PUBLICIDADE

Topo

Victor Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Se permita comer para ter uma boa relação com a comida

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Victor Machado

Victor Machado é nutricionista, pós-Graduado em nutrição esportiva e em nutrição Comportamental. Atua com foco em comportamento alimentar e é o idealizador da marca Nutrição Sincera, que tem como objetivo passar informações sobre saúde, alimentação e bem-estar por meio do humor.

Colunista do UOL

23/08/2021 04h00

As dietas restritivas vieram como solução para resolver problemas relacionados ao sobrepeso e a obesidade, assim como outras doenças crônicas, como é o caso da diabetes e hipertensão. O conceito de dieta restritiva envolve proibir a presença de alimentos considerados como "engordativos" ou que simplesmente não fazem bem para saúde.

Ao mesmo tempo, a busca por um padrão de beleza é reforçado pela influência cultural acerca de que todos precisam ter corpos magros para se adequarem socialmente. Portanto, nesse contexto, a gordura nunca é bem-vinda, e a indústria das dietas reforça a ideia de que para atingir o corpo desejado é necessário eliminar o máximo de calorias possível por meio da restrição.

Essa ideia de restringir a comida traz consigo o pensamento de não se permitir comer, transformando a comida em algo proibido, fazendo com que você sinta uma enorme culpa e frustração por comer algo que "não deveria". Normalmente a culpa vem por consumir aqueles alimentos mais calóricos e de alta palatabilidade (alimentos muito saborosos com a combinação de gordura, sódio e açúcar), já que são os mesmos comumente envolvidos com doenças crônicas e que acabam sendo vilões quando se fala em emagrecimento.

Com isso, reforça-se a ideia de que todo o alimento gostoso é proibido e que para ter saúde e emagrecer é necessário ter uma alimentação "sem graça". É justamente esse pensamento que faz com que muitas pessoas em busca do emagrecimento vivam em um constante looping em tentativas de restrição e exageros alimentares, sempre se privando de comer como se esse fosse o segredo para ter saúde e emagrecer.

Os exageros alimentares, assim como a compulsão alimentar, são explicados muitas vezes por essas restrições alimentares em que a pessoa que tenta emagrecer a todo custo, quando come os ditos "alimentos proibidos", não possui o controle diante das quantidades e acaba consumindo quantidades que se tornam prejudiciais à saúde.

O segredo para lidar com isso é SE PERMITIR comer. Apesar de parecer algo simples, é bastante complexo quando não entendemos a palavra na sua essência.

Se você observar no dicionário, vai perceber que "permissão" se trata de autorizar e dar consentimento. Sendo assim, na comida se trata da liberdade de comer o que quiser, no momento em que desejar comer. Isso entra em conflito com o conceito proibitivo das dietas restritivas.

Há quem diga:

"Se eu me permitir comer, vou comer o pote de sorvete inteiro."

"Se eu me permitir, vou comer até o reboco da parede."

"Se eu me permitir, não paro de comer nunca mais..."

Entenda que permitir é diferente de permissividade, palavra que, quando observada no dicionário, se relaciona àquele que é tolerante e indulgente.

Permissão x Permissividade

Quando se diferencia essas duas palavras na alimentação, a permissão se trata de comer de tudo e a permissividade diz respeito a comer tudo. O segredo para uma boa relação com a comida, portanto, está em comer de tudo mas não tudo. Dizer que "não pode comer" vai totalmente contra o conceito de permitir que o alimento exista na sua vida. Já dizia o ditado popular: poder, você pode tudo, mas talvez nem tudo lhe convenha.

Na tentativa de sempre restringir a comida, é comum o descontrole pois no momento em que o alimento "proibido" é consumido de forma impulsiva, surge uma sensação de fracasso tendo como consequência o consumo exagerado daquele alimento. Por isso, é importante aprender a dizer "sim" para a comida, mesmo após ouvir da sociedade que o correto é dizer "não".

Comer de forma exagerada e impulsiva não se trata de uma permissão incondicional, mas de um sentimento de frustração que levou ao exagero.

Entenda que, quando você aprende a dizer sim, e aprende a apreciar o alimento, naturalmente a sensação de que o alimento proibido é mais gostoso vai embora e você aprende a moderar o consumo. Dessa forma, o equilíbrio é estabelecido e a comida passa a não ter mais controle sobre suas ações e vontades.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL