Topo

Tudo sobre Diabetes

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Diabetes

Aditivo usado em comidas processadas é associado a maior risco de diabetes

Em longo prazo, o consumo de uma substância presente em alimentos industrializados levou ao ganho de peso e à resistência à insulina - Getty Image
Em longo prazo, o consumo de uma substância presente em alimentos industrializados levou ao ganho de peso e à resistência à insulina Imagem: Getty Image

Do UOL VivaBem

28/04/2019 17h31

Resumo da notícia

  • Estudo mostrou que os propionatos, substâncias usadas para dar sabor artificial e conservar alimentos, provocam várias alterações metabólicas
  • Na pesquisa, ratos e pessoas que consumiram o aditivo alimentar apresentaram maior glicemia e aumento no nível de alguns hormônios em curto prazo
  • Em longo prazo, a substância provocou ganho de peso e resistência à insulina, condições que elevam o risco de diabetes

Não é novidade que, em excesso, os alimentos processados fazem mal à saúde e provocam diversas doenças, incluindo obesidade e alguns tipos de câncer. E uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade Harvard (EUA) e outras instituições mostra que os propionatos, aditivos usados para conferir sabor artificial e conversar pães, queijos, fast-food e outras comidas industrializadas, provocam alterações no metabolismo que aumentam o risco de diabetes tipo 2.

No estudo, publicado no periódico Science Translational Medicine e realizado com ratos e humanos, o consumo de uma dose parecida com a presente em muitos produtos industrializados aumentou em curto prazo o nível de açúcar no sangue (glicemia) e de alguns hormônios; o que em longo prazo levou ao ganho de peso e à resistência à insulina --condições associadas a uma maior predisposição ao diabetes.

Apesar das descobertas, os cientistas dizem que não dá para afirmar ainda que os propionatos causam diabetes, e mais estudos são necessários. Além disso, essas substâncias são consideradas seguras e liberadas para uso em alimentos pela FDA (Food and Drugs Administration) e pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Como foi feito o estudo

  • Inicialmente, os cientistas ofereceram a ratos, por via oral e via intestinal, uma quantidade de proprianatos similar à usada em alguns alimentos processados.
  • Os dois grupos de animais apresentaram aumento da glicemia ao receber a substância e, horas depois, elevação no nível de hormônios como insulina e glucagon.
  • Após 20 semanas, os roedores que consumiram propianatos (via oral) ganharam mais peso e tiveram maior resistência à insulina, quando comparados a camundongos que não receberam o aditivo de forma alguma.
  • Então, os cientistas reuniram 14 pessoas saudáveis, magras e sem diabetes. Parte delas recebeu, por uma semana, uma alimentação com 1 g de propianatos, e ao restante foi oferecido placebo. Depois, os grupos foram invertidos.
  • Os cientistas constaram que o consumo de aditivos por humanos aumentou a glicemia, o nível de hormônios e a resistência à insulina de maneira parecida ao que foi observado em ratos.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Mais Tudo sobre Diabetes