Topo

O que pode ser?

A partir do sintoma, as possíveis doenças


O que pode ser?

Endometriose gera dor no sexo, ao urinar e na menstruação; veja como tratar

A doença é progressiva e quanto mais cedo for diagnosticada e tratada, maior é a chance de sucesso do tratamento - Istock
A doença é progressiva e quanto mais cedo for diagnosticada e tratada, maior é a chance de sucesso do tratamento Imagem: Istock

Cristina Almeida

Do VivaBem, em São Paulo

01/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Endometriose é uma doença na qual o endométrio, camada interna que reveste o útero, está em localização não habitual
  • Até hoje não se conhece a sua origem, mas as teorias apontam para o refluxo da menstruação associada a alterações imunológicas
  • Os sintomas são conhecidos como os "6 Ds" e abrangem uma série de dores, além da dificuldade de engravidar
  • Medicamentos e cirurgia são as estratégias terapêuticas possíveis, mas para 15% das mulheres, a dor pode persistir

Imagine um problema ginecológico que vai além do seu corpo, afeta sua família, seu parceiro, seus filhos e parentes. Com ela, nenhuma área da vida fica ilesa, inclusive sua intimidade". Foi assim que uma mulher inglesa descreveu o impacto negativo da endometriose em sua vida durante um fórum dedicado a essa enfermidade. De fato, ela pode ser difícil.

A endometriose é uma doença inflamatória provocada por células do endométrio (o tecido que reveste o útero) que, em vez de serem expelidas no período menstrual, movimentam-se no sentido contrário, ou seja, para fora do útero, caem nos ovários ou na cavidade abdominal, e podem causar sangramento e dor, além de dificuldade para engravidar.

Mais comum na idade reprodutiva (13 a 45 anos), acomete 1 em cada 10 mulheres. No Brasil, isso representa cerca de 7 milhões de pessoas. Para metade destas, a cada ano, 17 dias serão passados na cama em razão da endometriose. Aliás, a patologia está relacionada a altas taxas de absenteísmo (faltas no trabalho) e presenteísmo (trabalhar em condições inadequadas).

Por que isso acontece?

Até o presente momento, não se sabe qual é a origem da doença. O que é certo é que ela depende da menstruação para se manifestar. Após a menopausa os sintomas reduzem sensivelmente e é raro que ela se desenvolva após esse período.

As hipóteses sobre as possíveis causas da doença abrangem desde genética, até questões ambientais. Contudo, duas teorias prevalecem entre os cientistas. A primeira é que ela decorre do refluxo da menstruação - menstruação retrógrada - (a mulher menstrua e o sangue reflui pela cavidade abdominal); a segunda, defende a presença de alterações imunológicas.

"O casamento desses fatores justificam a razão de a mulher moderna ter mais endometriose: ela menstrua mais, tem menos filhos, vive mais tempo. Além disso, o gatilho imunológico se relaciona a fatores ambientais como o estresse, entre outros", fala Maurício Simões Abrão, chefe do Setor de Endometriose do HCFMUSP.

O desafio para os médicos é que existe uma estimativa de que 90% das mulheres têm menstruação retrógrada pelas trompas. Apesar disso, somente 10% delas (ou menos que isso) vão desenvolver a doença. Portanto, outros fatores podem estar envolvidos.

Saiba reconhecer os sintomas

A endometriose se manifesta de formas diferentes, o que significa que ela pode até não apresentar sintoma algum (é assintomática).
Quando os sintomas estão presentes, o mais comum é a cólica. Os médicos afirmam que esses sinais são conhecidos como os seis "Ds".

Confira:

  • Dor na menstruação (intensidade forte, com característica progressiva (com o passar do tempo ela dura cada vez mais e piora em intensidade); Dor entre as menstruações;
  • Dor na relação sexual (penetração profunda); Dor para evacuar durante a menstruação;
  • Dor para urinar durante a menstruação; Dificuldade para engravidar.

Qual é a hora de procurar o médico?

Quando a cólica menstrual incomoda demais, não permite que você se concentre no trabalho, requer consumo de remédios como antiespasmódicos, anti-inflamatórios ou analgésicos para o controle da dor, todos os meses, ela não deve ser considerada normal e precisa ser avaliada.

Caso some-se a essa sensação intensa dor na relação sexual - e você percebe que ela tem piorado com o passar do tempo, converse com um ginecologista sobre a possibilidade de ter endometriose.

Como é feito diagnóstico?

Embora algumas pessoas não apresentem sintomas, o principal sinal da endometriose é a cólica. Como esta dor é considerada algo comum entre as mulheres, obter um diagnóstico seguro pode ser demorado. Estima-se que, desde os primeiros sintomas, até que se descubra a doença, a espera seja de até 61 meses.

Alguns especialistas entendem que o diagnóstico é clínico, ou seja, bastam o exame ginecológico e a coleta da história da paciente: "Os exames de imagem ajudam, mas diante de um histórico tão característico, não cabe um diagnóstico diferencial. O diagnóstico deixa de ser anatomopatológico, pois são desnecessárias cirurgia ou biópsia para se concluir que é endometriose", explica Eduardo Schor, coordenador do setor de Endometriose do Departamento de Ginecologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Já outros profissionais acreditam que o exame clínico é pouco para detectar a endometriose, até mesmo nos casos mais avançados, quando o ultrassom transvaginal especializado (não é o mesmo exame de rotina) e a ressonância nuclear magnética da pelve são indispensáveis.

Por outro lado, na fase inicial da doença, os exames de imagem pouco ajudam. "Em algumas situações, diante da suspeita de endometriose, a única forma de fazer o diagnóstico é por meio de laparoscopia. O procedimento permitirá a sua confirmação e, ao mesmo tempo, tratará a paciente", diz Paula Andrea Navarro, professora associada do Setor de Reprodução Humana do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP (Universidade de São Paulo).

Como é feito o tratamento?

Essa doença é progressiva. Por isso, quanto mais cedo for diagnosticada e tratada, maior é a chance de sucesso do tratamento.

Assim, a depender do estágio da endometriose, o tratamento inicial pode ser clínico, isto é, usam-se medicamentos como anti-inflamatórios, analgésicos e hormônios orais, intrauterinos ou transvaginais. Apesar de ajudarem no controle dos sintomas, eles não eliminam a doença.

Quando a doença é mais avançada, e há maior comprometimento do intestino, ovário e bexiga, por exemplo, a solução, na maioria das vezes, é cirúrgica. O objetivo é retirar todo o tecido que está fora do útero, além de suas aderências, preservando os órgãos, ao máximo, além dos ovários, útero e das trompas.

A cirurgia é feita na forma minimamente invasiva, e a técnica utilizada é a laparoscopia. Em geral, a paciente pode voltar às atividades após 15 dias (a depender de sua profissão).

A doença pode voltar após a cirurgia?

Sim. O objetivo da intervenção cirúrgica é a retomada da qualidade de vida com a ausência de cólica e dores durante a relação sexual. Na maioria dos casos o resultado é satisfatório. Mas existe a possibilidade de que a doença volte no futuro.

Quem tem endometriose não pode engravidar?

Considerado um sintoma da endometriose, a dificuldade para engravidar pode estar ligada a dois fatores que dificultam a gravidez: "alterações anatômicas decorrentes das aderências típicas da doença e processo inflamatório em toda cavidade abdominal", esclarece Claudio Wiens, ginecologista e professor do curso de Medicina da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná).

Em 50% a 70% dos casos, é possível engravidar espontaneamente. Contudo, a chance de precisar de ajuda médica para esse fim é de 30% a 50%, especialmente nos quadros de doença avançada. Nessas situações, as opções são a reprodução assistida ou cirurgia.

Para definir a melhor estratégia terapêutica, seja ela mais ou menos intervencionista, o especialista deve considerar a idade da paciente; tempo de tentativa sem sucesso; condições seminais do parceiro; permeabilidade das trompas, entre outros. Somente após a análise de todos esses aspectos é que se poderá indicar a melhor solução para cada casal.

A origem da dor na endometriose

Uma crença comum é que a sensação dolorosa é consequência da doença ou mesmo que a a dor é proporcional ao seu "tamanho" (estágio).

Entretanto, esse incômodo se relaciona a diversos mecanismos como o próprio processo inflamatório, o comprometimento de estruturas nervosas da cavidade abdominal e até transtornos de humor, que podem não só gerar desconforto como também piorá-lo.

Além disso, os especialistas têm observado que determinadas alterações cerebrais fazem que algumas mulheres sejam mais predispostas à dor do que outras, e que isso pode até estar relacionado ao histórico familiar.

Como a dor é controlada?

Omero Benedicto Poli Neto, professor associado do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP afirma que o uso de hormônios é a melhor opção nesses casos. "Todo medicamento que bloqueia o eixo entre o cérebro e o ovário bloqueia a ovulação e, assim, observa-se a melhora da dor. A razão por que isso acontece ainda é desconhecida e também não se sabe se o fármaco controla a doença, ou se ele modula a percepção de dor no cérebro", explica.

De acordo com o especialista, a estratégia terapêutica funciona para 80% a 85% das pacientes. Para as 15% restantes, a melhor opção será a cirurgia. Contudo, com o passar do tempo, até 90% destas continuarão sentindo algum grau de dor. É aí que entram a acupuntura, a fisioterapia do assoalho pélvico, a eletroestimulação e a eletroacupuntura, que têm sido grandes aliadas para melhorar a qualidade de vida dessas pacientes.

Fontes: Mauricio Simões Abrão, professor associado do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), chefe do Setor de Endometriose do HCFMUSP (Hospital das Clínicas da FMUSP), editor-chefe do JEPPD (Journal of Endometriosis and Pelvic Pain Disorders), fundador da Clínica Medicina da Mulher, médico e gestor do serviço de Ginecologia da Beneficência Portuguesa de São Paulo e sócio da InVida Medicina Reprodutiva; Eduardo Schor, coordenador do setor de Endometriose do Departamento de Ginecologia da EPM/Unifesp (Escola Paulista de Medicina/Universidade Federal de São Paulo) e vice-presidente da SBE (Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva) e da Comissão Nacional Especializada em Endometriose da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia; Omero Benedicto Poli Neto, professor associado do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo ); Paula Andrea Navarro, professora associada do Setor de Reprodução Humana do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP e diretora do Laboratório de Reprodução Assistida do HCRP (Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto); Claudio Wiens, ginecologista e obstetra, professor do curso de Medicina da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná). Revisão técnica: Eduardo Schor.

Referências: Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde; SBE (Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva); EndometriosisUk; Mira TAA., Buen MM., Borges MG., Yela DA., Benetti-Pinto CL. Systematic review and meta-analysis of complementary treatments for women with symptomatic endometriosis. Int J Gynaecol Obstet. 2018; Parasar P., Ozcan P., Terry KL. Endometriosis: Epidemiology, Diagnosis and Clinical Management. Curr Obstet Gynecol Rep. 2017.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

O que pode ser?