Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

4 dicas para que seu dia de folga realmente reduza o estresse do trabalho

iStock
Imagem: iStock

Diego Garcia

Colaboração para o VivaBem

25/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Saúde mental está diretamente relacionada com a saúde em geral. Não existe uma divisão entre mente e corpo
  • Tirar um tempo para desligar-se do trabalho e dos equipamentos digitais e ter um tempo para si, é essencial para a manutenção da saúde mental
  • Aproveitar os dias de folga para realizar atividades que lhe dão prazer, te ajudam a ter mais equilíbrio e inteligência emocional

Quando se pensa em cuidar de si mesmo é comum associar esse cuidado ao corpo, hábitos alimentares ou vestir-se bem, por exemplo, mas dificilmente as pessoas remetem o autocuidado com a saúde mental, mesmo com o aumento significativo de males como transtornos de ansiedade, pânico, síndromes como Burnout e doenças como a depressão, que em muitos casos têm como consequência o suicídio.

Cuidar da mente é fundamental para ter uma vida equilibrada. Quando a mente não vai bem, há reflexos no corpo todo: emoções, comportamentos e ações. Por isso, mente e corpo em equilíbrio é fundamental para bons relacionamentos, trabalhar e executar tarefas com mais eficiência e ainda enfrentar melhor os problemas e mudanças que a vida impõe.

Passamos a maior parte do dia no trabalho lidando com situações intranquilas: pressão por produção, prazos e resultados, uma quantidade excessiva de informação que chega pelos meios digitais, entre outros fatores (como as relações com pessoas difíceis do escritório, por exemplo) que vão minando aos poucos a qualidade de sua saúde mental.

Em alguns países é cada vez mais comum as pessoas pedirem uma folga para cuidar da saúde mental. No Brasil, entretanto, a prática ainda não chegou e as dispensas acontecem com atestado médico. No entanto, se pararmos para pensar, todo trabalhador brasileiro tem direito a uma folga semanal, que pode e deve ser usada para descansar a mente. Veja dicas de como aproveitá-la para isso:

1. Desligue-se do trabalho

Nesses dias de folga, nada de checar os e-mails de trabalho pelo celular no sábado a noite, pensar no relatório que terá de entrar no próximo dia de trabalho ou em bater a meta do mês. Se sair com colegas da empresa, se policie para não falar sobre trabalho.

2. Fique offline

Aproveite sua folga para se desligar dos gadgets: smartphones, tablets ou notebooks. Se para você for impossível passar um dia desconectado, experimente começar com algumas horas e vá aumentando gradativamente. Você irá perceber a diferença.

3. Faça exercícios físicos

Atividades físicas, principalmente as aeróbicas, fazem bem não só para o corpo, como para a mente. Um estudo publicado na revista americana Cell, concluiu que atividades físicas como a corrida, faz com que o tecido muscular retire a quinurenina do sangue, um composto que compromete as funções cerebrais e está relacionado com a depressão e Alzheimer.

4. Faça atividades de relaxamento

Mindfulness é uma ótima técnica de relaxamento ativo, além de simples e fácil de aprender, atua restaurando a atividade cerebral. Pode ser várias outras atividades que te relaxem e dê prazer, como a pintura, a leitura, a música, etc.

Não hesite em procurar ajuda médica se...

Não conseguir se desligar do trabalho, abdicar de necessidades pessoais e familiares e dedicar todas as suas atividades em função do trabalho são considerados comportamentos de risco para a Síndrome de Burnout. O psiquiatra Wagner Farid Gattaz, coordenador do Laboratório de Neurociências e presidente do Conselho Diretor do Instituto de Psiquiatria da USP (Universidade de São Paulo), observa que ainda existe um grande preconceito das pessoas com as doenças mentais, que faz com que demorem a buscar um profissional, o que pode agravar o problema. "O primeiro passo para um tratamento é ter um diagnóstico e muitos transtornos emocionais demoram muitas vezes décadas para serem diagnosticados porque as pessoas hesitam em procurar um psiquiatra", conclui.

Como o ambiente de trabalho pode ajudar

Luiz Edmundo Rosa, psicólogo e diretor executivo da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos), explica que apenas conceder folgas não resolve o problema. Para ele a saúde mental na empresa depende muito do ambiente corporativo, da qualidade das relações, de como se comportam os líderes ou chefes —se eles se comportam mais como líderes do que como chefes —, o quanto a empresa promove um ambiente aberto ao diálogo favorável à convivência.

"Temos discutido bastante esse tema com as empresas e, muitas delas, desde as grandes até médias e pequenas têm adotado políticas de melhorias do ambiente de trabalho para contribuir com a boa saúde mental dos funcionários", explica Rosa.

Entre essas melhorias estão desde uma pausa durante o horário de trabalho para prática de técnicas de relaxamento, ginástica laboral ou massagens até sair mais cedo um dia da semana, fazer home-office um ou mais dias na semana ou folgar no dia do aniversário.

Gattaz concorda com Rosa e complementa que essas ações das empresas ajudam, mas não bastam para promover um ambiente de trabalho mentalmente sadio. Segundo ele, o que causa mais desgaste nas pessoas é uma alta demanda, que é produzir mais em menos tempo e que vai resultar em uma síndrome de Burnout. Por isso, para ter um ambiente de trabalho saudável, o funcionário tem que ter autonomia (decidir o que, onde e quando fazer ou tomar alguma atitude) dentro do seu espaço e ter um apoio social, alguém com que ele se sinta confortável e tenha a sensação de que se precisar falar sobre algo, será ouvido e levado a sério em suas queixas e pedidos.

Equilíbrio