Topo

Sem Frescura


Sem Frescura: como fazer cocô fora de casa sem correr risco de ficar doente

Gabriela Ingrid

Do VivaBem, em São Paulo

04/11/2019 04h00

Você pode ver esse programa com legendas no Youtube de VivaBem.

Olha, se tem uma coisa capaz de unir a população é o nojo por banheiros públicos. E isso é pior ainda para as mulheres, que precisam fazer malabarismos tanto na hora do número um quanto do número dois.

Mas será que esse medo tem justificativa? Será que banheiros públicos são tão sujos assim?

Bem, a resposta é um enorme sim! Esses lugares são um verdadeiro antro de vírus e bactérias, principalmente. E isso tudo piora quando eles não estão limpos corretamente.

A boa notícia é que, mesmo assim, dificilmente você ficará doente apenas por usar um lugar desses. Isso vale, claro, quando tomamos alguns cuidados.

O primeiro deles é: veja bem em qual cabine você vai entrar. Via de regra não existe aquela coisa das primeiras cabines serem mais ou menos limpas. A melhor opção é realmente dar uma analisada no ambiente e entrar na que parece mais limpa.

Outra recomendação é fazer o possível para encostar na menor quantidade de lugares possível. Por mais que os banheiros sejam limpos, as superfícies acabam acumulando microorganismos, então não tem jeito.

Outra sugestão é evitar sentar no vaso sanitário se não houver protetores de assento. Não tem jeito, vai ter que ficar de cócoras mesmo.

O maior risco, no entanto, está em não lavar as mãos corretamente. Segundo especialistas, essa é a maior causa de problemas de saúde relacionados a banheiros públicos. As mãos acabam encostando nas portas, na descarga, na torneira e em outros lugares. Então tenha certeza de que as limpou direito. E se tiver álcool gel, é bom usar.

Mas aí você usou o banheiro, limpou a mão corretamente e, na hora de sair, pegou na maçaneta da porta principal do lugar. Será que isso vai causar problemas? Bem, uma opção é utilizar um papel para cobrir a mão e jogá-lo fora depois. Afinal, melhor parecer uma pessoa paranoica do que ficar doente, não é mesmo?

As informações do vídeo foram reunidas com a ajuda de Rodrigo Contreras, infectologista do Hospital Santa Isabel - SP; Michelle Zicker, infectologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

O roteiro é de Rodrigo Lara.

Acompanhe as informações do Sem Frescura toda segunda-feira, porque dá para ser saudável sem frescura.

Sem Frescura