PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Hipoglicemia: como reverter o baixo nível de açúcar no sangue

O nível de açúcar abaixo do normal pode causar tontura, fadiga, tremores, dormência nos lábios - iStock
O nível de açúcar abaixo do normal pode causar tontura, fadiga, tremores, dormência nos lábios Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do VivaBem

29/11/2021 04h00

Seu corpo, especialmente seu cérebro, depende de um nível consistente de açúcar no sangue —vale reforçar que a glicose é a principal fonte de energia do nosso organismo. Quando a quantidade de açúcar no sangue está fora da faixa normal (tanto para mais, quanto para menos), você pode sofrer de alguns problemas.

De acordo com a Mayo Clinic, a hipoglicemia é uma condição em que o nível de açúcar no sangue está abaixo do normal. A hipoglicemia costuma estar relacionada ao tratamento do diabetes, mas outros medicamentos e uma variedade de condições —muitas raras — podem causar baixa de açúcar no sangue em pessoas que não têm diabetes.

A hipoglicemia precisa de tratamento imediato quando os níveis de açúcar no sangue estão muito baixos. Para muitas pessoas, um valor de glicemia de jejum de 70 miligramas por decilitro (mg/dL), ou 3,9 milimoles por litro (mmol/L), ou menos, deve ser visto como um alerta para hipoglicemia —por isso, consulte sempre um médico.

Entretanto, quando isso acontece, o objetivo é fazer com que a glicemia volte à faixa normal o mais rápido possível.

Sintomas

Se os níveis de açúcar no sangue ficarem muito baixos, os sinais e sintomas podem incluir batimento cardíaco irregular ou rápido, fadiga, pele pálida, tremores, ansiedade, suor, fome, irritabilidade, formigamento ou dormência nos lábios, língua ou bochechas.

Conforme a hipoglicemia piora, os sinais e sintomas podem incluir confusão, comportamento anormal ou ambos, como a incapacidade de completar tarefas rotineiras, perturbações visuais, como visão turva, convulsões e, até, perda de consciência.

Se você tem diabetes, pular refeições ou tomar muitos medicamentos pode causar hipoglicemia. Em pessoas que não têm diabetes, a alimentação inadequada, ingestão de muito álcool, ingestão de carboidratos altamente refinados, exercícios intensos, certas doenças e medicamentos podem também desencadear a hipoglicemia.

Ainda de acordo com a Mayo Clinic, a hipoglicemia reativa também é uma causa potencial de quedas de açúcar, que pode acontecer quatro horas após uma refeição. Os sintomas de hipoglicemia reativa incluem tremores, sudorese, fadiga ou ansiedade.

Hipoglicemia e ganho de peso

A fome é um dos sintomas clássicos da hipoglicemia; é a maneira do corpo sinalizar que precisa de mais energia. Embora a American Diabetes Association (ADA) recomende que os pacientes tratem a hipoglicemia com a "regra 15-15" (comer 15 gramas de carboidratos e depois esperar 15 minutos), os sintomas de fome podem fazer com que uma pessoa coma muito mais do que isso - aumentando a possibilidade de ganho de peso.

E a glicose não utilizada é armazenada em seu corpo como gordura. Por isso, consumir mais calorias do que você precisa, resulta em ganho de peso. Evitar o baixo nível de açúcar no sangue - e os desejos alimentares subsequentes que isso causa - pode ajudar a prevenir esse ganho de peso não intencional.

O que fazer quando tenho uma hipoglicemia?

Quando acontece um episódio de hipoglicemia, existem estratégias para voltar a glicemia ao normal. Você precisa de uma forma de carboidrato de rápida absorção, também conhecido como carboidrato simples. Consumir de 15 a 30 gramas de carboidratos de digestão rápida costuma ser o suficiente para reverter rapidamente uma queda do açúcar. Exemplos: meia banana; 1/2 xícara de suco de maçã, laranja ou abacaxi etc.

Para pessoas com diabetes, verifique a glicemia quando começar a sentir os sintomas. Se estiver abaixo de 70 mg/dL, ingira de 15 a 30 gramas de carboidratos de absorção rápida. Espere 15 minutos e verifique novamente o seu nível de glicose no sangue. Se sua leitura estiver abaixo de 100 mg/dL, coma mais 15 gramas de carboidratos de absorção rápida. Depois de esperar mais 15 minutos, verifique novamente para ver se está dentro da faixa-alvo que seu médico descreveu para você. Repita essas etapas, se necessário.

Uma boa dica para evitar esses episódios é realizar pequenas e frequentes refeições ao longo do dia, em vez de poucas grandes refeições, com uma mistura de alimentos saudáveis e ricos em nutrientes. Vale reforçar que, se você tem diabetes, converse sempre com seu médico sobre a melhor estratégia.

Em geral, é aconselhável evitar carboidratos simples e refinados, como os encontrados em alimentos açucarados, sucos, refrigerantes, pães brancos e arroz branco. Esses alimentos e bebidas causam altos níveis de açúcar no sangue e, muitas vezes, também são ricos em calorias. Opte por esses alimentos apenas se precisar de uma energia imediata e em pequenas quantidades, de acordo com a ADA.

Mantenha o açúcar no sangue estável ingerindo muitas frutas e vegetais frescos, algumas proteínas com baixo teor de gordura e quantidades moderadas de gorduras saudáveis

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL