Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Geralmente descartada, casca do café reduz inflamação causada por obesidade

Somente a semente é usada na produção da bebida - Divulgação
Somente a semente é usada na produção da bebida Imagem: Divulgação

Do VivaBem, em São Paulo

15/10/2019 19h45

Resumo da notícia

  • A casca externa e a pele fina que cobre a semente do café, geralmente descartadas, podem beneficiar a saúde
  • Ao testarem a interação dos compostos dessas partes do café com células que armazenam gordura, os cientistas descobriram que eles reduzem a inflamação
  • Além de reduzirem fatores inflamatórios, os compostos diminuíram o estresse oxidativo das células humanas

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Illinois (EUA) revelou que a casca externa e a pele fina que cobre a semente do café, geralmente descartadas, podem eventualmente beneficiar a saúde humana e o meio ambiente.

Normalmente, utiliza-se somente a semente da fruta do cafeeiro, para produzir a popular bebida. Mas os cientistas descobriram que os subprodutos não usados podem reduzir algumas das características bioquímicas da obesidade, como a inflamação.

Os autores da pesquisa, publicada na edição de outubro da revista Food and Chemical Toxicology, observaram a interação dos compostos encontrados nesses subprodutos com células de gordura. "Observamos que esses fenólicos do café, principalmente ácido protocatecuico e ácido gálico, foram capazes não só de bloquear o acúmulo de gordura nos adipócitos (células do tecido adiposo que armazenam gordura), mas também gerando versões 'marrom' ou 'bege' dela", diz o principal autor do estudo, Miguel Rebollo-Hernanz.

Segundo ele, esses fenólicos ainda reduziram a secreção de fatores inflamatórios e diminuíram o estresse oxidativo. Elvira Gonzalez de Mejia, coautora do estudo, diz que agora eles podem usar esses compostos para reduzir a inflamação e diminuir a produção de compostos ruins que afetarão negativamente todo o sistema do corpo.

Além dos possíveis benefícios para a saúde, o uso dos subprodutos do café também pode proteger o meio ambiente. De acordo com Mejia, uma vez que os produtores de café saibam qual o valor da casca, "eles tratarão esses materiais como um ingrediente ao invés de um desperdício".

Como o estudo foi feito

  • Usando extratos de peles e casca de prata, os cientistas investigaram se esses subprodutos poderiam reduzir algumas das características bioquímicas da obesidade.
  • Para isso, eles cultivaram células adiposas e os macrófagos juntos para simular interações da "vida real" entre as células. Ao todo, foram usados dois extratos e cinco fenólicos puros.
  • Os resultados mostraram que esses fenólicos reduziram a secreção de fatores inflamatórios e diminuíam o estresse oxidativo das células humanas.

A utilização da casca do café pode colaborar com o meio ambiente, já que elas não serão mais descartadas - iStock
A utilização da casca do café pode colaborar com o meio ambiente, já que elas não serão mais descartadas
Imagem: iStock

Os benefícios do café

Não é por acaso que ele é uma das bebidas mais consumidas do mundo. "Ele tem antioxidantes que combatem a ação dos radicais livres e, assim, previnem doenças cardiovasculares e outros males, como o AVC", explica Guilherme Sangirardi*, cardiologista membro da SOCESP (Sociedade de Cardiologia de São Paulo). Além disso, a própria cafeína tem suas vantagens.

"Ela possui ação estimulante do sistema nervoso central, que melhora concentração, humor e até o bem-estar", aponta Rosana Perim*, nutricionista gerente de Nutrição Assistencial do HCor (Hospital do Coração). Mas atenção: a dose segura é de até 400mg ao dia, o equivalente a cerca de quatro xícaras de café. E só. É que, ao exagerar, não só as vantagens são anuladas como os goles se transformam em risco para a saúde.

*Fontes consultadas em matéria do dia 12/07/2018

Saúde