PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Comer pão é o mesmo que comer açúcar? Não! E vamos explicar o porquê

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

11/02/2021 04h00

Se você pensa com frequência: "Adoro pão, mas não como porque ele só tem açúcar" —ou carboidratos, que "viram açúcar" no organismo—, leia este texto.

A boa notícia é que o pão, assim como a batata ou o macarrão, não é apenas açúcar, assim como leite, queijo, iogurtes, carnes e ovos não são apenas proteínas. Considere que grande parte dos alimentos é um mix de nutrientes, tendo alguns destes em maior predominância.

A partir disso, observe a imagem abaixo em que comparamos a composição nutricional de 50 gramas de pão francês (1 unidade com miolo) e 2 colheres de sopa de açúcar refinado.

Tabela Paola - Paola Machado - Paola Machado
Imagem: Paola Machado

Esta imagem é o reflexo do que acontece em nosso corpo quando comemos os dois alimentos. Durante a digestão, muitas enzimas e substâncias são "lançadas" em nosso sistema digestório, com a finalidade de transformar moléculas mais complexas em menores para que possam ser absorvidas —este é justamente o ponto a ser considerado.

Observe que durante a sua quebra ou digestão, o pão não libera apenas açúcar, mas, sim, outros nutrientes com importantes funções: cálcio, fósforo, magnésio, zinco, sódio, potássio, fibra alimentar e vitaminas do complexo B. Na representação do açúcar, obtemos em quantidades muito menores apenas cálcio, magnésio, potássio e praticamente nada do ferro.

Quanto mais refinamos ou processamos os alimentos, menos "saúde" eles nos fornecerão, pois deixarão parte de seu teor nutritivo no "beneficiamento". O contrário é verdadeiro, por esse motivo valorizamos o consumo de alimentos frescos, sazonais e pouco processados.

As vitaminas e minerais encontradas no pão são essenciais para a saúde óssea, mental, para o crescimento, imunidade, saciedade, liberação de energia e saúde cardiovascular. Você pode até achar que essas quantidades são pequenas, mas compare com as quantidades do açúcar e considere que durante o dia você não comerá apenas o pão.

A base de uma alimentação adequada é a diversidade, logo, quando comemos vários tipos de alimentos, preferencialmente frescos, estaremos em um contexto de maior abundância dando a oportunidade para alcançarmos as nossas necessidades nutricionais diárias.

A leitura detalhada dos ingredientes descritos em rótulos nutricionais ajudará em pistas sobre a real composição nutricional do alimento e, portanto, dos nutrientes que abastecerão o seu corpo ao consumi-lo.

Agora que você compreendeu o significado do mix presente em cada alimento, quando comprar algo certamente irá reavaliar se vale a pena.

Talvez ao invés de pensar que o pão oferece apenas açúcar, adapte a sua fala e descreva que ele fornecerá carboidratos. Carboidratos são moléculas compostas por carbono, oxigênio e hidrogênio, e podem apresentar diferentes classificações, de acordo com o grau de complexidade da sua molécula.

Os de cadeias maiores são chamados de polissacarídeos (encontrados nas plantas); o amido, que também ocorre nas plantas, e, por fim, o glicogênio, que pode permanecer em nosso fígado ou músculo e representa a energia na forma de glicose estocada.

Os carboidratos com estruturas mais simples são chamadas de monossacarídeos e podem ser exemplificados por glicose, frutose e galactose. Ao pensarmos no açúcar conhecido como de adição ou de mesa, falamos da sacarose, um açúcar de rápida absorção formado a partir da associação de 2 monossacarídeos (glicose e frutose).

Portanto, do ponto de vista estrutural, carboidrato é carboidrato e açúcar é açúcar. Não julgue o alimento pelo que ele aparenta ser ou pela informação que alguém te passou: reflita um pouco e tire você as conclusões.

Se você quer deixar de consumir açúcar, eu preparei um manual com instruções para conseguir encarar um desafio de 30 dias sem comer açúcar —e aprender a resistir melhor aos doces, para manter uma alimentação equilibrada e saudável para o resto da vida. Clique no link para saber mais informações e comprar seu manual.

*Colaboração da nutricionista comportamental Samantha Rhein (Unifesp)