Topo

Movimento

Inspiração pra fazer da atividade física um hábito


Movimento

Efeito sanfona: por que manter o peso é mais difícil do que emagrecer?

Conheça formas de ajudar seu corpo a emagrecer e manter o peso perdido - iStock
Conheça formas de ajudar seu corpo a emagrecer e manter o peso perdido Imagem: iStock

Marcelle Souza

Colaboração para o UOL VivaBem

23/10/2018 04h00

A receita para perder peso todo mundo conhece: basta comer alimentos saudáveis e ingerir menos calorias do que o corpo gasta. Mas depois de emagrecer o quanto você deseja, qual é a fórmula para não engordar tudo novamente e manter o ponteiro da balança estacionado?

A resposta para essa pergunta não tem a ver apenas com disciplina e força de vontade. Ela pode estar relacionada aos seus antepassados e, acredite, principalmente a uma espécie de boicote do organismo.

"Quando faz dieta, o corpo interpreta como se você estivesse passando fome. Daí, como no tempo das cavernas, passa a economizar energia porque não sabe quando terá comida novamente", explica o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

VEJA TAMBÉM:

A fome aumenta

Assim que você começa a emagrecer, o organismo cria formas de fazê-lo voltar ao peso anterior. "Ele aciona mecanismos de compensação: libera uma quantidade de grelina, hormônio que está associado à fome; e diminui a produção de leptina, que faz você demorar mais para sentir saciedade", diz o médico.

Isso explica, por exemplo, por que depois dos primeiros resultados de um período de dieta muita gente sente mais fome ou desejo por alimentos que antes nem faziam parte da rotina alimentar. Em alguns casos, dizem os especialistas, esse processo chega a alterar até o sabor dos alimentos. Tudo para fazer você comer mais. "O cérebro faz isso porque entende que, quanto maior o peso da pessoa, melhor", diz Renato Zilli, médico endocrinologista do Hospital Sírio Libanês.

O metabolismo desacelera

Como se não bastasse aumentar a fome e retardar a saciedade, um outro mecanismo deixa as coisas ainda mais difíceis para quem quer manter o peso que perdeu: o corpo simplesmente decide desacelerar. Ou seja, passa a gastar menos energia para os processos metabólicos a fim de fazer um estoque (de gordura), caso você precise dele no futuro. 

"Tem uma hora em que a curva de peso estabiliza, mesmo que você continue comendo pouco. Isso acontece porque o organismo entende que precisa se tornar mais eficiente, então começa a poupar energia", comenta Zilli.

Há questões a que o corpo não se adaptou ao longo da evolução. Por exemplo, a oferta de alimentos hoje em dia é abundante, o que elimina o esforço necessário para conseguir comida, em comparação com nossos antepassados, que precisavam caçar e plantar para comer. Além disso, a qualidade da comida não é a mesma de antigamente --consumimos muita coisa processada, com altas concentrações de gordura e açúcar.

Então qual é o segredo para manter o peso?

Um grupo de pesquisadores portugueses investigou os hábitos de 388 pessoas que enxugaram, em média, 18 kg e não engordaram mais ao longo de dois anos, apesar dos obstáculos listados até aqui. O estudo foi publicado no ano passado na revista científica Journal of Behavioral Medicine.

Os resultados indicam algo que não parece muito novo: o sucesso se deu pela associação de uma dieta balanceada e prática de atividades físicas regularmente. Mas há detalhes interessantes na pesquisa. 

Em relação à dieta, a maior parte dos entrevistados privilegiou a ingestão de alimentos saudáveis em casa, comeu vegetais com frequência e tomou café da manhã todos os dias. Além disso, o estudo mostrou que eles reduziram o tamanho das porções e a maioria optou por um cardápio com menos carboidratos e mais proteínas. 

Quanto aos exercícios, 78% dos participantes responderam que faziam mais de 150 minutos por semana de atividade em intensidade moderada a vigorosa. "É importante destacar que é preciso se movimentar não só com exercícios aeróbicos (corrida, bike, natação), mas também com anaeróbios (musculação), que estimulam o ganho de massa muscular e, consequentemente, aumentam o gasto energético em repouso", orienta Ribas Filho. 

Os entrevistados adotaram, ainda, estratégias como monitorar o peso com frequência e estabelecer metas específicas de emagrecimento, o que se mostrou eficiente. "A motivação é uma questão chave na perda de peso, por isso é importante encontrar fatores positivos nesse processo. Em longo prazo, não se trata de 'preciso entrar naquele jeans', e sim de 'quero ver meus filhos crescerem'", sugere Zilli.

Em alguns casos, diz o endocrinologista, é preciso também investigar os motivos que levam à compulsão alimentar ou à dificuldade de perder peso, como estresse, problemas hormonais ou emocionais e insônia

Os resultados do estudo português indicam, portanto, que a manutenção do peso perdido é possível com uma dieta balanceada e prática regular de atividade física, mas também sugerem que adotar diferentes estratégias, comportamentais e individualizadas é essencial para alcançar o sucesso.


SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Movimento