PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Feridas que surgem durante a amamentação podem ser tratadas com laser

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

01/06/2021 04h00

Antes de iniciar o tema abordando tratamento é importante entender que existem diferentes características e tipos de laser na área de saúde.

Hoje falarei sobre o laser terapêutico, que possui comprimento de onda distinto usado por profissionais como fisioterapeutas, enfermeiros e dentistas. Ao contrário do laser médico-cirúrgico, ele não é invasivo. O tratamento com uso de laser de baixa intensidade e potência é considerado seguro e eficaz no tratamento de diversas lesões, inclusive no período pós-parto, quando aplicado por um profissional de saúde.

Quando se fala em aleitamento, parto e temas relacionados à maternidade e gestação, vale lembrar que o papel da ciência e dos profissionais da saúde é sempre o de proporcionar informações e orientações sobre o custo-benefício de escolhas, mas que a decisão final sempre caberá à mãe e à família.

No início do aleitamento materno, estudos mostram que cerca de 96% das mulheres experimentam algum grau de dor na primeira semana que varia de uma discreta dor a um moderado desconforto no início das mamadas.

Mas você sabia que mesmo após 8 semanas, mais da metade continua com dores?

Estudos apontam que 58% das mulheres amamentando relatam lesões nos mamilos, fissuras, sangramentos, mamilos rachados, etc.

Por conta dessas dificuldades, uma parcela acaba optando pelo desmame e se frustra. Ainda um mito comumente difundido e absolutamente fake quando se tem lesão na aréola e mamilo, é acreditar que limitar a duração das mamadas do bebê irá prevenir ou tratar de forma eficaz a lesão mamilar.

O problema da lesão mamilar e a dificuldade de cicatrização

A cicatrização se torna difícil por conta da própria amamentação contínua e sucção do bebê. Quando há lesão na área, há a propensão às infecções, obstrução de ductos e até surgimento da mastite.

Por isso, é importante intervir de forma precoce para aliviar a dor e promover a cicatrização dessas lesões de forma mais rápida e eficiente possível e, assim, evitar complicações maiores.

Um tratamento que tem se destacado na área médica para a melhora de mamilos dolorosos é a terapia com laser de baixa intensidade ou potência.

Segundo Renata Luri, doutora em laserterapia pela Unifesp, "o laser é eficaz no alívio de dores, modulando a inflamação, acelerando o metabolismo celular e consequentemente a cicatrização de feridas. Além de ser um tratamento indolor, rápido, não invasivo e seguro. O ideal no uso do laser é que a paciente procure o tratamento o quanto antes para uma melhor interação e especificidade do comprimento de onda laser utilizado com o tecido lesionado."

Os benefícios do laser já eram amplamente conhecidos e utilizados na fisioterapia esportiva, ortopédica e reumatológica. O que se sabe é que o laser atua a nível mitocondrial, sendo absorvido pelos cromóforos e estimulando uma cascata de reações que irão levar aos conhecidos benefícios.

Os próprios médicos obstetras, pediatras e ginecologistas têm feito o encaminhamento para tratamento com a fisioterapia às puérperas. Nessa área, trabalha-se na cicatrização de mamas durante a amamentação ou da episiotomia, na melhora de edema do períneo e alívio de dores de regiões envolvidas no pós-parto.

O laser é um tratamento bastante eficaz e que apresenta resultados imediatos como a melhora da dor referida pela paciente, além disso, em poucas sessões há a melhora de sintomas sendo que o laser pode ser usado até a remissão de lesões.

Por mais que você acredite que qualquer pessoa que não seja da área está apta a aplicar o laser, é importante ressaltar que há parâmetros diferentes a serem considerados bem como contraindicações. O protocolo, tempo de tratamento e a frequência dependerá de cada caso.

O ponto mais importante a ser destacado sobre esse tratamento na lesão de "bico de peito" na amamentação é que tanto a gestante quanto a puérpera tenham conhecimento prévio de que essa é uma dificuldade comum e que há tratamento, além de diversas medidas e orientações que podem ser usadas para auxiliar.

Conte sempre com sua equipe médica e de profissionais especialistas na área de obstetrícia.

*Colaboração de Angela May, fisioterapeuta especializada em obstetrícia e em antroposofia pela Unifesp e Juliana Satake, fisioterapeuta especializada em obstetrícia pela Unicamp e sócia da Clínica La Posture

Referências:

- Berens PD (2015) Breast pain: engorgement, nipple pain, and mastitis. Clin Obstet Gynecol 58:902-914

- Buck ML, Eckereder G, Amir LH. Low level laser therapy for breastfeeding problems. Breastfeed Rev. 2016 Jul;24(2):27-31. PMID: 29211392.

- Buck ML, Amir LH, Cullinane M, Donath SM, Study Team CASTLE (2014) Nipple pain, damage, and vasospasm in the first 8 weeks postpartum. Breastfeed Med 9:56-62

- Camargo, B.T.S., Coca, K.P., Amir, L.H. et al. The effect of a single irradiation of low-level laser on nipple pain in breastfeeding women: a randomized controlled trial.Lasers Med Sci 35, 63-69 (2020). https://doi.org/10.1007/s10103-019-02786-5

- Chaves ME, Araújo AR, Santos SF, Pinotti M, Oliveira LS (2012) LED phototherapy improves healing of nipple trauma: a pilot study. Photomed Laser Surg 30:172-178

- Coca KP, Marcacine KO, Gamba MA, Corrêa L, Aranha AC, Abrão AC (2016) Efficacy of low-level laser therapy in relieving nipple pain in breastfeeding women: a triple-blind, randomized, controlled trial. Pain Manag Nurs 17:281-289

- Dennis CL, Jackson K, Watson J (2014) Interventions for treating painful nipples among breastfeeding women. Cochrane Database Syst Rev (12):CD007366

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL