Topo

Como emagreci

Histórias inspiradoras de quem mudou a silhueta


Como emagreci

Ele perdeu 70 kg tomando cafezinho para driblar desejo por comer besteiras

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Priscila Carvalho

Do UOL VivaBem, em São Paulo

28/02/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Nícolas Trigo, 38 anos, lutou contra a balança praticamente a vida inteira
  • Ele não tinha disciplina para comer, chegou a pesar 170 kg e foi diagnosticado com gordura no fígado
  • Com medo de morrer e deixar os filhos órfãos, ele resolveu mudar dieta e fazer exercícios
  • A seguir, Nícolas conta como conseguiu emagrecer com saúde

"Durante 37 anos de minha vida fui gordo e achava que não iria emagrecer nunca. Quando criança, eu era muito quieto, tímido e não tinha uma boa relação com o peso. Cresci rapidamente e, com 10 anos, já calçava 42, era um dos maiores da turma. 

O tempo foi passando e fui engordando mais e mais. Em 2004, tive uma paralisia facial que me fez tomar diversos remédios e ganhei em torno de 30 kg. Claro que a culpa não era só do medicamento: eu me alimentava de maneira completamente errada. Só comia pizza e sanduíches, não colocava nada de salada no prato. Assim, ultrapassei os 150 kg.

A situação piorou em 2015, quando fiz um ultrassom do abdômen e fui diagnosticado com esteatose hepática (gordura no fígado) e também tinha problemas com pressão alta

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Apesar do susto, acabei não cuidando da saúde, pois tinha uma viagem programada para Portugal, onde fui fazer um doutorado por um ano. Quando voltei ao Brasil, a situação estava ainda pior: sofria com apneia do sono e sentia muitas dores nos ombros, pés e pernas. Não tinha ânimo para nada e onde eu sentava, começava a cochilar. Isso começou a me preocupar e às vezes me peguei pensando: 'Quanto tempo será que ainda vou ter de vida?'.

Acreditava que não iria durar muito, tinha medo da morte e, ao mesmo tempo, não fazia nada para mudar

O impulso para tomar uma atitude aconteceu em janeiro do ano passado, quando fiquei sabendo em um grupo de amigos no celular que um conhecido tinha morrido de infarto. Isso me trouxe lembranças péssimas e começou a me preocupar ainda mais. Passei a pensar que meus filhos pudessem perder o pai cedo, como perdi o meu, e viver o vazio que senti durante a adolescência e vida adulta. Foi aí que decidi que tudo ia mudar.

Nessa época, já estava com 170,6 kg e fiquei determinado a mudar minha alimentação, rotina e emagrecer. Optei por fazer uma dieta low carb e tive uma resposta muito boa em relação ao peso. 

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Eu fazia, em média, cinco refeições diárias: café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Ao longo de todo o dia eu não podia ultrapassar a soma de 40 g de carboidrato -- e também não podia exceder o limite de 15 g do nutriente por refeição. É importante ressaltar que isso não foi algo que tirei da minha cabeça, o plano foi estabelecido por um médico e um nutricionista. 

Percebi que comer cinco vezes ajudava a diminuir a fome e aguentar ficar sem 'petiscar' até o horário da próxima refeição. Mesmo assim, às vezes sentia uma ansiedade, falta de algo, e tinha desejo de comer alguma coisa. Para matar essa vontade, criei uma tática que apelidei de 'escape'.

O escape era uma comida ou bebida saudável, com o mínimo de carboidrato --preferencialmente zero, para não atrapalhar na contagem diária do nutriente. O meu principal escape normalmente era um café expresso. Se sentia desejo de comer besteira e sair da dieta, tomava um cafezinho e o desejo passava.

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Conforme comecei a perder peso, comecei a malhar para ajudar a acelerar o metabolismo. Iniciei com caminhadas e depois de alguns meses mudei para musculação e aeróbico na academia

O resultado foi surpreendente: em um ano consegui eliminar cerca de 70 kg e hoje meu peso oscila entre os 98 kg e 100 kg. Ainda não estou totalmente satisfeito e quero chegar aos 95 kg. 

Quando olho para trás, percebo o quanto caminhei até aqui e isso ajuda a manter o foco, pois não quero perder o que conquistei. Até mesmo em festas me programo para manter a dieta e levo uma comida leve, como biscoitos de proteínas ou barrinhas. Sempre tento dosar.

O importante é não deixar a fome se estabelecer na cabeça, seja em casa, seja na rua. Continuo motivado e quero atingir meu objetivo esse ano. 

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Mais Como emagreci