Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor


Alimentação

Muito além do alho e cebola: benefícios de 7 temperos não tão usados

iStock
Imagem: iStock

Sibele Oliveira

Colaboração para o VivaBem

15/08/2019 04h00

Dizem que o segredo de uma boa comida é o tempero. Mas se existem tantos tipos diferentes, por que usar apenas sal, alho e cebola? Além de deixar as refeições mais gostosas, os condimentos nunca devem faltar na cozinha porque são importantes aliados da saúde.

É isso mesmo. Os temperos ajudam a evitar estresse o oxidativo e as inflamações causadas por fatores internos e externos, que por sua vez geram doenças e envelhecimento. É o que explica Roberta Ribeiro, professora de nutrição da Universidade Federal de Alfenas (Unifal). "Eles têm em sua composição compostos bioativos como os polifenóis, incluindo derivados e isômeros de flavonas, isoflavonas, flavonoides e catequinas. E ácidos fenólicos com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias".

Segundo ela, os temperos auxiliam, por exemplo, na prevenção e no tratamento de doenças cardiovasculares e no controle da glicemia e dos lipídeos. Falando em saúde, eles também são úteis para diminuir o consumo de sódio. "Não é possível esperar a substituição de sabor, mas fica bem mais interessante do que só o sal", afirma Viviane Lago, nutricionista e consultora da Associação Brasileira de Nutrição (Asbran).

Os condimentos podem ser usados frescos ou secos. Contudo, eles requerem alguns cuidados. "Na forma moída ou como ervas não se deve submeter diretamente ao fogo. Isso porque pode ocorrer a perda do sabor e do aroma", ensina Lago. Ela acrescenta que dependendo do tempero, o sabor tende a ficar mais amargo e as propriedades antioxidantes podem ser perdidas quando o tempo de cozimento é excessivo.

Mas não adianta consumir os condimentos de vez em quando. "É importante lembrar que os efeitos devem ser pelo uso regular e quantidades adequadas. E que os temperos são ingredientes coadjuvantes aliados à dieta equilibrada e atividade física, na prevenção e tratamento de doenças", diz Ribeiro. A seguir, confira uma lista elaborada pelas duas especialistas com temperos pouco usados no dia a dia:

  • iStock

    Cardamomo

    O cardamomo verde contém compostos fenólicos e flavonoides, como a quercetina e kaempferol, flavona (luteolina) e antocianidina (pelargonidina). Estudos sobre o papel do cardamomo verde usado como tempero relataram a diminuição da pressão arterial, aumento de efeitos gastroprotetores, antibacterianos, antioxidantes, anti-inflamatórios, melhora da função cardíaca, além de se mostrar diurético, expectorante, anticarcinogênico. O condimento pode ser usado em pó ou em forma de sementes (que têm um sabor adocicado e são geralmente utilizadas em pratos doces), mas também é indicado no preparo de carnes ou arroz, como o risoto de pera com cardamomo. Combina com frutas cítricas e até mesmo com o açafrão. Não deve ser ingerido em quantidades acima das habitualmente encontradas nos alimentos e é contraindicado para gestantes ou lactantes.

  • iStock

    Sálvia

    Nessa erva, o composto bioativo mais importante é o ácido cafeico, um antioxidante. Já os diterpenos são responsáveis por atividades cardiovasculares e antibacterianas. Estudos revelam que o tempero tem ação anti-inflamatória, além de ser um estimulante da digestão, recomendado para quem sofre com náuseas e afecções da garganta. Suas folhas têm um sabor que lembra limão e cânfora, com um toque amargo agradável. Podem ser usadas para aromatizar saladas, queijos, carnes, sopas, lentilha e macarrão. E fica uma delícia em receitas como nhoque com manteiga de sálvia e lombo suíno com sálvia. É contraindicada para gestantes ou lactantes.

  • iStock

    Alecrim

    O alecrim contém flavonoides, ácidos fenólicos e diterpenos fenólicos. Estudos confirmaram a ação antioxidante, antibacteriana, antifúngica e antimicrobiana do tempero. O consumo dele facilita a digestão, ajuda na circulação sanguínea e na regulação das funções hepáticas. O alecrim ainda tem propriedades diuréticas, digestivas, tônicas, antissépticas e estimulantes, sendo indicado para combater o cansaço físico e mental. Pode ser usado em carnes, arroz, pães artesanais, como aromatizante da água do cozimento de massas e muitas outras receitas. É contraindicado para gestantes, lactantes, quem tem hipersensibilidade a plantas e deve ser consumido com atenção por pessoas hipertensas e com histórico de epilepsia.

  • iStock

    Tomilho

    Mais uma erva versátil e que faz muito bem para a saúde. Os principais extratos do tomilho são os compostos fenólicos timol e carvacrol, que exercem atividade antioxidante e antimicrobiana. Pode ser usado no arroz, feijão, ensopados, guisados, carnes, peixes, frango, frutos do mar, molhos e pães. É contraindicado para gestantes, lactantes, pessoas com histórico de gastrite e distúrbios intestinais, insuficiência cardíaca e para quem tem hipersensibilidade a plantas.

  • iStock

    Açafrão

    Também conhecido como curcuma, o açafrão foi reconhecido recentemente pelos seus efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios. Em doses menores que 1,5 g, usadas em preparações culinárias, não foram observados efeitos colaterais. Mas acima de cinco gramas, houve reações como vômitos, vertigens, rubor facial e bradicardia. O tempero pode ser usado em ensopados, molhos, peixes, pratos à base de feijão, massas, frango, batatas e pães. É contraindicado para gestantes e lactantes.

  • iStock

    Endro

    Os compostos isolados das sementes de endro são a quercetina, cumarina, flavonoides, ácidos fenólicos, esteroides, taninos e terpenoides. A semente é levemente diurética e estimulante estomacal. Contém um óleo essencial que colabora no alívio de espasmos intestinais, e também ajuda a combater problemas urinários e hemorroidas e transtornos mentais. O endro tem um sabor parecido com o da menta e combina com pães, tortas, saladas, bacalhau e frutos do mar.

  • iStock

    Páprica

    A especiaria tem como componentes a capsaicina, di-idrocapsaicina e nordi-idrocapsaicina, entre outros. É indicada para quem tem reumatismo, utilizada como antisséptico na cicatrização de feridas, no tratamento da obesidade, hipertensão arterial e dislipidemia. Ela também tem propriedades antioxidantes, imunomoduladoras, antibacterianas e anticancerígenas. Pode ser usada no arroz, batata assada, frango, peixes, aves, ovos, tortas e molhos. É contraindicada para gestantes e pessoas hipersensíveis ao pimentão.