PUBLICIDADE

Topo

VivaBem

'Como escondi meu autismo por décadas para me encaixar na sociedade'

Eloise percebeu que era diferente pela primeira vez quando começou a ir à escola - BBC
Eloise percebeu que era diferente pela primeira vez quando começou a ir à escola Imagem: BBC

Da BBC

01/06/2020 18h21

Eloise demorou para entender por que se sentia diferente das demais pessoas da sua idade. Ela, que nasceu em Bedford, na Inglaterra, passou parte da vida escondendo suas "peculiaridades" até ser diagnosticada, aos 27 anos, com autismo.

A resposta que Eloise teve para as suas dificuldades foi tardia. Assim com ela, há outros diversos casos de pessoas que somente descobriram o Transtorno do Espectro Autista (TEA), o nome oficial do autismo, na vida adulta.

Agora, a expectativa é de que uma nova ferramenta desenvolvida por especialistas ajude no reconhecimento de casos como o de Eloise, nos quais as pessoas com autismo tentam esconder suas características para se encaixar na sociedade.

Atualmente, Eloise faz doutorado na área de psiquiatria na Universidade Oxford, na Inglaterra. Ela afirma que um de seus principais objetivos de vida é fazer estudos que possam ajudar pessoas com autismo a prosperar.

Abaixo, o depoimento de Eloise à BBC:

"Percebi que eu era diferente quando comecei a ir ao colégio. Falava de coisas que me interessavam, mas isso não parecia interessar Aos outros. Por exemplo, eu gostava de psicologia, mas as outras garotas preferiam falar sobre meninos.

Eu tinha interesses muito distintos e sempre me sentia mais confortável falando com adultos do que com pessoas da minha idade. Não sabia como me tornar a melhor amiga de alguém, nem como jogar os mesmos jogos que as crianças da minha idade jogavam.

Eloise se sentia intimidada na escola a atuar de maneiras diferentes para que seus colegas não a achassem diferente - BBC - BBC
Eloise se sentia intimidada na escola a atuar de maneiras diferentes para que seus colegas não a achassem diferente
Imagem: BBC

Sofri muito bullying. Certa vez, alguém cuspiu em mim, as outras crianças me olharam com nojo e eu disse: 'você está violando a lei criminal', ou algo assim. Não é esperado que uma criança reaja assim a uma situação dessas.

Minhas estratégias começaram na escola primária: queria encarar. Muitas pessoas com autismo são hipersensíveis a experiências sensoriais. Por exemplo, [algumas] não gostam de usar meias porque sentem que seus tornozelos estão apertados ou não gostam de luzes brilhantes ou barulhos altos.

'Expectativas sobre mim'

Na escola, tínhamos de amarrar o cabelo, mas eu odiava isso. Então, afrouxava o cabelo e acabava tendo problemas, porque as pessoas pensavam que eu fazia isso para chamar a atenção.

Eu usava a mesma roupa que os outros, mas sempre foi algo como se fosse uma obrigação, porque eu não entendia a razão para estarmos iguais. Eu sempre me dividia entre o que me parecia mais confortável e as expectativas que tinham sobre mim.

Minha adolescência foi insuportável, porque você não quer se sentir diferente dos outros nesse período. Há uma pressão muito maior para que as meninas se tornem parte de um grupo social.

Se um menino está sozinho, ele é considerado independente. Mas se uma menina está sozinha, dizem que ela tem algum problema.

Me adaptei para tentar me encaixar. Aprendi desde a mais tenra idade que é esperado que as pessoas façam contato visual. Mas eu li que, na verdade, as pessoas não mantêm contato visual constante e isso foi uma espécie de epifania para mim.

Então, comecei a desviar o olhar por dois segundos a cada quatro frases durante uma conversa. Aprendi também que se alguém fizer uma piada, engraçada ou não, as pessoas costumam rir.

Para mim, socializar era um pouco como estar no meio da multidão e, de repente, esquecer como andar. Todos ao seu redor socializavam normalmente. Mas eu precisava pensar em cada aspecto de como montar essa sequência motora para me manter erguida. Muitas vezes, assim se sente uma pessoa com autismo tentando se encaixar.

É preciso energia, raciocínio e, embora possa parecer que você está andando como todos, é preciso muito mais esforço para parecer normal. Às vezes, eu chegava em casa e desmaiava porque estava cansada por ter tido muito contato visual.

Lista de 'camuflagens'

O autismo geralmente é diagnosticado na infância. Porém, um número crescente de adultos tem recebido esse diagnóstico.

Muitos deles desenvolveram estratégias para esconder sintomas quando estavam entre pessoas neurotípicas, ou seja, aquelas que não estão no espectro. Essa prática pode causar bastante estresse a essas pessoas.

Eloise afirma que se fosse diagnosticada com autismo ainda na infância, poderia ter entendido melhor suas diferenças - BBC - BBC
Eloise afirma que se fosse diagnosticada com autismo ainda na infância, poderia ter entendido melhor suas diferenças
Imagem: BBC

Pesquisadores da Universidade de Cardiff, do King's College de Londres e da Universidade Bath, no Reino Unido, elaboraram uma lista de verificações de 31 pontos para ajudar os trabalhadores da área da saúde a determinar se uma pessoa está usando estratégias para camuflar possíveis características do autismo.

Na lista constam itens como:

  • Prever, planejar e ensaiar conversas antes que elas aconteçam;
  • Imitar frases, gestos, expressões faciais e tom de voz de outras pessoas, ou personagens de filmes, séries ou livros;
  • Confiar em animais de estimação, crianças ou algum objeto interessante;
  • Evitar o contato visual, mas dando a impressão de interesse olhando para a ponta do nariz ou de pé em ângulo reto com a pessoa com quem está falando;
  • Fazer contato visual adequado, mesmo que não seja útil para a comunicação.

"No momento, os profissionais sabem muito pouco sobre as estratégias e o que procurar. A nova ferramenta, se considerada eficaz, pode ajudar os médicos a avaliar o autismo em adultos e a entender o quanto esse paciente pode estar trabalhando para manter as aparências", diz Lucy Livingston, professora de psicologia da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, e diretora do estudo.

"Essa lista pode significar que as pessoas com autismo receberão um diagnóstico mais preciso e oportuno", afirma a estudiosa.

Antes de ser diagnosticada, não entendia por que me sentia diferente. Eu estava sozinha. Assim como não entendia as pessoas neurotípicas e elas tampouco me compreendiam.

Muitos acreditam que pessoas com autismo não têm empatia, mas quando uma pessoa neurotípica fala com um autista, pode ser que realmente seja a pessoa neurotípica que mostre falta de empatia.

Quando recebi o diagnóstico, há três anos, tudo se encaixou e descobri que havia outras pessoas como eu. Não era mais a única. Se eu fosse diagnosticada quando era criança, tudo teria sido diferente: teria me entendido melhor e poderia ter tido uma identidade autista mais positiva, em vez de sentir que me faltava algo.

Estou aprendendo a ser autenticamente autista e autenticamente Eloise, mesmo que isso signifique, às vezes, me diferenciar dos outros. Com pessoas que não conheço, sinto que preciso me encaixar. Por exemplo, se eu estivesse em uma entrevista de trabalho, sentiria a necessidade de me camuflar. Mas com amigos, familiares e um círculo cada vez maior de pessoas, estou aprendendo a ser quem eu realmente sou. Isso é maravilhoso e muito libertador.

Hoje, Eloise faz doutorado em psiquiatria na Universidade de Oxford e afirma que um de seus principais objetivos de vida é estudar o autismo - BBC - BBC
Imagem: BBC

Há tantos estereótipos sobre o autismo, como no filme "Rain Man", que passa a ideia de que todos os autistas são homens cisgêneros que gostam muito de matemática. Mas, na verdade, há muito mais diversidade e quanto mais pessoas percebem isso, melhor.

Sou um pouco travessa e quando digo que tenho autismo, me dizem: 'mas não parece'. Então, respondo: 'bem, como é que alguém com autismo parece?' Isso os deixa desconcertados.

Passei boa parte da minha adolescência e dos meus 20 e poucos anos tentando me encaixar e compensar minhas peculiaridades autistas. Mas quando atingi os 30, percebi que não importa se eu realmente "me encaixo".

De fato, enquanto estou florescendo do meu jeito particular, posso expor quem eu realmente sou, posso deixar de lado a camuflagem e a minha máscara. E está tudo bem."

VivaBem