PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Desanimadão? Veja alguns alimentos que ajudam a aumentar sua energia

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do VivaBem

02/04/2021 04h00

Muitas pessoas têm relatado uma queda brusca da energia —um desânimo absurdo. Isso se dá por diversos fatores que já expusemos aqui como a síndrome da fadiga crônica, burnout, estresse com a situação atual e por aí vai.

Porém, acredito que o ponto central, antes de qualquer coisa, é analisarmos como estávamos antes da pandemia e como estamos agora.

  1. Como era nossa vida antes?
  2. Quais eram nossas preocupações diárias?
  3. Quais eram nossas válvulas de escape?
  4. Quais eram nossos momentos de lazer?
  5. Quais eram nossos hábitos? Como são agora?

Hoje em dia, para muitos, o mundo perdeu cor, o Setembro Amarelo virou cinzento, a busca pela saúde mental virou egoísmo e alvo de julgamentos e a internet uma grande janela de fofoqueiros da vida alheia, apontadores de opiniões unilaterais, empatia só para o lado que lhe convém, um grande espaço de virtude, ostentação, um placar de óbitos em tempo real e letrinhas das redes sociais sem caras jogadas ao léu.

Junto com pessimismo e falta de futuro vêm desmotivação, depressão, estresse, fadiga e até falta de sentido. Por isso as pessoas se descuidam, se esquecem, deixam de cuidar da sua saúde —é até contraditório, pois estamos em casa e as pessoas estão se cuidando bem menos e não fazem mais exames simples de rotina— e acabam deixando de lado escolhas alimentares que podem melhorar esse ânimo e energia.

A falta de energia pode afetar suas atividades diárias, torná-lo menos produtivo e totalmente desmotivado. Além de hábitos saudáveis e ativos, o tipo e a quantidade de alimentos que você ingere desempenham papel essencial na determinação de seus níveis de energia durante o dia.

Embora todos os alimentos forneçam energia, alguns contêm nutrientes que podem ajudar a aumentar seus níveis de energia e manter seu estado de alerta e concentração ao longo do dia.

Seguem alguns deles:

  • Peixes: Como salmão e atum, que são fontes de gorduras boas para saúde (como as instauradas e poli-insaturadas) são boas fontes de proteínas, ácidos graxos (ômega-3) e vitamina B, o que os torna ótimos alimentos para incluir em sua dieta. Os ácidos graxos ômega-3 reduzem a inflamação, que é uma causa comum de fadiga. A vitamina B12 atua com o folato para produzir glóbulos vermelhos e ajudar o ferro a funcionar melhor em seu corpo, reduzindo a fadiga e aumentando a energia.
  • Banana: Excelente fonte de carboidratos complexos, potássio e vitamina B6, os quais podem ajudar a aumentar seus níveis de energia.
  • Maçã: Uma maçã de tamanho médio (100 gramas) contém cerca de 14 gramas de carboidratos, 10 gramas de açúcar e até 2,1 gramas de fibra. Devido ao seu rico conteúdo em açúcares naturais e fibras, as maçãs podem fornecer uma liberação de energia lenta e sustentada. Além disso, têm um alto teor de antioxidantes e fibras. Uma pesquisa mostrou que os antioxidantes podem retardar a digestão dos carboidratos, então eles liberam energia por um período de tempo mais extenso.
  • Goji berries: Além de conter antioxidantes, vitaminas e minerais, essa fruta é conhecida por ser uma boa fonte de fibras. Uma pesquisa sugeriu que o suco de goji berries pode fornecer proteção antioxidante e as bagas são ricas em fibras. Uma porção de 28 gramas fornece 2 gramas de fibra, liberando energia lentamente.
  • Vegetais com folhas verdes escuras: Como espinafre e couve, são excelentes fontes de nutrientes que promovem a energia. Eles são ricos em ferro, cálcio, magnésio, potássio e vitaminas A, C, E e K. Além disso, contém ácido fólico, fibra e antioxidantes. A fadiga é um dos sintomas mais comuns de deficiência de ferro e esses alimentos são excelentes fontes de ferro para reabastecer os estoques do seu corpo, bem como vitamina C para aumentar a absorção de ferro em seu corpo e aumentar a formação de óxido nítrico, que ajuda a dilatar os vasos sanguíneos para melhorar o fluxo.
  • Batata-doce: Uma porção de 1 xícara (100 gramas) de batata-doce pode conter até 25 gramas de carboidratos complexos, 3,1 gramas de fibra, 25% do manganês recomendado por dia e 564% para a vitamina A. Graças a fibra da batata-doce e ao conteúdo complexo de carboidratos, seu corpo os digere lentamente, o que fornece a você um suprimento constante de energia.
  • Beterraba: Estudos demonstraram que a beterraba pode melhorar o fluxo sanguíneo devido ao seu conteúdo antioxidante. Os nitratos, que são compostos encontrados em grandes quantidades na beterraba e no suco de beterraba, ajudam a aumentar a produção de óxido nítrico, permitindo melhor fornecimento de oxigênio aos tecidos. Este efeito pode aumentar os níveis de energia, especialmente durante os exercícios. Além disso, tem uma boa quantidade de carboidratos, fibras e açúcar para um aumento sustentado de energia.
  • Iogurte naturais: Os carboidratos do iogurte estão principalmente na forma de açúcares simples, como lactose e galactose. Quando quebrados, esses açúcares podem fornecer energia imediata. Além disso, o iogurte é rico em proteínas, o que ajuda a desacelerar a digestão dos carboidratos, diminuindo assim a liberação de açúcares no sangue.
  • Chá verde: Tem uma alta concentração de antioxidantes que podem ajudar a prevenir o estresse oxidativo e a inflamação. Da mesma forma que o café, o chá verde contém cafeína, que pode aumentar seus níveis de energia. No entanto, o chá verde também contém um composto chamado L-teanina, que pode moderar os efeitos da cafeína, como ansiedade e nervosismo, e produz um aumento mais suave de energia. Além disso, o chá verde pode ser um bom impulsionador da energia para a atividade física, por reduzir a fadiga.
  • Água: É essencial para a vida e está envolvida em muitas funções celulares, incluindo a produção de energia. Não beber água suficiente pode levar à desidratação, o que pode retardar as funções corporais, deixando você cansado. Beber água pode dar-lhe um impulso de energia e ajudar a combater a sensação de fadiga. Tente beber água regularmente ao longo do dia.

Além desses citados, as oleaginosas, avocado (tipo de abacate), laranja, morango, lentilhas, edamame, hummus, quinoa, chocolate amargo, ovos, café e sementes diversas têm nutrientes potencialmente benéficos para a melhora de energia.

Vale lembrar que um único alimento ou uma única mudança não é responsável por uma melhora significativa no seu corpo.

Todas as nossas ações devem vir acompanhadas de mudanças gerais no estilo de vida, isto é, não adianta tomar um copo de café para reduzir o cansaço, se mentalmente está estafado, estressado, tem dormido mal e está com uma rotina sedentária e desregrada.

A melhora de sintomas deve ser sempre baseada em um conjunto de mudanças. Por isso, na medida do possível, mantenha-se ativo, hidrate-se e opte por alimentos sempre o mais próximo do natural —sei que sabem de tudo isso, mas o mais importante é tirarem do papel e do "disso eu sei" e colocar em prática para virar um hábito!

Referências:

Molfino A, Gioia G, Rossi Fanelli F, et al. The role for dietary omega-3 fatty acids supplementation in older adults. Nutrients. 2014 Oct 3;6(10):4058-73. doi: 10.3390/nu6104058. PMID: 25285409; PMCID: PMC4210907.

Alfano CM, Imayama I, Neuhouser ML, et al. Fatigue, inflammation, and ?-3 and ?-6 fatty acid intake among breast cancer survivors. J Clin Oncol. 2012 Apr 20;30(12):1280-7. doi: 10.1200/JCO.2011.36.4109. Epub 2012 Mar 12. PMID: 22412148; PMCID: PMC3341143.

Bager P. Fatigue and acute/chronic anaemia. Dan Med J. 2014 Apr;61(4):B4824. PMID: 24814598.

Riccardi G, Rivellese AA. Effects of dietary fiber and carbohydrate on glucose and lipoprotein metabolism in diabetic patients. Diabetes Care. 1991 Dec;14(12):1115-25. doi: 10.2337/diacare.14.12.1115. PMID: 1663443

US Department of agriculture. Disponível em: https://fdc.nal.usda.gov/index.html

Cappelletti S, Piacentino D, Sani G, et al. Caffeine: cognitive and physical performance enhancer or psychoactive drug? Curr Neuropharmacol. 2015 Jan;13(1):71-88. doi: 10.2174/1570159X13666141210215655. Erratum in: Curr Neuropharmacol. 2015;13(4):554. Daria, Piacentino [corrected to Piacentino, Daria]. PMID: 26074744; PMCID: PMC4462044.

Duan Y, Li F, Li Y, et al. The role of leucine and its metabolites in protein and energy metabolism. Amino Acids. 2016 Jan;48(1):41-51. doi: 10.1007/s00726-015-2067-1. Epub 2015 Aug 9. PMID: 26255285.

Kennedy DO. B Vitamins and the Brain: Mechanisms, Dose and Efficacy—A Review. Nutrients. 2016 Jan 27;8(2):68. doi: 10.3390/nu8020068. PMID: 26828517; PMCID: PMC4772032.

Reynolds A, Mann J, Cummings J, et al. Carbohydrate quality and human health: a series of systematic reviews and meta-analyses. ARTICLES| VOLUME 393, ISSUE 10170, P434-445, 2019.

Orhan N, Gökbulut A, Deliorman D. Antioxidant potential and carbohydrate digestive enzyme inhibitory effects of five Inula species and their major compounds. South African Journal of Botany. Volume 111, Pages 86-92. 2017.

Adan A. Cognitive performance and dehydration. J Am Coll Nutr. 2012 Apr;31(2):71-8. doi: 10.1080/07315724.2012.10720011. PMID: 22855911.

Scholey AB, French SJ, Morris PJ, et al. Consumption of cocoa flavanols results in acute improvements in mood and cognitive performance during sustained mental effort. J Psychopharmacol. 2010 Oct;24(10):1505-14. doi: 10.1177/0269881109106923. Epub 2009 Nov 26. PMID: 19942640.

Ma ZF, Zhang H, Teh SS, et al. Goji Berries as a Potential Natural Antioxidant Medicine: An Insight into Their Molecular Mechanisms of Action. Oxid Med Cell Longev. 2019 Jan 9;2019:2437397. doi: 10.1155/2019/2437397. PMID: 30728882; PMCID: PMC6343173.

Vinoy S, Meynier A, Goux A, et al. The Effect of a Breakfast Rich in Slowly Digestible Starch on Glucose Metabolism: A Statistical Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Nutrients. 2017 Mar 23;9(4):318. doi: 10.3390/nu9040318. PMID: 28333086; PMCID: PMC5409657.

Calder PC. Functional Roles of Fatty Acids and Their Effects on Human Health. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2015 Sep;39(1 Suppl):18S-32S. doi: 10.1177/0148607115595980. Epub 2015 Jul 15. PMID: 26177664.

Mendel RR. The molybdenum cofactor. J Biol Chem. 2013 May 10;288(19):13165-72. doi: 10.1074/jbc.R113.455311. Epub 2013 Mar 28. PMID: 23539623; PMCID: PMC3650355.

Ganesan K, Xu B. Polyphenol-Rich Lentils and Their Health Promoting Effects. Int J Mol Sci. 2017 Nov 10;18(11):2390. doi: 10.3390/ijms18112390. PMID: 29125587; PMCID: PMC5713359.

Rietman, A., Schwarz, J., Tomé, D. et al. High dietary protein intake, reducing or eliciting insulin resistance?. Eur J Clin Nutr 68, 973-979 (2014). https://doi.org/10.1038/ejcn.2014.123

Tardy AL, Pouteau E, Marquez D, et al. Vitamins and Minerals for Energy, Fatigue and Cognition: A Narrative Review of the Biochemical and Clinical Evidence. Nutrients. 2020 Jan 16;12(1):228. doi: 10.3390/nu12010228. PMID: 31963141; PMCID: PMC7019700.

Fukuda S, Nojima J, Motoki Y, et al. A potential biomarker for fatigue: Oxidative stress and anti-oxidative activity. Biol Psychol. 2016 Jul;118:88-93. doi: 10.1016/j.biopsycho.2016.05.005. Epub 2016 May 17. PMID: 27224647.

Howe P, Buckley J. Metabolic health benefits of long-chain omega-3 polyunsaturated fatty acids. Mil Med. 2014 Nov;179(11 Suppl):138-43. doi: 10.7205/MILMED-D-14-00154. PMID: 25373098.

Cooper R. Green tea and theanine: health benefits. Int J Food Sci Nutr. 2012 Mar;63 Suppl 1:90-7. doi: 10.3109/09637486.2011.629180. Epub 2011 Nov 1. PMID: 22039897.

Gahreman D, Wang R, Boutcher Y, et al. Green Tea, Intermittent Sprinting Exercise, and Fat Oxidation. Nutrients. 2015 Jul 13;7(7):5646-63. doi: 10.3390/nu7075245. PMID: 26184298; PMCID: PMC4517022.

Mazidi M, Vatanparast H, Katsiki N, et al. The impact of nuts consumption on glucose/insulin homeostasis and inflammation markers mediated by adiposity factors among American adults. Oncotarget. 2018 Jul 27;9(58):31173-31186. doi: 10.18632/oncotarget.25168. PMID: 30131846; PMCID: PMC6101284.

Dodd FL, Kennedy DO, Riby LM, et al. A double-blind, placebo-controlled study evaluating the effects of caffeine and L-theanine both alone and in combination on cerebral blood flow, cognition and mood. Psychopharmacology (Berl). 2015 Jul;232(14):2563-76. doi: 10.1007/s00213-015-3895-0. Epub 2015 Mar 13. PMID: 25761837; PMCID: PMC4480845.

Clements WT, Lee SR, Bloomer RJ. Nitrate ingestion: a review of the health and physical performance effects. Nutrients. 2014 Nov 18;6(11):5224-64. doi: 10.3390/nu6115224. PMID: 25412154; PMCID: PMC4245587.

Lane DJR, Richardson DR. The active role of vitamin C in mammalian iron metabolism: Much more than just enhanced iron absorption! Free Radical Biology and Medicine. Volume 75, Pages 69-83. 2014.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL