Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor


Alimentação

Horário da refeição influencia no ganho de peso; saiba como

Refeições pela manhã ajudam a reduzir peso, diz nova pesquisa - kovaciclea/iStock
Refeições pela manhã ajudam a reduzir peso, diz nova pesquisa Imagem: kovaciclea/iStock

Danielle Sanches

Do UOL VivaBem, de São Paulo

30/07/2019 11h11

Resumo da notícia

  • Estudo recente analisou a influência que o horário das refeições tem no processo de perda de peso
  • Os participantes que fizeram uma dieta semelhante ao jejum intermitente, comendo das 8h às 14h, estavam mais saciados e com menos fome à noite
  • O estudo é preliminar e feito com poucas pessoas, mas mostrou que comer no horário da manhã pode ajudar quem quer emagrecer
  • Mas é importante avaliar cada caso com um médico antes de mudar a alimentação

Muitas pessoas acreditam que a máxima "comer como um rei pela manhã, como um príncipe a tarde e como um mendigo durante a noite" faz todo o sentido na busca pela perda de peso. Um recente estudo resolveu entender isso melhor.

A pesquisa, publicada no periódico Obesity, da The Obesity Society, foi feita para que os cientistas pudessem medir o impacto da alimentação dentro do ritmo circadiano --mais conhecido como relógio biológico, que regula todas as funções do corpo humano, incluindo os mecanismos da fome e da saciedade.

Para isso o estudo analisou 11 pessoas divididas dois grupos: um de controle, que se alimentou das 8h às 20h; e outro que recebeu refeições entre 8h e 14h --em uma dieta bastante semelhante ao jejum intermitente, só que praticada no período da manhã/início da tarde.

O resultado foi que o grupo que comeu até 14h teve uma queda no hormônio ligados à fome e um aumento nos hormônios ligados à saciedade. Os médicos ainda notaram que esse grupo teve um aumento na queima de gordura --mas ressaltaram que precisam de mais testes para averiguar as razões pelas quais isso aconteceu.

Embora não tenha sido o foco principal do estudo, a análise dos resultados hormonais acabou mostrando que o jejum intermitente, quando praticado no período da manhã --e não da noite, como é feito pela maioria dos adeptos da dieta -- pode trazer benefícios para a perda de peso.

Por fim, os médicos também observaram que não houve grandes impactos no metabolismo das pessoas que concentraram suas refeições no período da manhã.

Então eu preciso comer logo cedo?

Não necessariamente. Antes de tudo, é preciso ressaltar que este é um estudo preliminar. Rodrigo Moreira, presidente da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia), destaca que foi pesquisada uma amostra pequena --11 participantes -- em um prazo muito curto de tempo (4 dias). Por isso, Moreira acredita que a pesquisa apenas indica hipóteses que precisam de mais estudos para serem comprovadas.

No entanto, eles apontam para uma direção interessante: "os resultados indicam que a ingestão de alimentos no período em que estamos mais ativos, pensando no ritmo circadiano do corpo, pode influenciar na saciedade e na redução da fome", diz o especialista.

De fato, os cientistas notaram que a grelina, hormônio responsável pela sensação de fome, apresentou uma queda no início da noite nos adeptos da alimentação das 8h às 14h. No mesmo período, os hormônios PYY e GLP-1, que aumentam a saciedade, apresentaram níveis mais altos em comparação ao grupo de controle.

Andressa Heimbecher, médica colaboradora do Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), acredita que esse dado corroboraria a ideia de que tomar um café da manhã reforçado aumentaria a saciedade no restante do dia, por exemplo. No entanto, a médica lembra que isso deve ser discutido com um especialista, já que nem todo mundo gosta de comer pela manhã.

Para a endocrinologista Gláucia Carneiro, o estudo indica que evitar comer durante a noite pode ser benéfico para a perda de peso. "Mas é importante lembrar que dietas como esta são difíceis de serem mantidas por muito tempo, e não são sustentáveis a longo prazo", avalia.

Alimentação