Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Por que nós rimos e como isso é bom para nosso corpo?

Rir é bom para aliviar a dor e transmitir bons sentimentos para outras pessoas - Getty Images
Rir é bom para aliviar a dor e transmitir bons sentimentos para outras pessoas Imagem: Getty Images

Carol Salles

Colaboração para o VivaBem

25/07/2018 04h00

Por volta dos 3 meses, um bebê começa a sorrir, sem que ninguém precise ensinar a ele como fazer isso. O reconhecimento do som de uma risada, porém, começa bem antes, ainda dentro do útero — especialmente se for a da mãe. Dá para dizer, assim, que nascemos sabendo que risadas são um indicativo de alegria, descontração, tranquilidade.

E isso é uma função socialmente importante que possivelmente impulsionou a evolução da espécie — ao rirmos, indicamos que viemos em paz, que somos amigáveis e que está tudo bem. Provocamos uma atitude positiva em quem observa, que facilita a interação social e a cooperação mútua, especialmente em grandes grupos. Dependendo do contexto, também facilita a aproximação sexual.

Menos dor

Em termos biológicos, um dos motivos que pode explicar porque rimos é que rir aumenta nossa capacidade de suportar a dor. Um estudo feito pela Universidade de Oxford e publicado no periódico Proceedings B, da Royal Society britânica, mostrou que os pacientes que assistiram a comédias suportaram melhor a dor, causada por uma capa térmica congelada a uma temperatura de -16ºC, do que aqueles que assistiram a vídeos considerados entediantes.

A resposta está num neurotransmissor chamado endorfina — produzido pelo sistema nervoso central, tem propriedades analgésicas e é liberado quando rimos.

Uma expressão que todos entendem

Por fim, é interessante saber que o riso é considerado a única linguagem universal — estudo realizado por cientistas da Universidade College London, na Inglaterra, mostrou que este é um som sempre reconhecido como algo positivo, mesmo por indivíduos com estilos de vida totalmente diferentes.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas trabalharam com um grupo de ingleses e outro de africanos, de uma pequena tribo na Namíbia. Este segundo grupo vivia num local sem eletricidade, água encanada, educação formal e pouco ou nenhum contato com comunidades de fora. Para cada grupo, foram contadas histórias que tinham como base um tipo de emoção (raiva, tristeza, alegria).

Ao final, ouvia-se dois sons, cada um denotando um tipo de sentimento. A tarefa dos voluntários era, então, indicar qual deles melhor refletia a emoção ligada à história — sendo que os sons ouvidos num grupo haviam sido coletados no outro. Em ambos os agrupamentos, os sons que denotavam emoções básicas, como raiva, medo e tristeza, foram relativamente bem reconhecidos. A risada, no entanto, se destacou como o único som positivo reconhecido em ambos os grupos.

Fontes: Fábio Porto, neurologista do Hospital das Clínicas, em São Paulo, Patricia Bado, neurocientista e pesquisadora do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, no Rio de Janeiro, e Silvia Mitiko Nishida, professora do Departamento de Fisiologia no Instituto de Biociências da Unesp, em Botucatu (SP).

Equilíbrio