PUBLICIDADE

Topo

Tudo sobre Infarto

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Infarto

Maurício Mattar passa por cateterismo após infarto; entenda procedimento

Maurício Mattar sofreu um infarto nesta madrugada e passará por cateterismo - Reprodução/Instagram
Maurício Mattar sofreu um infarto nesta madrugada e passará por cateterismo Imagem: Reprodução/Instagram

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

16/12/2019 14h31

Resumo da notícia

  • Ator Maurício Mattar sentiu-se mal e foi diagnosticado que havia sofrido um infarto
  • O ator deve seguir para o hospital da Unesp, em Botucatu, para passar por um cateterismo
  • Procedimento visa diagnosticar em qual artéria houve o problema e, se for o caso, é possível também inserir um stent para garantir o fluxo sanguíneo
  • Após o procedimento, o recomendado é repouso relativo e mudança de hábitos, bem como controle de colesterol, hipertensão e diabetes, caso existam

O ator Maurício Mattar foi internado no Hospital Estadual de Bauru, interior de São Paulo, após sofrer um infarto na madrugada desta segunda-feira, 16. Ele tem 55 anos.

De acordo com a produção do artista, Maurício chegou lúcido ao hospital e foi avaliado logo após chegar ao hospital e os exames indicaram que o ator estava sofrendo um infarto. Ele permanece consciente — está, inclusive, ativo nas redes sociais e publicou um vídeo agradecendo o apoio após sua internação.

O ator será transferido para o Hospital das Clínicas de Botucatu, da Faculdade de Medicina da Unesp, ainda hoje, onde deverá passar por um cateterismo, de acordo com a assessoria de imprensa dele.

O que é infarto?

O problema acontece quando alguma artéria que irriga o coração é bloqueada, impedindo o fluxo de sangue para o órgão. Quando isso acontece, o tecido alimentado por aquele vaso acaba morrendo e, consequentemente, uma parte do músculo cardíaco também.

Os médicos costumam dizer que "tempo é músculo". Isso porque quanto mais tempo o coração ficar sem irrigação, maior será a área de músculo afetada, o que pode provocar uma necrose que nunca será recuperada e causar sérios danos ao coração. O consenso é que, uma vez diagnosticado o problema, o ideal é que a desobstrução do vaso seja feita em até 90 minutos.

O infarto é a doença que mais causa mortes no mundo. No Brasil, essa taxa anual chega a 300 mil pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde, o que corresponde a um óbito a cada dois minutos.

Quais são os principais sintomas?

O quadro clássico de infarto inclui dor no peito, localizada no meio ou à esquerda, e se assemelha a uma sensação de aperto ou pressão, com irradiação para o braço esquerdo ou costas e pescoço. É uma dor bastante intensa e que não passa mesmo quando a pessoa fica em repouso.

Mas há outros sinais não tão comuns que também indicam o problema. Dor no abdômen (uma sensação de estômago pesado, azia ou queimação), falta de ar, cansaço excessivo, dor nas costas (principalmente na região dorsal) e dor na mandíbula, nos dentes ou no queixo são sintomas que também podem aparecer no caso de um infarto.

"O problema dessas manifestações, em especial quando ocorrem isoladamente, é que as pessoas não as associam ao infarto e buscam socorro. É importante ouvir os sinais do corpo é até pecar pelo excesso de cuidado, procurando ajuda imediatamente, pois metade das mortes por infarto acontece nas primeiras horas depois dos sintomas iniciais", alerta o cardiologista Ricardo Pavanello, diretor da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo)*.

Mulheres, diabéticos e idosos precisam ficar atentos, já que estão mais propensos a não sentir os sinais clássicos do infarto - ou mesmo não sentir nenhum sintoma. "É o chamado infarto silencioso, responsável por quase metade dos casos", informa o cardiologista Marcelo Sampaio, da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo*. Daí a importância do check-up anual, já que a pessoa só fica ciente do risco de infarto ao consultar um médico, para exames de rotina.

Qual a diferença entre infarto e ataque cardíaco?

Muita gente usa infarto do miocárdio e ataque cardíaco como sinônimos, mas na verdade o último termo é bem mais abrangente. Várias complicações além do infarto podem resultar em um ataque cardíaco, inclusive a parada cardíaca, geralmente provocada por uma arritmia — disfunção elétrica que faz o coração bater de forma desregulada e tem diversas causas. O infarto nem sempre leva imediatamente a uma parada cardíaca, mas, em alguns casos, pode provocar uma arritmia maligna e, aí sim, o coração pode parar de bater.

E o cateterismo?

É um procedimento feito por um cardiologista intervencionista que faz uma pequena incisão no punho ou na virilha e insere um cateter que irá percorrer o vaso sanguíneo até chegar ao coração. Tudo é feito com a ajuda da fluoroscopia, uma técnica de imagem que ajuda a guiar a subida do cateter até a artéria coronária.

O cateterismo tem duas funções: como exame, ele geralmente é utilizado para diagnosticar doenças nas artérias coronárias — uma obstrução, por exemplo. Se alguma lesão ou coágulo é identificado, o mesmo cateter é utilizado para o envio de um stent, uma espécie de mola metálica que mantém as paredes da artéria abertas, evitando a interrupção de fluxo sanguíneo.

Nos primeiros dias após o procedimento, os médicos recomendam que o indivíduo fique de repouso relativo. O tratamento ainda deve seguir com medicamentos e mudanças de hábitos, como não fumar, exercitar-se, manter o peso saudável e ainda controlar fatores de risco, se eles existirem, como colesterol, diabetes e hipertensão.

* Informações retiradas de reportagem feita por Daniela Venerando e publicada em 09/08/2019.

Tudo sobre Infarto