PUBLICIDADE

Topo

Blog da Sophie Deram

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Psicobióticos podem ser aliados da sua saúde mental, mostra estudo

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Sophie Deram

Sophie Deram é uma nutricionista franco-brasileira, autora do best-seller ?O Peso das Dietas?, palestrante, pesquisadora e doutora pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) no departamento de endocrinologia. Defende a importância do prazer de comer para a saúde e a ideia de comer melhor e não menos. Sophie não acredita nas dietas restritivas e no ?terrorismo nutricional?. Desenvolve programas online para transformar a relação das pessoas com comida e ensina profissionais de saúde sobre nutrição que alia ciência e consciência.Leia mais no site da Sophie Deram: https://www.sophiederam.com/br/

Colunista do UOL

10/03/2022 14h03

Uma revisão publicada na revista Food Research International mostra que micro-organismos vivos com atuação no cérebro e no desempenho cognitivo, chamados psicobióticos, podem sintetizar e regular a expressão de neurotransmissores. O estudo também descreve os potenciais efeitos terapêuticos dos alimentos fermentados na saúde mental.

O que são psicobióticos?

Não é novidade que a microbiota intestinal desempenha diversas funções no organismo humano. Para que ela esteja em equilíbrio e promova saúde em geral, recomenda-se, entre outras coisas, o consumo de alimentos ricos em probióticos.

Além disso, cada vez mais têm surgido evidências apoiando o papel da microbiota na fisiologia do cérebro e na resposta ao estresse.

Assim, surge o conceito de psicobióticos. Enquanto os probióticos são vistos como micro-organismos vivos que trazem benefícios à saúde e podem ser encontrados em iogurtes e outros alimentos fermentados, os psicobióticos referem-se a uma classe desses micro-organismos, cujos efeitos atingem também a saúde mental por meio de um diálogo dinâmico entre microbiota, intestino e cérebro.

Recentemente, estudiosos estenderam o conceito de psicobióticos também aos prebióticos, ou seja, as fibras, que servem de alimento para os probióticos, contribuindo para o seu crescimento.

Diante disso, a revisão desenvolvida pela pesquisadora Melania Casertano, sob orientação de Vincenzo Fogliano e Danilo Ercolini, teve como objetivo fornecer:

  • Uma visão geral da relação cérebro-microbiota-intestino;
  • Evidências pré-clínicas e clínicas do uso de psicobióticos e de seus potenciais efeitos na função cerebral e no desempenho cognitivo;
  • Uma discussão sobre os possíveis benefícios dos alimentos fermentados na saúde mental.

Entenda melhor a relação cérebro-microbiota-intestino

A microbiota intestinal é composta por trilhões de bactérias que residem no trato gastrointestinal do hospedeiro em uma relação simbiótica, ou seja, beneficiando tanto os micro-organismos quanto os seres humanos.

Ela é responsável por atividades fisiológicas fundamentais, como motilidade intestinal, regulação da imunidade, síntese de vitaminas, digestão e metabolismo energético. Na verdade, alguns autores sugerem até mesmo que a microbiota seja um órgão, diante de outras funções descobertas, incluindo sua atuação no cérebro.

Como nos mostra a revisão, essa relação entre intestino-cérebro vem sendo estudada há décadas. Em 1998, Michael Gershon, professor de patologia e biologia celular, cunhou o termo "segundo cérebro" para se referir ao intestino.

No entanto, hoje acredita-se que o termo "eixo microbiota-intestino-cérebro" seja mais apropriado, pois descobriu-se que os micro-organismos intestinais também atuam ativamente nesse contexto.

Essa comunicação se dá através de múltiplos sistemas que compreendem o Sistema Nervoso Central (SNC), a microbiota intestinal, o sistema nervoso entérico (composto por neurônios e outras células situadas no trato gastrointestinal) e os sistemas endócrino e imunológico.

Evidências do uso de psicobióticos e seus efeitos na saúde mental

A revisão esclarece que a maioria dos neurotransmissores comuns no cérebro humano, como ácido gama-aminobutírico (GABA), acetilcolina, serotonina e outros, podem ser sintetizados pelos micro-organismos presentes no intestino.

Por exemplo, 95% da serotonina do corpo é produzida por células do trato gastrointestinal em resposta à microbiota intestinal e está associada à regulação da secreção e motilidade do intestino, bem como ao ajuste da cognição e do humor nas vias cerebrais.

Em um estudo recente, lactobacilos produtores de GABA (neurotransmissor responsável por inibir o Sistema Nervoso Central, proporcionando sensação de calma, por exemplo) chamaram atenção devido às suas potenciais aplicações terapêuticas em camundongos, sugerindo que os psicobióticos podem influenciar a função cerebral por meio da regulação nas concentrações desse neurotransmissor.

A microbiota intestinal também pode sintetizar uma ampla gama de metabólitos, como os ácidos graxos de cadeia curta. Acetato, butirato e propionato estão entre os principais produtos da fermentação bacteriana de fibras alimentares.

Eles podem modular vários processos fisiológicos, regular a produção de muco no trato gastrointestinal, reduzir a interação entre as células epiteliais e microrganismos e agentes tóxicos e servir de energia para as células intestinais, influenciando o eixo intestino-cérebro.

Um dos estudos avaliados mostra, também em camundongos, a diminuição na ansiedade associada ao conteúdo de ácidos graxos de cadeia curta, especificamente do acetato.

Benefícios dos alimentos fermentados por psicobióticos na saúde mental

A fermentação é um processo anaeróbico (acontece sem a presença de oxigênio) no qual micro-organismos como leveduras e bactérias transformam nutrientes dos alimentos (por exemplo, açúcares como a glicose) em energia e outros produtos (ácidos orgânicos, gases, álcool). Isso dá aos alimentos fermentados sabor, aroma, textura e aparência característicos.

Alguns exemplos de alimentos e bebidas fermentados são:

  • leite fermentado;
  • iogurte;
  • queijos;
  • pães;
  • vinhos;
  • chucrute;
  • kimchi;
  • missô.

Recentemente tem sido dada muita atenção às propriedades desses alimentos por seus possíveis benefícios à saúde, como melhora da digestibilidade, redução na pressão alta, controle do colesterol, melhora da imunidade e manutenção da função intestinal.

De acordo com a revisão, esses alimentos podem apresentar efeitos distintos no cérebro a depender das matérias-primas utilizadas, o método de fermentação ou os micro-organismos envolvidos.

Por exemplo, um experimento mostrou que o leite fermentado, rico em Lactobacillus brevis, melhorou a ansiedade e a qualidade do sono de camundongos, provavelmente devido a aumentos significativos dos ácidos graxos de cadeia curta no intestino, que estão relacionados a mudanças na composição da microbiota.

Em outra pesquisa, o iogurte, rico em Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium lactis, consumidos por trabalhadores petroquímicos por 6 semanas, apresentaram efeito positivo na saúde mental geral.

Alga Saccharina japonica também chamada "kombu", apresenta Lactobacillus brevis e foi consumida por participantes saudáveis de um estudo durante 4 semanas ao final das quais foram observadas alterações positivas na capacidade de memória.

Os estudiosos também lembram que os prebióticos fornecem substratos para o metabolismo dos probióticos, o que também poderia contribuir com o desempenho cognitivo.

Precisamos de mais estudos sobre psicobióticos!

A revisão mostrou que os psicobióticos diferem dos probióticos convencionais pela sua capacidade de produzir ou estimular a produção de neurotransmissores, ácidos graxos de cadeia curta, hormônios e outros metabólitos.

Também reforça as evidências de que a microbiota intestinal está envolvida na transmissão de informações entre o intestino e o cérebro, envolvendo vias neurais, imunes e endócrinas.

No entanto, também chama a atenção para que mais estudos sejam realizados, pois muitos daqueles avaliados foram realizados em modelos animais e mesmo as pesquisas com seres humanos podem ser insuficientes pelas análises de curto prazo e outros vieses.

Além disso, os autores apontam a necessidade de elucidações quanto ao efeito terapêutico em diferentes grupos de pessoas, mecanismos de ação e questionam se as respostas neurológicas requerem uso contínuo ou são duráveis

Enquanto aguardamos as respostas, pode consumir alimentos fermentados que lhe agradam, com moderação, sem neuras e sempre buscando uma relação de paz com a comida e com o corpo!

Bon appétit!

Sophie Deram