PUBLICIDADE

Topo

Cansado demais após exercitar-se? Pode ser intolerância ao exercício

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

28/08/2020 04h00

Tem gente que se esforça muito para treinar, mas tem uma grande dificuldade em se manter na atividade. Quando isso é muito recorrente, é bom prestar atenção, pois pode ser um quadro chamado intolerância ao exercício, que é uma condição em que o indivíduo sente-se muito cansado para realizar um determinado exercício com seu nível de esforço máximo ou por um período prolongado, podendo ocorrer por conta de algum tipo de patologia —como doenças cardíacas (insuficiência cardíaca diastólica), doenças mitocondriais ou distúrbios metabólicos.

Os sintomas de intolerância ao exercício incluem dor incomum e intensa pós-treino, fadiga, náuseas, vômitos e outros efeitos negativos. Esses sintomas não são causados diretamente pelo treino em si, mas sim por uma patologia associada, como a insuficiência cardíaca diastólica.

Insuficiência cardíaca diastólica

O relaxamento é tão importante para o seu coração quanto para o seu corpo. Se, por algum motivo, o coração tem dificuldade para relaxar entre as batidas, não pode se encher completamente. Assim, menos sangue bombeado com cada contração pode levar a um tipo de insuficiência cardíaca —como insuficiência cardíaca diastólica, insuficiência cardíaca com fração de ejeção normal ou insuficiência cardíaca com função sistólica preservada.

A insuficiência cardíaca diastólica ocorre quando o coração não consegue se encher adequadamente de sangue durante a fase de relaxamento do batimento cardíaco, fazendo com que menos sangue seja bombeado para o corpo, reduzindo a oferta de oxigênio e nutrientes que o corpo necessita durante o exercício.

Isso ocorre por conta do fluxo sanguíneo ser insuficiente para o músculo esquelético ativo junto com um débito cardíaco prejudicado. Dessa forma, poderá reduzir a capacidade de realizar atividades físicas, exercícios aeróbicos e atividades diárias. Suas características marcantes são falta de ar com o esforço ou ao deitar; inchaço nas pernas, tornozelos ou abdome; fadiga inexplicável ou uma veia jugular saliente.

Existem várias maneiras de saber se você está tendo intolerância aos exercícios, entretanto, antes de qualquer coisa, é necessário sempre estar atento aos sinais do seu corpo e procurar um médico se notar um cansaço anormal e recorrente. Os sinais e sintomas comuns são:

  • Cãibras: em pessoas que têm intolerância ao exercício ocorre com uma quantidade mínima de esforço, podendo durar dias.
  • Cólicas: podem ter início tardio e aparecer depois de uma noite de sono.
  • Cansaço excessivo com dificuldade respiratória: com um limite mínimo de esforço podem sentir esse cansaço devido ao fluxo sanguíneo reduzido.
  • Fadiga muscular: sentir um peso ou uma sensibilidade extrema nos músculos pode ser um sinal. Se notar essa sensibilidade após exercícios fáceis ou moderados, avise o seu médico.
  • Frequência cardíaca insuficiente: é necessário sempre estar atento a frequência cardíaca e, por isso, tente usar um monitor cardíaco. Se notar que sua frequência cardíaca não aumenta com o aumento da atividade, converse com seu médico.

Muitos ensaios clínicos que investigam possíveis tratamentos para a insuficiência cardíaca diastólica estão em andamento. Alguns tratamentos médicos sugeridos incluem angioplastia ou cirurgia de ponte de safena, quando o fluxo sanguíneo através das artérias coronárias obstruídas com colesterol prejudica a função cardíaca, e o uso de diuréticos, inibidores da ECA, bloqueadores beta ou bloqueadores dos canais de cálcio para ajudar a aliviar os sintomas. Observar a ingestão de sal e líquidos, bem como exercícios regulares, também podem ajudar.

Agora que você sabe sobre alguns sinais e sintomas da insuficiência cardíaca, é importante manter seu estilo de vida ativo e a patologia sob controle.

  • Não pare de se exercitar: um estudo publicado na revista Circulation sugere que os benefícios do treinamento físico em pacientes com insuficiência cardíaca podem, na verdade, melhorar a intolerância ao exercício. O treinamento geralmente não só aumenta o tempo de exercício, mas também o quanto você treina. Embora os programas de treinamento físico para aqueles que são intolerantes a exercícios variem, um estudo descobriu que o treinamento com pesos em circuito por oito semanas poderia desencadear um aumento modesto, mas significativo, na capacidade aeróbica (chamado VO2 de pico).
  • Quando se exercitar, faça períodos de descanso frequentes: embora não consiga se exercitar por longos períodos sem pausa, você pode conseguir se exercitar por mais tempo se incluir períodos de descanso regulares. Exercícios de baixa intensidade que exigem períodos regulares e frequentes de descanso são geralmente mais tolerados por pessoas com insuficiência cardíaca.
  • Ouça o seu corpo: não tente testar seus limites. Eduque-se sobre como ouvir seu corpo. Controle-se durante a atividade física para que você possa notar quando seu corpo precisa de uma pausa. O ideal é parar de se exercitar antes de se sentir desconfortavelmente cansado.
  • Conte com uma supervisão: peça orientação de um profissional de educação física ou fisioterapeuta que possa ajudá-lo a criar uma estratégia de exercícios segura que funcione para você e sua intolerância.

Preste atenção a quaisquer sinais ou sintomas durante sua prática e, acima de tudo, exercite-se com segurança.

Referências:

  • Diastolic heart failure. https://www.health.harvard.edu/newsletter_article/diastolic-heart-failure
  • Kitzman DW, Groban L. Exercise intolerance. Heart Fail Clin. 2008 Jan;4(1):99-115. doi: 10.1016/j.hfc.2007.12.002. PMID: 18313628; PMCID: PMC2700357.
  • Mancuso M, Angelini C, Bertini E, Carelli V, Comi GP, Minetti C, Moggio M, Mongini T, Servidei S, Tonin P, Toscano A, Uziel G, Zeviani M, Siciliano G; Nation-wide Italian Collaborative Network of Mitochondrial Diseases. Fatigue and exercise intolerance in mitochondrial diseases. Literature revision and experience of the Italian Network of mitochondrial diseases. Neuromuscul Disord. 2012 Dec;22 Suppl 3(3-3):S226-9. doi: 10.1016/j.nmd.2012.10.012. PMID: 23182644; PMCID: PMC3526786.
  • Maiorana, A., O'Driscoll, G., Cheetham, C., Collis, J., Goodman, C., Rankin, S. - Green, D. (2000, May). Combined aerobic and resistance exercise training improves functional capacity and strength in CHF. Journal of Applied Physiology, 88(5), 1565-1570
  • Wilson JR, Martin JL, Schwartz D, Ferraro N. Exercise intolerance in patients with chronic heart failure: role of impaired nutritive flow to skeletal muscle. Circulation. 1984;69(6):1079-1087. doi:10.1161/01.cir.69.6.1079
  • Piña, I. L., Apstein, C. S., Balady, G. J., Belardinelli, R., Chaitman, B. R., Duscha, B.D. - Fletcher, B. J. (2003). Exercise and heart failure: A statement from the American Heart Association Committee on Exercise, Rehabilitation, and Prevention. Circulation, 107, 1210-1225

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL