PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Pais, fiquem atentos: cor do cocô é um indicador da saúde do bebê

iStock
Imagem: iStock

Daniela Venerando

Colaboração para o VivaBem

09/01/2020 04h00

A cada troca de fralda é prudente dar uma boa olhada no cocô do seu filho. Isso porque a cor, a textura e a frequência podem servir de alerta para problemas de saúde, alguns deles graves. Do 1º dia até os seis meses de vida do bebê, o número 2 apresenta variações de cor, textura, consistência e odor, que confirmam o seu bom estado de saúde.

"Quando surgir alterações bruscas nas fezes, principalmente se vier acompanhada de outros sintomas, como diminuição do apetite, vômitos, cólicas, irritabilidade ou febre, é importante consultar o médico", alerta o pediatra Régis Ricardo Assad, membro do departamento científico de pediatria ambulatorial da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

Segundo ele, a cor pode ser reflexo de infecções intestinais, invaginação intestinal (condição na qual uma parte do intestino desliza para dentro de outra), colestase neonatal (tipo de icterícia), sangramentos devido a pólipos, intolerância ou alergia a alimentos, entre outros problemas.

Entenda a seguir cada fase do cocô do bebê e aprenda a identificar um sinal de alerta, segundo a médica gastropediatra Débora Götze, do Hospital Moinhos de Vento (RS):

Verde-escuro

Nas primeiras 48 horas de vida são eliminadas as primeiras fezes (mecônio) de coloração verde enegrecida, espessas, viscosas e sem cheiro. Na troca da fralda, o cocô pode ser "grudento" e difícil de limpar. Quando o leite começa a ser digerido, a cor verde característica vai ficando mais clara. Formado durante a gestação, o mecônio é deglutido pelo feto, sendo constituído por restos celulares, secreções intestinais, bile, muco e secreção pancreática.

Alerta A demora na eliminação do mecônio deve chamar a atenção para o diagnóstico de doenças, como fibrose cística (doença genética que afeta os pulmões, pâncreas e o sistema digestivo) e megacólon congênito ou doença de Hirschsprung (uma dilatação de parte do intestino grosso).

Cocô amarelo e verde - iStock - iStock
Imagem: iStock

Marrom amarelado

Após três ou quatro dias de vida, as fezes têm aspecto menos pegajoso do que o mecônio, são de cor amarelo-ouro ou amarronzada e podem apresentar alguns grumos de leite. A cor é característica dos bebês em aleitamento materno exclusivo e isso se deve a grande quantidade de gorduras e de lactose, principal tipo de açúcar presente no leite materno. São fezes aquosas, amolecidas, sem cheiro e, muitas vezes, costumam ser eliminadas a cada mamada. Já aqueles que tomam fórmulas infantis apresentam fezes mais consistentes, podendo apresentar odor.

Alerta Quando o bebê está com diarreia, a cor das fezes não é relevante, mas podem ser esverdeadas, amareladas ou amarronzadas. Costumam ser muito volumosas e até explosivas, extravasando para fora da fralda. As causas mais comuns de diarreia nessa faixa etária são as infecções (virais ou bacterianas) e a alergia à proteína do leite de vaca (APLV). Há necessidade de consultar o pediatra quando o bebê apresentar repentina mudança na frequência e no volume das evacuações. A presença de sangue pode estar associada a infecções por tipos específicos de microorganismos, à APLV e a outras condições como a colite (inflamação intestinal) e a invaginação intestinal.

Marrom mais escuro

No sexto mês de vida, a partir da introdução da alimentação complementar, com acréscimo de frutas e papas principais, o padrão fecal se modifica, havendo maior consistência, mudanças de cor e do odor, que fica mais marcante devido a fontes diversas de proteínas, carboidratos e gordura na dieta. A partir daí, as fezes se tornam mais parecidas com as de uma criança ou adulto em relação à cor, à consistência e ao cheiro. É comum a presença de restos de alimentos devido à digestão incompleta. Remédios e alimentos podem mudar a cor marrom do cocô a exemplo das folhas verde-escuras e beterraba.

Alerta Alimentos coloridos com corantes como sucos artificiais, iogurtes, cereais e gelatinas também modificam a cor fecal e são contraindicados para lactentes, já que tem baixo valor nutritivo e são acrescidos de açúcar, que não deve ser consumido antes dos 2 anos de vida.

Branco

Eliminação de fezes esbranquiçadas e a presença de icterícia (olhos amarelados) por mais de 14 dias podem sinalizar doenças do fígado ou das vias biliares e necessitam de investigação imediata. Isso porque podem ser indicativos de doenças graves, que requerem investigação e intervenção urgentes, pois a demora no diagnóstico e no tratamento pode danificar o fígado de forma irreversível.

Para alertar pais e médicos, o Ministério da Saúde em parceria com a SBP lançou a campanha "Alerta Amarelo" com o objetivo de diagnosticar precocemente a Colestase Neonatal. Atualmente, foi incluído um sistema colorido de graduação das cores das fezes na Caderneta de Saúde da Criança fornecida a todos os recém-nascidos e que deve ser mostrada aos pais, pelo pediatra. Com isso, o encaminhamento para um especialista, se necessário, será feito o quanto antes.

Cocô marrom e preto - iStock - iStock
Imagem: iStock

Preto

Pode ser resultado de consumo de alimento de tonalidade mais escura, mas fezes com aparência de carvão podem sinalizar sangramento no trato digestivo. Bebês que tomam sulfato ferroso, usado para a prevenção e tratamento de anemia, podem também apresentar fezes com essa coloração.

Vermelho

Pode sinalizar a ingestão de comidas de coloração intensa como a beterraba, mas também pode ser indício de presença de sangue nas fezes, o que requer observação e atenção. Também pode estar presente em quadros de inflamação do cólon (colite) e por alergia à proteína do leite de vaca. Nesses casos é comum haver associação com vômitos, lesões de pele, dermatite de períneo e dor abdominal.

Quantas vezes ao dia é normal o bebê fazer cocô?

Alguns bebês evacuam durante ou após todas as mamadas, totalizando oito a dez evacuações a cada 24 horas. Já outros podem esvaziar o intestino de duas a três vezes ao dia.

Após o primeiro mês, o ritmo diminui e um lactente pode evacuar todos os dias ou a cada 3 a 5 dias. "Não adianta comparar o seu filho ao da vizinha, pois não há regra. Alguns podem levar até cinco dias sem evacuar e não há problema. Nesse período, se a criança estiver incomodada, chora e demonstra irritação, é importante conversar ou levar ao pediatra", afirma a pediatra Célia Regina Bocci da Silva, do Sabará Hospital Infantil (SP).

Nos bebês que tomam fórmula infantil observa-se menor frequência de evacuações e maior consistência desde o 1º mês de vida.

VivaBem no Verão - 2ª edição

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço (Bertioga) com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

Saúde