PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Pessoas com excesso de gordura podem colher benefícios perdendo 5% do peso

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista de VivaBem

11/05/2022 04h00

Quando pensam em emagrecer, muitas pessoas definem um peso alvo —voltar a ter 65 kg, por exemplo— e só vão se dar por satisfeitas quando alcançarem esse objetivo, o que nem sempre acontece, já que para bater a meta traçada às vezes é preciso eliminar 30 kg, 40 kg, 50 kg —o que leva tempo e nem sempre é fácil.

Mas saiba que, pensando em ter uma vida mais saudável, uma pequena redução da gordura corporal já é motivo para comemorar. Estudos mostraram que os benefícios para a saúde já são evidentes com uma redução de peso de 5% a 10%, como melhora da saúde mental, redução do risco de doenças cardiovasculares e de certos tipos de câncer, melhora da qualidade do sono e aumento da autoestima e do desejo sexual, além de aumento dos níveis de energia.

A seguir, mostro alguns benefícios que você tem ao reduzir esses 5% a 10% do seu peso.

Melhora da glicemia

O tecido adiposo (gordura corporal) causa um processo inflamatório que, em excesso, interfere na função da insulina —que leva o açúcar da corrente sanguínea para dentro das células. Pesquisas mostram a redução de 5% no peso corporal melhora a glicemia —nível de açúcar no sangue, que quando fica constantemente elevado aumenta o risco de doenças.

Emagrecer melhora a sensibilidade à insulina em pessoas com diabetes tipo 2. Além disso, pesquisas mostram que uma redução de 5% a 10% do peso pode reduzir pela metade o marcador utilizado para rastrear e monitorar diabetes (Hemoglobina glicada ou A1C).

Resistência à insulina

Outra condição observada com o ganho de peso. Nesse distúrbio, o pâncreas produz quantidades maiores do que o normal de insulina. Nessa condição, altos níveis do hormônio são necessários porque os tecidos são resistentes aos seus efeitos. Quando alguém tem resistência à insulina, os altos níveis de insulina no sangue causam um aumento no tecido adiposo, especialmente na área da cintura, nível de colesterol anormal e, às vezes, uma mudança em certos níveis hormonais em mulheres. A perda de peso modesta já é capaz de diminuir significativamente os níveis de insulina e, assim, ajudar a reverter essas condições.

Melhora da saúde cardiovascular

O excesso de peso corporal é associado a de 25% a 30% dos casos de hipertensão —que elava o risco de problemas como infarto e AVC. Ao perder de 5% a 10% do peso, a pressão arterial (tanto sistólica quanto diastólica) diminui em média 5 mmHg —vale lembrar que para isso deve haver uma mudança de estilo de vida em conjunto com uma alimentação reduzida em sal, rica em verduras e legues, frutas e laticínios com baixo teor de gordura. Assim, há uma melhora da saúde cardiovascular, reduzindo a pressão nas artérias e, dessa forma, o coração não precisa trabalhar tanto para bombear sangue pelo corpo.

Melhora da apneia do sono

Pessoas com excesso de peso são mais propensas a sofrer com esse problema —um distúrbio caracterizado pela respiração interrompida durante o sono, que resulta em oxigenação insuficiente. Isso causa fadiga e sonolência durante o dia. Também é responsável por tornar certas doenças menos responsivas ao tratamento, como a hipertensão. O excesso de peso pode aumentar os depósitos de gordura no pescoço, o que pode obstruir as vias aéreas.

Foi demonstrado que uma perda de peso de 5% a 10% pode melhorar a apneia do sono e, algumas vezes, se a apneia não for muito grave, pode-se desmamar da máquina de respiração CPAP. Entretanto, é necessário um maior acompanhamento. Pesquisas mostram que perder 10% a 15% do seu peso corporal pode melhorar a qualidade do sono e reduzir a gravidade da apneia do sono em níveis moderados.

Estima, energia e desejo sexual

Uma revisão de 2014 examinou 36 estudos para determinar os benefícios psicológicos da perda de peso. Os pesquisadores encontraram melhorias consistentes na imagem corporal, autoestima e bem-estar geral entre os indivíduos que emagrecem. Além disso, como a perda de peso pode melhorar o sono, você também pode se sentir mais energizado durante o dia.

O excesso de peso também obriga seu corpo a trabalhar mais para se mover. Portanto, perder alguns quilos significa que você usa menos energia para se movimentar, melhorando a função respiratória, o que também pode fazer você se sentir mais energizado.

Esses fatores auxiliam muito a melhora do desejo sexual e, embora a pesquisa sobre a correlação entre excesso de peso e desejo sexual ainda sejam novas, estudos mostram que o ganho de peso aumenta os níveis de globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG) no sangue, diminuindo os níveis de testosterona livre, como consequência, a libido.

Redução inflamatória

Em estudos que analisaram o efeito do excesso de peso nas células do corpo humano, verificou-se que as células de gordura e principalmente as células de gordura abdominal produzem um grande número de substâncias que resultam em inflamação nos vasos sanguíneos. Essa inflamação pode resultar em placas e coágulos e se causar derrames (AVC) e ataques cardíacos. Quando a perda de peso atinge um nível de 10%, os níveis de substâncias inflamatórias que circulam no sangue diminuem significativamente e, portanto, o risco de danos vasculares também é reduzido.

Redução do risco de câncer

De acordo com a American Cancer Society, acredita-se que o excesso de peso corporal seja a causa de cerca de 11% dos cânceres em mulheres e cerca de 5% dos cânceres em homens. A obesidade aumenta o risco de desenvolver vários tipos de tumores, incluindo: câncer do endométrio, câncer de mama (em mulheres após a menopausa), câncer no sistema renal, câncer hepático, câncer de pâncreas.

A ligação exata entre o excesso de peso e o câncer ainda é desconhecida, mas os pesquisadores acreditam que a inflamação devido à gordura visceral —que envolve os órgãos vitais— seja a culpada. Dessa forma, perder peso pode diminuir o risco de desenvolver esses tipos de câncer.

Algumas pessoas podem precisar perder muito mais peso para conquistar os benefícios citados —por isso é necessário uma avaliação individualizada. Mas, na maioria das vezes, perder apenas 5% a 10% do seu peso corporal pode levar a muitos benefícios à saúde, como melhora da saúde do coração e diminuição do risco de diabetes. Mas como alcanço esses objetivos?

O emagrecimento começa com mudanças no estilo de vida, com dieta e exercícios (não tem segredo). Sempre procure um profissional para lhe auxiliar no treino e na alimentação adequada, além de avaliar como está sua saúde.

Referências: