PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Saiba riscos de tocar nas caravelas-portuguesas que surgem no litoral de SP

As caravelas possuem toxinas principalmente em seus tentáculos e podem causar queimaduras - Rodrigo Nattan Guimarães /UOL
As caravelas possuem toxinas principalmente em seus tentáculos e podem causar queimaduras Imagem: Rodrigo Nattan Guimarães /UOL

Bruna Alves

Colaboração para o VivaBem

02/01/2020 16h53

Nos últimos dias, banhistas de praias do litoral de São Paulo, especialmente no Guarujá, têm relatado o constante aparecimento de caravelas-portuguesas no mar. Elas possuem um tom meio azulado e, devido à sua beleza, atraem olhares curiosos, principalmente de crianças. No entanto, apesar de lindas, o contato físico com esses animais aquáticos deve ser evitado, pois eles trazem riscos à saúde.

"As caravelas-portuguesas são venenosas e extremamente perigosas", alerta o vice-diretor do Centro de Biologia Marinha da USP (Universidade de São Paulo). Elas possuem células urticantes chamadas de cnidas, que estão espalhadas por todo o corpo do animal, mas são mais concentradas nos tentáculos. "As cnidas têm micro-agulhas ou arpões, que podem injetar toxinas e são usadas para capturar alimento ou defesa. O contato com elas pode ser muito doloroso. Em situações extremas e raras, pode até causar morte", explica, Morandini.

Contudo, embora apresentem riscos, as caravelas-portuguesas não atacam pessoas nas praias, apenas liberam toxinas em caso de contato físico, acidentalmente, o que podem causar queimaduras químicas de até 3º grau e uma forte coceira. A seguir, explicamos melhor o que são esses animais e como agir em caso de acidente com eles.

O que são caravelas-portuguesas

Popularmente chamadas de cnidários, elas são parentes dos corais, anêmonas-do-mar, gorgônias, hidróides e águas-vivas. De acordo com Morandini, as caravelas-portuguesas vivem em mar aberto e estão por todo o mundo. Sua aparição nas praias de SP, em geral, está associada a diferentes razões climáticas.

Elas se alimentam de outros animais marinhos, como crustáceos e alguns peixes. E o seu tamanho pode variar, desde pequenas (mais ou menos 1 cm de flutuador) até razoavelmente grandes (com mais de 25 cm de flutuador).

Encostei em uma caravela-portuguesa. O que devo fazer?

A primeira coisa é lavar a região atingida com a própria água do mar ou com vinagre. Isso porque, o vinagre evita que os cnidócitos descarreguem mais toxinas e alivia a dor local. E, por fim, você deve tentar remover suavemente os tentáculos que permaneceram grudados na pele.

"Em um primeiro momento, não pode lavar com água doce, nem passar sabão ou álcool. não pode usar urina, pasta de dente e também não pode esfregar com toalhas, senão, você vai liberar mais tentáculos ainda", explica a médica Cristina Salaro, presidente da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), regional Brasília. Táticas "populares" para aliviar queimaduras de águas-vivas, como jogar urina ou aplicar pasta de dente também não são recomendadas.

Depois de passar a água do mar ou vinagre, é aconselhável fazer compressa gelada para amenizar a dor, além de evitar movimentar demais a área afetada.

Quais os sintomas comuns após a queimadura?

"A dor é muito forte e pode durar de 30 minutos até um dia inteiro. É automático: a pele vai ficar vermelha e ter edema. Além da dor, o paciente pode apresentar enjoos, náuseas, tonturas e até alterações respiratórias", comenta Fernanda Seabra, médica dermatologista do Hospital Santa Luzia, da Rede D'Or São Luiz, em Brasília.

Segundo as especialistas, como uma forma de prevenção, o ideal seria levar para a praia um antialérgico, que poderia ser usado imediatamente após o contato físico com esses animais. Esses medicamentos podem ser solicitados em uma consulta de rotina.

Após a queimadura devo procurar um pronto-socorro?

Caso a dor e a vermelhidão não melhorem com o passar das horas, sim. O ideal é sair da praia e procurar auxílio médico. No geral, os dermatologistas recomendam uma pomada para queimaduras, anti-inflamatórios, hidratação local e oral. O tratamento para aliviar a dor local é feito durante um ou dois dias. Já o tratamento para tirar a mancha na pele pode demorar de seis meses a um ano, dependendo da gravidade.

Posso voltar a praia no dia seguinte após a queimadura?

Isso vai depender do grau da lesão e da avaliação médica. Se for apenas uma lesão leve, sim. Nesse caso é possível retornar à praia no dia seguinte. Mas não é recomendado tomar sol na área afetada.

"Quanto mais sol você tomar, mais a mancha vai estender e se perpetuar. Se isso ocorrer, um dermatologista pode indicar cremes clareadores para a pele e substâncias orais também, que vão promover uma leve despigmentação da pele", indica Salaro.

Tem problema tocar em um animal morto na areia?

"Sim, mesmo estando mortos, eles ainda queimam. Então, é preciso evitar o contato com a caravela e também com a areia em que o animal está, porque eles deixam a toxina lá", diz Salaro. E saiba que as caravelas têm tentáculos que ficam embaixo da água e são difíceis de visualizar. Então, viu uma caravela? Saia daquele local para evitar acidentes, até porque provavelmente têm outras por ali.

VivaBem no Verão - 2ª edição

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço (Bertioga) com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

Saúde