Topo

Coluna

Paulo Chaccur


Paulo Chaccur

Você sabe por que a panturrilha é considerada nosso segundo coração?

iStock
Imagem: iStock
Paulo Chaccur

Diretor da Cirurgia Cardiovascular no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, é formado pela Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo e possui mais de 40 anos de experiência.Na década de 90, Chaccur passou a liderar a própria equipe de cardiologia e cirurgias cardíacas no HCor (Hospital do Coração).

Colunista do UOL

13/10/2019 04h00

Nem todo mundo sabe, mas as panturrilhas têm papel fundamental no nosso organismo. Apesar de geralmente só serem lembradas quando sentimos cãibras, as populares "batatas da perna" não servem apenas para andar ou ajudar a manter o equilíbrio e a postura, como também têm função importante na circulação sanguínea. São elas que auxiliam o retorno do sangue que já circulou pelo corpo, chamado de sangue venoso, para o coração.

O sangue é bombeado com uma força intensa pelo coração para o corpo todo. No entanto, o caminho de volta não é tão simples e fácil, especialmente na irrigação dos pés e das pernas, em que é preciso agir contra a gravidade.

Com a necessidade de percorrer o caminho de baixo para cima e subir uma distância de cerca de 1,20 metros, o sangue venoso precisa de impulso para conseguir voltar ao coração e completar o ciclo circulatório e aí é que entram as panturrilhas.

Uma bomba auxiliar

Quando há a contração da musculatura das panturrilhas, as veias da perna são comprimidas e assim ocorre um aumento de pressão dentro da cavidade, impulsionando o sangue. Por isso, as veias e valvas localizadas nas panturrilhas são algumas das mais importantes que temos para empurrar esse sangue venoso de volta para cima, até chegar ao coração. E são cerca de 100 ml de sangue por minuto!

Esse movimento ocorre de forma constante, mas ganha mais intensidade quando fazemos alguma atividade física. Os músculos que formam a "batata da perna" são envoltos por estruturas firmes (chamadas de aponeuroses) que, no movimento de contração durante o caminhar, por exemplo, aumentam a pressão e ainda auxiliam na limpeza do sangue.

É como se o nosso coração, ou seja, a nossa "bomba principal" tivesse múltiplas bombas centrais e periféricas funcionando como auxiliares, contribuindo no trabalho da circulação do sangue no corpo. Ao todo estima-se que são seis distribuídas pelo nosso corpo, sendo a panturrilha a mais importante delas.

Mas e se a panturrilha não tem força suficiente?

O principal problema nesses casos é a Insuficiência Venosa Crônica, caracterizada pelo surgimento das varizes. Isso ocorre porque as valvas nas veias não conseguem transportar adequadamente o sangue venoso para o coração. O resultado é um acúmulo do sangue não oxigenado nas pernas.

Além das varizes, alguns sinais indiretos podem dar indícios de que o sangue não está voltando como deveria, entre eles: dores e coceira frequente nas pernas, sensação de queimação e cansaço nos pés e inchaço nos membros inferiores, principalmente no fim do dia.

Há ainda o risco do surgimento de outras doenças, entre elas a trombose venosa, flebites (inflamação dos vasos), gangrena, acidentes vasculares cerebrais (derrames) e doenças arteriais, como infarto do miocárdio. Como evitar que tudo isso ocorra? De modo geral fugindo do sedentarismo e da obesidade.

Fortalecer a panturrilha é mais do que uma preocupação estética, é questão de saúde!

Para exercer corretamente sua função, a bomba muscular da panturrilha deve ser ativada diariamente e a melhor forma de fazer isso é com a prática de atividades físicas. São os exercícios que vão liberar a passagem do sangue sem necessidade de aumentar a pressão ou fazer as valvas do bombeamento perderem a capacidade. Portanto, fortalecer as panturrilhas - combinado a uma alimentação balanceada -, contribuí com a saúde cardiovascular.

Atividades que façam a contração e o relaxamento dos músculos das pernas, por exemplo, correr, pedalar, fazer práticas como jump, pilates e musculação ou até mesmo caminhar, melhoram a circulação, evitando as complicações vasculares e varizes.

Além disso, é preciso evitar ficar muito tempo em pé (para não dificultar a subida do sangue) bem como não passar muito tempo sentado, sem movimento. Essa última posição faz as veias dilatarem e exercerem mais pressão para bombear o sangue.

A recomendação para quem precisa ficar horas em pé ou sentado constantemente, mesmo aquelas pessoas que praticam exercícios regulares, é de dedicar alguns minutos do dia para um exercício simples, mas que ajuda a panturrilha trabalhar melhor. Basta movimentar o pé como fazemos ao pisar no acelerador de um carro. Esse movimento ativa as "batatas da perna" imediatamente. Outra dica é sempre que possível intercalar o sentar e o andar. Manter as pernas levantadas ao fim do dia pelo tempo mínimo de 15 minutos também pode ajudar o corpo a drenar o sangue.

A perda de massa muscular

Com o envelhecimento do corpo há também uma perda de massa muscular, ou seja, as panturrilhas vão enfraquecendo e, por consequência, o sangue começa a circular com mais dificuldade. Por isso, a prática de atividades físicas é importante em qualquer idade. Sem exercício, o declínio da massa muscular vai acontecer de forma mais rápida. Portanto, com orientação profissional e respeitando os limites do seu corpo, mantenha a prática regular de atividades. Como vimos, o alongamento e o condicionamento dos músculos da panturrilha auxiliam no tratamento e evitam problemas circulatórios futuros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Paulo Chaccur