Topo

Tudo sobre Câncer

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Câncer

Metade dos pacientes podem sobreviver a câncer de pele considerado "intratável", apontam testes

Uma célula corrompida que sai de controle, diferente de suas "vizinhas" saudáveis - Getty Images
Uma célula corrompida que sai de controle, diferente de suas "vizinhas" saudáveis Imagem: Getty Images

James Gallagher - Repórter de saúde e ciência da BBC News

29/09/2019 11h01

A última década marcou uma "transformação extraordinária" no tratamento dos melanomas, é como definem os médicos.

Mais da metade dos pacientes agora pode sobreviver a um câncer de pele mortal e que era considerado "intratável" até uma década atrás, afirmam médicos britânicos.

Há dez anos, apenas um em 20 pacientes tinham sobrevida de cinco anos após serem diagnosticados com melanoma em estágio avançado. Muitos morreriam em meses.

Mas drogas para fortalecer o sistema imunológico permitem agora que os pacientes vivam pelo menos cinco anos, apontam testes clínicos. De acordo com os médicos, tal transformação é extraordinária e considerada rápida nos tratamentos contra a doença.

O quão difícill é tratar um melanoma?

O melanoma é o tipo mais grave de câncer de pele, mas menos frequente que outros tumores cutâneos.

Segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil e corresponda a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país, o melanoma representa apenas 3% dos tumores de pele. O Inca registrou 6.260 casos novos no Brasil em 2018.

No Reino Unido, é o quinto tipo de câncer mais comum, e mata cerca de 2,3 mil pessoas a cada ano.

Se for detectado em estágios iniciais, no entanto, as chances de sobrevivência são boas. Mas à medida que o câncer se torna mais agressivo e se espalha pelo corpo, o chamado câncer metastático, as taxas de sobrevivência despencam.

No passado, o melanoma metastático era considerado intratável, explica o professor James Larkin, consultor na Royal Marsden NHS Foundation Trust.

"Oncologistas consideravam o melanoma diferente dos outros cânceres, não podia ser tratado depois que espalhava", ele disse.

As pessoas tendiam a viver entre seis e nove meses depois de serem diagnosticadas.

O que os novos testes indicam?

O teste investigou duas drogas imunoterápicas que foram criadas para melhorar o sistema imunológico e deixá-lo atacar o câncer. Havia 945 pacientes no teste; um terço foi tratado com nivolumab, um terço com ipilimumab, e um terço com os dois medicamentos.

Os médicos, então, analisaram a taxa de sobrevivência de cinco anos - a proporção de pacientes que continuavam vivos após cinco anos.

Os resultados mostraram:

  • 26% ainda estavam vivos só com o ipilimumab
  • 44% ainda estavam vivos só com o nivolumab
  • e 52% ainda estavam vivos com os dois.

"Foi uma surpresa maravilhosa ver tanto progresso em um período tão curto de tempo", afirmou o professor Larkin à BBC News.

Ele disse: "Foi a transformação mais extraordinária sobre uma doença que era considerada entre todos os cânceres a mais difícil de tratar, o prognóstico mais sério".

Ele disse que agora a possibilidade é que "50% das pessoas com melanoma em estágio 4 estejam vivas após cinco anos com o tratamento por imunoterapia", diz.

As descobertas foram apresentadas em uma reunião da Sociedade Europeia de Medicina Oncológica e publicadas no New England Journal of Medicine.

O que os pacientes dizem?

Pam Smith, 67, de Royal Tunbridge Wells, começou o teste em janeiro de 2014. Ela estava "devastada" quando disseram a ela que o câncer era intratável, e ela diz que "não teria tido chance alguma" sem a imunoterapia". Ela recebeu o tratamento duas vezes por semana por quatro meses, mas os medicamentos lhe deram diarreia severa como efeito colateral, e ela não pôde continuar.

Pam Smith: "Eu poderia não ter conhecido meus netos". - Pam Smith
Pam Smith: "Eu poderia não ter conhecido meus netos".
Imagem: Pam Smith

O tumor dela diminuiu pela metade depois do tratamento e não cresceu mais. Pam agora se sente "ótima". "Eu poderia não ter conhecido meus netos", disse à BBC. "Passaram-se cinco anos agora e meu neto mais novo completou seis anos este fim de semana. Eu não teria o visco crescer, nem meus outros netos."

Estes pacientes estão curados?

Dizer que se está curado é sempre difícil no câncer, mas a taxa de cinco anos de sobrevivência é um passo importante. Alguns pacientes em tratamento com as drogas estão em remissão total, sem sinal de anormalidade nos scans.

Outros, como Pam, ainda têm um tumor dentro do corpo, mas eles não estão mais crescendo. Dos pacientes que sobreviveram, três quartos não precisam mais de nenhum tipo de tratamento contra o câncer.

Como funciona a imunoterapia?

A imunoterapia é uma ciência vencedora do Nobel que está tornando o intratável tratável.

A área de pesquisa é uma das mais animadoras no tratamento contra o câncer.

O sistema imunológico constantemente vigia nosso corpo, lutando contra invasores hostis, como vírus.

Deveria atacar câncer também - mas os cânceres são uma versão corrompida de tecido saudável que pode evoluir para meios de burlar o sistema imunológico.

Ipilimumab e nivolumab impedem alguns tipos de câncer de se esconder e permitem que o sistema imunológico ataque.

Eles interrompem os sinais químicos que os cânceres usam para frear o sistema imunológico.

Nivolumab bloqueia o "botão desliga" das células brancas do sangue, chamado PD-1; Ipilimumab bloqueia um similar, chamado CTLA-4.

Esse processo é descrito como tirar o freio do sistema imunológico.

"A combinação dessas duas drogas você está efetivamente tirando os dois freios do sistema imunológico em vez de um, e o sistema reconhece tumores que não reconhecia antes, reage a isso e os destrói, disse o professor Larkin.

Quais os efeitos colaterais?

Sim, as drogas estão mudando a maneira que o sistema imunológico funciona e isso pode ter consequências, como fatiga, alergias na pele e diarreia.

Algumas são severas o suficiente para que pacientes como Pam não possam completar o tratamento.

No entanto, mesmo um pouco de imunoterapia teve um benefício duradouro no sistema imunológico e nos pacientes. É uma grande diferença em relação a tratamentos como quimioterapia, que param de funcionar no momento que o tratamento para.

Estas drogas já estão disponíveis?

Sim, resultados prévios deste teste levou essas drogas a estarem disponíveis ao redor do mundo , incluindo o serviço nacional de saúde do Reino Unido. Também estão sendo usadas para tratar câncer no pulmão e no rim.

A imunoterapia não é oferecida pelo SUS (Sistema Único de Saúde), exceto pelo Hospital de Amor, em Barretos, que anunciou em setembro do ano passado o tratamento com a terapia anti-PD-1, conhecida como pembrolizumabe (Keytruda), por meio do SUS e em parceria com uma farmacêutica.

Também há instituições privadas no Brasil que oferecem o tratamento.

O que os experts acham?

O professor Charles Swanton, clínico chefe no Cancer Research UK, diz que progresso no tratamento do melanoma foi incrivelmente rápido.

"Estou inspirado em ver esses avanços no desenvolvimento das imunoterapias e o seu potencial para transformar o cenário para alguns pacientes, dando a eles tempo com amigos e família que eles nunca achavam que teriam", afirma. "E agora continua o trabalho para garantir que mais pessoas com diferentes tipos de câncer também se beneficiem desses tratamentos inovadores."

Tudo sobre Câncer