PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Diagnóstico de problema na coluna não significa dor para sempre; entenda

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

04/05/2021 04h00

"Tenho dor na coluna e fiz uma ressonância. No laudo apareceram vários achados. Estou com medo de ter dores para sempre."

Primeiro, muita calma! Lembre-se que um laudo ou um diagnóstico não representa uma sentença de dor ou de doença para o resto de sua vida. Mas, provavelmente, se você está com esse laudo em mãos significa que você está investigando alguma dor ou desconforto nas costas, correto?

Então vou rever primeiro sobre a dúvida das pessoas sobre sentir dores nas costas. Essa é uma condição comum que afeta 80% das pessoas e pode ter distintas causas. Sendo que em até 95% dos casos são de lombalgias inespecíficas —não atribuídas a uma causa conhecida.

Entendendo os termos do laudo:

  • Sinal de MODIC. Na ressonância aparece o grau de inflamação e de degeneração das vértebras adjacentes ao disco.
  • Desidratação discal ou discopatia degenerativa. Discos intervertebrais ressecados.
  • Hipertrofia facetária ou osteofitose. Presentes como uma reação do osso ao desgaste da cartilagem articular ou impacto, sobrecargas.
  • Protrusão discal. Deslocamento de porção da cartilagem do disco intervertebral.
  • Extrusão discal. Hérnia de disco --uma protusão discal com maior deslocamento do núcleo.
  • Nódulo de Schmorl. Esse nome assusta mais do que a própria hérnia. Mas trata-se de um tipo de hérnia em que não há compressão de nervo.
  • Hemangioma. Acúmulo de sangue no interior da vértebra.
  • Fissura discal. Ocorre na camada externa do disco, sendo comum nos níveis lombares baixos.

"Mas como eu desenvolvi esses quadros se sempre fui superativa?!"

Esses achados de imagem, como a hérnia de disco, podem ocorrer com qualquer indivíduo, em especial os sedentários com fraqueza muscular ou que se sujeitam a sobrecargas e têm desequilíbrios musculares. Além disso, com o avançar da idade as chances aumentam a ocorrência e outros fatores como tabagismo, variação genética e a influência ambiental parecem interferir.

Os fisioterapeutas especialistas ainda relembram que o diagnóstico da imagem não irá necessariamente justificar sua dor.

Vale a gente lembrar que a dor lombar é só a ponta do iceberg, isto é, é um sintoma! Cada caso evolui de forma diferente e depende do corpo e da rotina de cada indivíduo. Há pessoas que descobrem que têm uma hérnia e um bico de papagaio (osteófito), mas nunca apresentaram dores na região e se mantêm ativas, e o oposto também pode ocorrer.

A fisioterapeuta especialista em ortopedia, Ana Clara Desiderio, reforça a importância de se considerar o laudo como um adjuvante, mas há necessidade de avaliação clínica (testes funcionais e específicos) ao se avaliar cada quadro e se planejar algum tipo de abordagem para tratamento.

Hoje a ciência mostra que, tanto como tratamento como prevenção, a abordagem mais eficaz que qualquer investimento caro medicamentoso é a prática de exercícios físicos.

Há uma variedade de tipos de exercícios que podem ser feitos sob supervisão adequada em uma fase não inflamatória ou aguda: treinamento de força e estabilização, alongamentos, exercícios de controle motor, pilates, treino de core, entre outros. Procure por profissionais de saúde que orientem seu caso especificamente.

*Colaboração Juliana Satake, fisioterapeuta especializada pela Unicamp e Unifesp e Ana Clara Desiderio, fisioterapeuta especializada responsável pelos atendimentos de fisioterapia na Clínica La Posture.

Referências:

Adams MA, Dolan P. Spine biomechanics. J Biomech. 2005.

CHIU, Chun-Chieh et al. The probability of spontaneous regression of lumbar herniated disc: a systematic review. Clinical rehabilitation, v. 29, n. 2, p. 184-195, 2015.

FRANÇA, Fábio Jorge Renovato et al. Motor Control Training Compared to Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation in Patients with Disc Herniation with Associated Radiculopathy: A Randomized Controlled Trial. American journalofphysical medicine & rehabilitation, 2018.

KAPANDJI, A. I. Fisiologia Articular Tronco e Coluna Vertebral. 5 edição. Editora Médica Panamericana. Rio de Janeiro (RJ), 2000.

Oliveira CB, Maher CG, Pinto RZ, Traeger AC, Lin CC, Chenot JF, van Tulder M, Koes BW. Clinical practice guidelines for the management of non?specifc low back pain in primary care: an updated overview. European Spine Journal. 2018 Nov;27(11):2791-2803.

RAMOS, Luiz Armando Vidal et al. Comparison between transcutaneous electrical nerve stimulation and stabilization exercises in fatigue and transversusabdominis activation in patients with lumbar disk herniation: A randomized study. Journal of manipulative and physiological therapeutics, v. 41, n. 4, p. 323-331, 2018.

Rhee JM, Schaufele M, Abu W. Radiculopathy and the herniated lumbar disc. J Bone Joint Surg Am. 2006.

Valença JB, de Alencar MCB. O afastamento do trabalho por dor lombar e as repercussões na saúde: velhas questões e desafios que continuam/The absence from work due to low back pain and the repercussions on health: old persisting issues and challenges. Cad. Bras. Ter. Ocup.,São Carlos, 26 (1), 119-127, 2018.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL