PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Dores e lesões: saiba por que é importante prevenir e não só remediar

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

06/04/2021 04h00

O que te faz perder o humor? Se afastar do seu esporte preferido ou até de manter uma rotina normal no trabalho? A dor!

Saiba que a dor musculoesquelética afeta de forma significativa a qualidade de vida das pessoas, sendo um dos principais fatores relacionados ao afastamento do posto de trabalho no Brasil.

Essa dor pode estar relacionada aos ossos, articulações, músculos, tendões, ligamentos, sendo as doenças e lesões as causas mais recorrentes, podendo afetar desde indivíduos atletas até sedentários, em todos os gêneros e faixas etárias.

No caso de praticantes de atividades esportivas, cerca de 13 a 39% acabam abandonando o esporte devido a esses quadros de lesão e dores, podendo variar de acordo com modalidade e faixa etária. E como evitar que você entre nessa estatística?

Uma forma simples de prevenir esses problemas é se dedicando a uma prática consistente de exercício físico. Estudos já mostram que o exercício é eficaz na prevenção de doenças vasculares e metabólicas, LER/DORTs (as famosas tendinites) e até lesões relacionadas ao esporte.

E, atenção, quando se considera exercício, não basta se manter ativo, o exercício deve ser estruturado. Existem diversos exercícios e protocolos específicos que se mostram importantes na prevenção de grande parte das lesões não traumáticas do esporte.

Qual o melhor protocolo de exercício para prevenção?

As perguntas mais comuns na área preventiva que as pessoas fazem são: ''O que eu devo fazer? O quê, como e quanto fazer?''. E a resposta única para todas as perguntas é sempre: ''Procure um profissional de saúde para avaliar seu caso específico, ou uma equipe de saúde que trabalhe dentro do esporte caso você seja praticante de alguma modalidade''.

Lembre-se de que não existe uma receita de bolo. Para cada situação e corpo, há um tipo de exercício bem como diferentes intensidades mais recomendadas.

Mas claro que há algumas dicas e orientações gerais —não se esqueça de passar por uma avaliação adequada para saber se está realmente apto a fazer determinada atividade ou esporte.

Para prevenção de...

Doenças vasculares e metabólicas: exercícios de intensidade moderada têm mostrado resultados muito positivos para essas doenças crônicas. Entre eles, podemos citar as caminhadas, a hidroterapia e a musculação.

Lesões relacionadas ao trabalho: nesses casos, a prevenção depende principalmente do tipo de trabalho e tempo de exposição. Há ajustes no ambiente de trabalho que também são importantes para prevenir lesões —ergonomia.

Lesões no esporte: o trabalho preventivo tem espaço muito importante nessa área! Se você é amador e deseja manter vida longa nesse esporte que tanto gosta, é importante considerar que mesmo estando menos exposto do que um atleta profissional, você possivelmente não conta com o mesmo suporte médico e profissional, e seu preparo físico tende a ser menor, o que aumenta bastante o risco de se machucar.

Já no caso de atletas profissionais, há o suporte profissional de médicos, nutricionistas, educadores físicos e fisioterapeutas, que traçam todo o plano adequado de treino, exposição, considerando sua posição, histórico de lesões etc. Em ambos os casos, há a importância de um preparo físico adequado de acordo com a atividade desempenhada.

É importante dizermos, como profissionais de saúde, que a prevenção é uma ciência não exata. Pode-se embasar o protocolo preventivo em todos os estudos científicos mais recentes, mas, ainda assim, você pode se lesionar.

Inúmeras variáveis individuais influenciam como gênero, idade, nutrição, genética e até a exposição ao trauma mesmo. Isso não deve ser motivo para te desanimar a pensar em prevenir antes de ter dores! Na verdade, isso se torna um incentivo para entender que o estilo de vida cultivado ao longo do tempo faz e fará muita diferença na maneira com que seu corpo se mantém e até se recupera do estresse do dia a dia e do esporte.

Prevenir x remediar

Para os que ainda acreditam ser mais fácil e barato esperar para ter dores mais intensas ou se lesionar para só então pensar em se recuperar e tratar, saibam que o sistema musculoesquelético não foi feito para se regenerar. De forma bem didática: a função e a capacidade total daquela área após uma lesão pode ficar prejudicada e jamais ser comparável à área antes da lesão.

Uma outra notícia triste para os que não gostam de prevenir e sim de remediar: quanto mais tempo sem tratar, mais crônico se torna o quadro e, pode acreditar que mais custosa e onerosa será a recuperação e o tratamento total —e isso vale também para os custos de medicamentos para o resto da vida no tratamento de algumas doenças crônicas.

Assim, invista em você e mantenha sua qualidade de vida! Foque em prevenir antes que dores, lesões ou doenças crônicas surjam. O mais importante é buscar uma atividade que te dê prazer e que você possa planejar manter com saúde a longo prazo. Busque orientação de um profissional da área e respeite os limites do seu corpo.

*Colaboração das fisioterapeutas Ana Clara Desiderio e Juliana Satake, Clínica La Posture.

Referências:

Nédélec M, McCall A, Carling C, Legall F, Berthoin S, Dupont G. Recovery in Soccer. Sports Medicine. 2012;42(12):997-1015.

Lotter, Oliver; Lieb, Tobias; Breul, Viktor; Molsner, Jochen.Is Repetitive Workload a Risk Factor for Upper Extremity Musculoskeletal Disorders in Surgical Device Mechanics? A Cross-Sectional Analysis.Int J Environ Res Public Health ; 17(4)2020.

Lima M, Ferreira AS, Reis FJJ, Paes V, Meziat-Filho N. Chronic low back pain and back muscle activity during functional tasks. Gait Posture. 2018 Mar;61:250-256. doi: 10.1016/j.gaitpost.2018.01.021. Epub 2018 Mar 20. PMID: 29413793.

Mendiguchia J, Alentorn-Geli E, Idoate F, Myer GD. Rectus femoris muscle injuries in football: a clinically relevant review of mechanisms of injury, risk factors and preventive strategies. Br J Sports Med. 2013 Apr;47(6):359-66. doi: 10.1136/bjsports-2012-091250. Epub 2012 Aug 3. PMID: 22864009.

Haeffner, Rafael, et al. "Absenteísmo por distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores do Brasil: milhares de dias de trabalho perdidos." Revista Brasileira de Epidemiologia 21 (2018): e180003.

Bara Filho, Maurício Gattás, and Félix Guillén Garcia. "Motivos do abandono no esporte competitivo: um estudo retrospectivo." Revista Brasileira de Educação Física e Esporte 22.4 (2008): 293-300.

Stefanello, Joice Mara Facco. "Motivos que definem a permanência ou o abandono da prática desportiva do futebol por atletas das categorias de base."

Coelho, Christianne de Faria, and Roberto Carlos Burini. "Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional." Revista de Nutrição 22.6 2009.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL