engasgando?

Alan percebeu que o filho havia se engasgado quando ele começou a ficar roxo. Assim que ocorre o engasgo, há uma tosse reflexa na tentativa de expulsar o objeto da via aérea. Se o objeto sair, geralmente ocorre uma dificuldade respiratória, respiração ruidosa, lábios roxos e chiado.

O indicado é que, nesse caso, o adulto não tente retirar o objeto com os dedos, chacoalhando a criança ou batendo nas costas, por exemplo. Isso pode fazer com que o objeto se movimente e obstrua completamente a via aérea.

Se em algum momento a aspiração bloquear completamente a entrada de ar, é possível perceber que a criança não consegue emitir nenhum som, nem tossir. Trata-se de uma situação de extrema urgência, com risco de morte imediata. Nesses casos, o pai ou responsável deve realizar as manobras de desobstrução.

Primeiros socorros

As manobras de desobstrução variam de acordo com a idade da criança.

Menos de 1 ano: o responsável deve apoiar o bebê no braço, com a cabeça mais abaixo que o corpo, tendo o cuidado de manter a boca do bebê aberta. Em seguida, deve aplicar cinco batidas com o "calcanhar" da mão nas costas do bebê, na região entre as escápulas. Depois, virar o bebê com a barriga para cima, mantendo a inclinação original e a boca aberta, e iniciar cinco compressões no osso do peito da criança, logo abaixo da linha imaginária traçada entre os mamilos. Repita esse ciclo até o bebê expelir o objeto ou desmaiar.

Mais de 1 ano: o responsável deve se posicionar atrás da criança, apoiar a mão fechada em punho, encoberta pela outra, entre o umbigo e a extremidade inferior do osso do peito da criança. Com o punho, ele deve realizar compressões em trancos para dentro e para cima, até que a criança consiga expelir o objeto ou desmaie.

Perda de consciência

Caso a criança perca a consciência, como foi o caso do filho de Alan, os passos recomendados são diferentes:

1) Acionar um serviço de emergência;

2) Colocar a criança deitada e fazer duas respirações boca a boca;

3) Mesmo expelindo o corpo estranho com as manobras, levar a criança a um serviço de emergência;

4) Abrir a boca e ver se o objeto foi expelido. Se não for, fazer 30 compressões no tórax e abrir a boca novamente. Se o objeto tiver sido expelido, retire-o cuidadosamente com os dedos em forma de pinça e faça mais duas ventilações boca a boca. Repetir o procedimento até o socorro chegar ou a criança voltar a respirar.

Fontes: Sociedade Brasileira de Pediatria; Thais Bustamante, pediatra pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), e Anthony Wong, pediatra pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), consultados em matéria publicada no dia 06/11/19.

VivaBem no Verão - 2ª edição

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço (Bertioga) com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

Saúde