PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Comer alimentos da época beneficia paladar, corpo e bolso; saiba mais

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

27/04/2021 04h00

Se você quer aliar sabor e qualidade em seu prato, sugiro que comece a fazer as suas compras priorizando o consumo dos alimentos de época: sempre mais frescos, com uma maior concentração de vitaminas e minerais, sabor mais agradável e característico. Certamente o seu paladar, corpo e bolso agradecerão.

Além de muitos benefícios nutricionais, os alimentos da época são mais fáceis de serem encontrados e quase sempre estão mais baratos do que os demais.

Anualmente a Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) publica o mapa da sazonalidade em seu site, com o objetivo de orientar as frutas, verduras, legumes, frutas e pescados que estão em seu melhor período de consumo. Vale a pena consultar para se programar e ter em mãos esta relação.

Entre os meses de abril e maio encontramos o abacate, a atemoia, bananas nanica e maçã, caqui, kiwi nacional, maçã gala, mamão formosa (acessível durante quase o ano todo), abóbora seca, abobrinha, jiló, mandioca, chicória, nabo e rabanete. Podemos encontrar também alguns pescados (cambeva, lambari) a preços mais acessíveis e flores comestíveis (antulio, estrelícia, musgo pequeno) deliciosas.

Vamos conhecer os benefícios de alguns destes alimentos:

- ATEMOIA: fruta de sabor leve e adocicado, originária de Peru, Colômbia e Equador. Tem boa quantidade de água e fibras alimentares, auxilia no funcionamento do intestino, manutenção da elasticidade e hidratação da pele e oferece excelente quantidade de potássio, mineral importante para a integridade do músculo, do sistema nervoso e auxilia no controle da pressão arterial.

alimentos na balança, maçã - iStock - iStock
Imagem: iStock

- MAÇÃ: a fruta que simboliza o fruto proibido, ou a lendária maçã envenenada da Disney (Branca de Neve e os Sete Anões), tem um peso nutricional bastante relevante. Além de sua variedade, a maçã é uma fruta com muitas propriedades nutricionais. A fibra solúvel presente em sua composição é benéfica para o controle e melhora de nossa flora intestinal, mas contém alguns importantes ingredientes com função antioxidante: quercetina, ácido clorogênico e catequinas.

Alimento bastante estudado, pesquisas feitas com a maçã demonstram que as suas substâncias antioxidantes desempenham efeitos relevantes na redução do risco de Alzheimer, câncer de pâncreas, diabetes e dos níveis de colesterol.

- ABÓBORA SECA: alimento rico em carotenoides, em especial o betacaroteno, este alimento contribui com o seu efeito antioxidante. Um alimento de baixa caloria e elevado teor nutritivo, precisa ser preparada com a adição de pequena quantidade de óleo ou azeite para que os seus nutrientes sejam disponibilizados em nosso organismo.

Excelente fonte de vitaminas do complexo B, também auxilia na produção de energia corporal, preservação do sistema nervoso e muscular, sem contar o papel que desempenha no sistema imunológico e em nossas células.

Chicória - Rasbak/Wikimedia Commons - Rasbak/Wikimedia Commons
Imagem: Rasbak/Wikimedia Commons

- CHICÓRIA: para muitos ela é confundida com a escarola; vegetal rico em magnésio, fósforo e cálcio, ajuda no controle da saúde óssea, contração muscular, controle da função do sistema nervoso central entre várias outras funções essenciais.

Esta é apenas uma pequena demonstração sobre o quanto podemos ganhar quando escolhemos adequadamente o que está em nosso prato. É possível aliar acesso financeiro, equilíbrio nutricional e prazer em comer bem.

*Colaboração da nutricionista comportamental Samantha Rhein (Unifesp).

Referências:

- Ceagesp. Disponível em: http://www.ceagesp.gov.br/wp-content/uploads/2015/05/produtos_epoca.pdf

- Cardoso, M.A. Nutrição e Metabolismo: Nutrição Humana. Ed Guanabara Koogan.

- Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina. Disponível em: https://www.spdm.org.br/

- Medical News Today. Disponível em: https://www.medicalnewstoday.com/

- ILSI. Disponível em: www.ilsi.org

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL