PUBLICIDADE

Topo

Vida longa ao SUS! Todos dependem dele, até quem acha que não

Vacinas (até mesmo tomadas em consultório particular) e a segurança dos remédios e alimentos que você consome dependem do SUS - Getty Images
Vacinas (até mesmo tomadas em consultório particular) e a segurança dos remédios e alimentos que você consome dependem do SUS Imagem: Getty Images
Roberto Trindade

Professor universitário e médico da família e comunidade na Zona Leste de São Paulo, Roberto Trindade é formado pela Escuela Latinoamericana de Medicina, em Cuba. Possui especialização em pediatria clínica pelo CAEPP (Centro de Apoio Ensino e Pesquisa em Pediatria‎) e em medicina da família e comunidade pela SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade)

Colunista do VivaBem

25/09/2020 04h00

Nosso Sistema Único de Saúde (SUS), fruto da luta de sanitaristas e movimentos populares por condições de saúde dignas para todos os brasileiros, completou 30 anos. Para muita gente não há motivos para comemorar. Para estas pessoas, nosso sistema é sinônimo de descaso, precariedade e esperas intermináveis. Não quero dizer que tais constatações não sejam verídicas, mas definitivamente não fazem jus ao tamanho do SUS e nem a tudo que este "jovem" sistema já fez e faz diuturnamente por todos os brasileiros.

Apesar de fazer parte de nossas vidas há 30 anos, uma parcela importante dos brasileiros não tem ideia da real abrangência do SUS. É comum ouvir, principalmente nos usuários da saúde suplementar (planos de saúde), a afirmação de que "nunca utilizaram o SUS para nada, nem para tomar vacina". Ledo engano...

E já que falamos em vacina, vamos começar a explicar como você usa o SUS todos os dias por ela. Para que você possa tomar sua vacina em um consultório particular, esta vacina tem que ser registrada e ter seu uso autorizado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), certo? A Anvisa é uma autarquia de regime especial, vinculada ao Ministério da Saúde. Sendo assim, a Anvisa é SUS! Curioso, não?

Falando do nosso momento atual, não podemos esquecer que a Fiocruz coordena testes para a vacina contra a covid-19, que será produzida em seus laboratórios caso conclua com sucesso as fases de ensaio clínico e demonstre sua eficácia. Fiocruz também é SUS!

Agora vamos dizer que você nunca tomou uma vacina na vida —o que seria totalmente reprovável, mas podemos falar sobre isso em outro momento —e por isso mantém a afirmação de nunca ter usado o SUS. Tudo bem! Vamos lá...

Se você consome alimentos, seja em restaurantes, seja preparados por você mesmo, e tem certeza da segurança deles para consumo, agradeça ao SUS! Se vai até uma farmácia e confia que aquele medicamento que você precisa não é só uma pílula de farinha, agradeça ao SUS! Se você não é fumante e pode ir a um restaurante, shopping ou viajar (os mais jovens talvez nem saibam, mas era permitido fumar em aviões!) sem a preocupação de uma nuvem de fumaça pairando sobre a sua cabeça, agradeça ao SUS!

Não sei se perceberam, mas até agora eu não falei em atendimento médico, hospitais ou outros serviços relacionados apenas ao cuidado à saúde. Mas nunca deixei de falar em saúde. E o SUS é isso: um sistema imenso, capilarizado, que está presente desde a prevenção até atendimentos da mais alta complexidade, como transplantes. O SUS é gigante, assim como o Brasil.

Não é novidade nenhuma que este gigante toma pancadas desde a sua criação, principalmente no que se refere aos investimentos. Nossa população continua crescendo e envelhecendo, enquanto os investimentos seguem na direção oposta: congelados e minguando a cada ano. Muitas das experiências exitosas no âmbito da saúde coletiva se devem ao trabalho de profissionais aguerridos, que "vestem a camisa" e que levam, com criatividade, as ações a outro patamar. Lutamos para tornar o SUS que temos —em processo de sucateamento ostensivo — no SUS que queremos: de qualidade e excelência para TODOS os brasileiros, sem exceção.

Nossa Constituição diz, no artigo 196: "A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação". Lutar por um SUS de qualidade não é uma obrigação somente de quem depende dele para seus cuidados em saúde, mas de todos que desejam que seus diretos constitucionais sejam respeitados e garantidos. Não seja indiferente ao SUS, porque ele é seu, meu, de todos nós!

Vida longa ao nosso sistema público, gratuito e universal, com todas suas contradições e desafios! Que possamos entender sua real importância, cobrando a quem se deve o lugar que a saúde de todos os brasileiros merece!

AbraSUS

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.