PUBLICIDADE

Topo

Victor Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Dá para fortalecer o sistema imune só melhorando a sua alimentação

iStock
Imagem: iStock
Victor Machado

Victor Machado é nutricionista, pós-Graduado em nutrição esportiva e em nutrição Comportamental. Atua com foco em comportamento alimentar e é o idealizador da marca Nutrição Sincera, que tem como objetivo passar informações sobre saúde, alimentação e bem-estar por meio do humor.

Colunista do UOL

15/03/2021 04h00

Nas últimas semanas, com o recrudescimento da pandemia, novamente se torna premente a busca por formas de reforçar o sistema imune. Além das medidas básicas de prevenção —uso da máscara, higiene das mãos e distanciamento social—, a atenção também é voltada para alterações alimentares e a utilização de suplementos. Mas será que existem recursos específicos para a melhora do sistema imune?

No que se refere à covid, ainda não há comprovação científica de que nenhum alimento específico ajude no combate ao vírus, mas podemos defender a ideia de ter uma alimentação equilibrada como forma de melhorar a saúde intestinal e, assim, por consequência fortalecer o sistema imune de forma geral.

Inicialmente, é importante aumentar o consumo de frutas e vegetais, pois assim é possível fornecer vitaminas e minerais essenciais para o sistema imunológico. Alguns nutrientes envolvidos na produção das células de proteção estão presentes nesses alimentos. É o caso da vitamina C, que está presente em altas quantidades em frutas cítricas como laranja, acerola, limão e morango.

Outra vitamina importante é a vitamina E, que está presente em alimentos ricos em gorduras boas como azeite, abacate, castanhas em geral e ovos.

Em relação ao grupo dos minerais, o destaque fica para o selênio e o zinco. O primeiro está presente na castanha-do-Brasil, que por curiosidade nos estudos científicos em outros países é chamada de "suplemento de selênio". Ela não precisa ser consumida em grandes quantidades, duas por dia já são suficientes. Já no caso do zinco, o encontramos nas carnes em geral, nos laticínios e em grãos como feijão, lentilha e grão-de-bico.

Repare que, até o momento, tudo pode ser resolvido com alimentação e nem sempre existe a necessidade do uso de suplementação para obter esses nutrientes. É comum encontrar em farmácias suplementos com nomes que chamam nossa atenção para algo que vai melhorar o sistema imune, mas isso é muito relativo e depende muito do organismo de quem vai tomar.

Por isso, não podemos descartar o fato de que algumas pessoas não conseguem absorver alguns micronutrientes específicos, justificando o uso da suplementação. Mas para saber a capacidade de absorção do intestino só através de exames específicos.

De forma geral, é mais fácil melhorar a alimentação comendo comida de verdade do que simplesmente ingerindo uma cápsula.

Não é necessário se desesperar para fazer mudanças, nem supervalorizar nenhum alimento. Apenas se concentre em fazer o básico: comer comida de verdade, ingerir vegetais e frutas, reduzir o consumo de alimentos ultra processados e não esquecer de se hidratar.

Com mais tempo dentro de casa temos também a oportunidade de testar novas combinações e sabores, deixando a alimentação cada vez mais variada.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL