Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Miguel Falabella está com celulite infecciosa; entenda o que é a doença

Reprodução/Instagram/miguelfalabellareal
Imagem: Reprodução/Instagram/miguelfalabellareal

Priscila Carvalho

Do VivaBem, em São Paulo

11/10/2019 17h26Atualizada em 15/10/2019 13h49

O ator e diretor Miguel Falabella precisou ser internado nesta sexta-feira (11) depois de contrair uma celulite infecciosa. Segundo a coluna de Patrícia Kogut, do Jornal O Globo, ele está no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, e deve sair na próxima semana. O problema afetou as pernas e o joelho. Se não tratada, pode levar a complicações mais sérias.

Diferentemente de uma celulite comum, que ocorre por causa da má alimentação, a infecciosa é provocada por diversas bactérias, mas as mais comuns são as estreptococos do grupo A, que ultrapassam a barreira de defesa da pele, atingem a camada de gordura e provocam a infecção.

De acordo com Caio Lamunier, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e do Hospital das Clínicas de São Paulo, vários fatores podem levar à doença, como micose na unha, machucado no dedo, má circulação da pele e principalmente quando o indivíduo está imunodeprimido.

A condição atinge principalmente as pernas, assim como ocorreu com Falabella. Mas também, em casos mais raros, pode atingir o rosto e braços. Os sinais mais frequentes são: inchaço, vermelhidão e calor.

Como tratar

A terapia mais indicada é o tratamento com antibióticos. O paciente precisa ficar no hospital, por pelo menos dois dias, para receber a medicação diretamente na veia. Depois disso, o recomendável é continuar tratar em casa por até dez dias.

"A condição deve ser tratada de forma rápida para não evoluir para sepse, um tipo de infecção que é desencadeada por bactérias, fungos ou vírus que caem na corrente sanguínea e podem levar ao óbito", finaliza.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, as bactérias que mais causam a celulite infecciosa são as estreptococos do grupo A, não as peptococcus.

Saúde