PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

França suspende obrigatoriedade de máscara em lugar que exige passe sanitário

Duas mulheres tomando café da manhã no Cafe de Flore em Paris, na França - Chesnot/Getty Images
Duas mulheres tomando café da manhã no Cafe de Flore em Paris, na França Imagem: Chesnot/Getty Images

20/07/2021 11h35

Paris, 20 Jul 2021 (AFP) - O governo francês suspendeu a obrigatoriedade do uso de máscaras faciais em cinemas, museus, ou instalações esportivas que exigirem a apresentação do passe sanitário para ingresso - uma medida criticada por vários cientistas.

"Onde quer que o passe sanitário" anticovid-19 seja necessário, as pessoas "poderão tirar suas máscaras", "salvo ordem expressa pelos prefeitos dos departamentos, em função da situação epidemiológica", declarou o ministro da Saúde, Olivier Veran, na rádio RTL, nesta terça-feira (20).

O passe sanitário contra covid-19 informa se seu titular completou o esquema de vacinação, se está imunizado, ou se testou negativo em teste recente de PCR.

Aprovada por decreto, a medida foi publicada hoje no Diário Oficial francês entra em vigor amanhã (21).

A decisão se dá no mesmo dia em que o Parlamento começa o estudo de um projeto de lei que determina vacinação obrigatória para os profissionais de saúde e que estende o uso do passe sanitário a mais estabelecimentos, como bares e restaurantes. No sábado, manifestantes foram às ruas em protesto.

Para Veran, a máscara não é mais necessária, porque, com o passe, "estamos seguros de que todas as pessoas que entram estão totalmente vacinadas, ou têm um teste negativo recente".

Ao contrário do público, os funcionários destes estabelecimentos terão de continuar usando a máscara, disse o ministro do Trabalho.

O epidemiologista Dominique Costagliola recebeu o anúncio da medida "com estupor".

"É uma má ideia", disse ele à rádio France Inter.

"Devemos caminhar com todo rigor para combater essa pandemia, e não retirar algumas medidas, quando novas chegar", completou.

"Esta decisão impede o acesso a estes lugares de cerca de 250.000 pessoas imunodeprimidas graves, que têm passe sanitário, estão vacinadas, mas com um risco alto (...) e que só podem contar com que todos usem a máscara para se proteger", reagiu a associação de transplantes de fígado Renaloo.

Sob o impacto da variante Delta, mais contagiosa, o governo francês já fala em uma "quarta onda", registrando uma média diária de 8.000 casos nos últimos sete dias, contra 1.850 em junho.

Saúde