PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Aproveite o fim do "Carnaval" para fazer um detox de verdade

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

18/02/2021 04h00

Geralmente, quando se fala de dicas detox parte-se do conceito de eliminação de toxinas para uma limpeza do corpo e da mente, e é nessa época do ano que a internet é bombardeada por conteúdos sobre como curar a ressaca e se desintoxicar dos abusos do Carnaval. Mas muita gente tem aquela máxima: o ano só começa depois do Carnaval.

E se em 2021 não tivemos, não podemos usar isso como desculpa para não implementar nossos planos para um novo ano. É bastante comum com as festas de fim de ano o descuido com a alimentação e excessos na ingestão de bebidas alcoólicas, o que pode causar a sobrecarga do organismo.

Mas a maior parte de nós não teve um rito de passagem claro e pode ainda se manter fora da rota, desanimado, comendo mal e bebendo em casa sozinho. Para se ter ideia, em tempos de pandemia, o consumo tanto de álcool quanto de cigarro aumentou no Brasil.

Detox do Carnaval que não aconteceu

Provavelmente, você não pulou Carnaval, não viajou e não encontrou seus amigos na praia. Se por um lado não conseguiu viajar, provavelmente nunca ficou tanto tempo em casa, comendo, se exercitando e trabalhando em home office.

Agora, com hábitos mais moldados por meses de isolamento e poucas empresas retornando de imediato presencialmente, a ciência já comprovou o impacto negativo desse isolamento na saúde mental das pessoas. Permanecer tanto tempo em casa pode gerar distrações e ser gatilho para transtornos de compulsão alimentar, ansiedade e outros.

Para minimizar os impactos do home office e da pandemia, o ideal é ter consciência e decidir mudar —parece muito básico mas esse seria o passo número 1—, sem essa decisão é impossível mudar qualquer hábito!

Lembre-se que o cérebro do ser humano foi feito parar poupar energia e esforço e se deixar, ele fica na inércia e só trabalha no modo automático, isso é, se rende aos velhos hábitos por ser mais fácil.

Quando se pensa em uma vida equilibrada, fala-se sobre viver com resiliência e saúde, independente de fatores externos. Por isso, sugiro que você analise sua rotina, veja o que você deseja eliminar e o que deseja construir como novos hábitos.

Mesmo em home office, em isolamento e sem o tão famoso Carnaval em nossas vidas, é possível manter a saúde física e mental! A alimentação leve, os exercícios físicos, a meditação e o contato social mesmo de forma virtual podem trazer equilibrio ao corpo e à mente.

Observe como você tem sentido o corpo: se sente ele pesado, sente dores... Afinal, o corpo sinaliza quando algo não vai bem e deseja mudanças.

Pense nos maus hábitos como toxinas que precisam ser eliminadas para seu organismo funcionar melhor. Pense nesses 4 itens como maus hábitos:

1) PROCRASTINAR: por exemplo, o início de um tratamento. Se você sabe que precisa passar no cardiologista, retornar com sua nutricionista ou começar a fisioterapia para tratar o joelho, não procrastine. Isso será seu melhor detox 2021.

2) SE ENGANAR: contar a si mesmo que não tem tempo para se cuidar, ou usar a desculpa que não é o melhor momento para inserir uma rotina mais saudável, tornará seus desafios de 2021 cada vez maiores.

3) SER DESORGANIZADO: você pode se organizar para inserir pouco a pouco hábitos, comece com uma meta pequena como beber dois copos de água por dia, alongar antes de deitar, tirar 5 minutos para respirar sem pensar em nada ou até subir 3 lances da escadaria do seu prédio. Os bons hábitos levam a um efeito dominó e você se motivará a cultivar outros bons hábitos. Além disso, o ambiente também influencia diretamente a nossa saúde física e mental. Agora, imagine viver em um ambiente desorganizado praticamente 24 horas por dia? Organize o ambiente de forma que seja funcional para sua rotina. Hábitos e rituais durante o dia podem ajudar não apenas o seu corpo, mas a sua mente a entender melhor suas necessidades.

4) NÃO TER PRIORIDADES: geralmente as pessoas dizem que não têm tempo para si, mas a verdade é que falta de gestão de prioridades pode causar a desorganização. Antes de começar o dia, liste o que é de fato urgente e importante a ser feito, e o que não é nem importante e nem urgente.

Dê um pause & refresh: esse é o verdadeiro detox

O simples é sempre o mais importante. Acredite que organizar ambientes em casa pode ajudar seu cérebro: faça um detox de tralhas em casa e papéis acumulados. Facilite para que sua mente e seu corpo entendam e trabalhem da melhor forma possível. Da mesma forma que você deve evitar trabalhar deitado na cama, evite confundir seu cérebro quando quiser se desconectar.

Pausas de 1 minuto ou 30 minutos, o importante não é o tempo que você dispende com esses bons momentos e, sim, o efeito que te causa. Você pode ter um detox da mente assistindo a um seriado que melhore seu humor, lendo um livro, meditando... Não existe um detox milagroso, o mais importante é respeitar seu corpo, sua mente e seus limites.

*Colaboração Renata Luri, fisioterapeuta doutora pela Unifeso e Juliana Satake, fisioterapeuta especializada na Clínica La Posture

Referências:

BYSTRITSKY, A. 2006. Treatment-resistant anxiety disorders. Molecular Psychiatry, 11(9):805-814BYSTRITSKY, A. 2006. Treatment-resistant anxiety disorders. Molecular Psychiatry, 11(9):805-814.

CEZAR, Adieliton Tavares e JUCA-VASCONCELOS, Helena Pinheiro.Diferenciando sensações, sentimentos e emoções:: uma articulação com a abordagem gestáltica. IGT rede [online]. 2016, vol.13, n.24, pp. 04-14.

Claus AP, Hides JA, Moseley GL, Hodges PW. Is 'ideal' sitting posture real? Measurement of spinal curves in four sitting postures. Man Ther. 2009 Aug;14(4):404-8.

ESCH, T.; STEFANO, G.B. 2010. The neurobiology of stress management. Neuro Endocrinology Letters, 31(1):19-39. Foster D. Is mindfulness making us ill? The Guardian, 23rd of January 2016.

FREWEN, P.A.; SCHMITTMANN, V.D.; BRINGMANN, L.F.; CLAUS, Andrew P. et al. Different ways to balance the spine: subtle changes in sagittal spinal curves affect regional muscle activity. Spine, v. 34, n. 6, p. E208-E214, 2009.

JOKI?-BEGI?, N. 2010. Cognitive-Behavioral Therapy and neuroscience: Towards closer integration. Psychological Topics, 19(2):235-254.

JOHN, O.P.; GROSS, J.J. 2004. Healthy and unhealthy emotion regulation: Personality processes, individual differences, and life span development. Journal of Personality, 72(6):1301-1333.

Berven S, Wadhwa R. Sagittal Alignment of the Lumbar Spine. NeurosurgClin N Am. 2018 Jul;29(3):331-339. doi: 10.1016/j.nec.2018.03.009. Review. PubMed .

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL