PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

Entenda como o iogurte e as bebidas lácteas fermentadas beneficiam a saúde

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

07/08/2020 04h00

Você gosta de iogurte e de bebidas fermentadas? Consome com regularidade? Espero que após esta leitura você introduza estes alimentos em sua dieta e saiba escolher com cuidado as melhores opções.

Quando pensamos em tomar iogurte no café da manhã ou nos lanches logo nos vem à cabeça os benefícios relacionados aos ossos e à massa muscular pela quantidade de cálcio e aminoácidos presentes nele.

Mas não é só isso: hoje já sabemos que alguns tipos de iogurtes e bebidas lácteas estão relacionados à prevenção de câncer de intestino, à melhora do perfil lipídico e da digestão, regulação da saciedade e controle das taxas de açúcar.

Nos últimos 100 anos, a indústria alimentícia avançou muito, inclusive no campo dos iogurtes e demais produtos da mesma origem (creme de leite, manteiga, leite e leite acidificado), com aprimoramento de sabor e adição de probióticos, como o kefir.

O que é o iogurte

O iogurte é definido como uma categoria de leite fermentado pela combinação de duas bactérias específicas: Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus. Ao se associarem, elas conferem atributos funcionais ao alimento pelas bactérias vivas e ativas ali presentes.

As bactérias citadas possuem uma potente relação simbiótica garantindo qualidade adicional ao alimento, além de serem resistentes as secreções gástricas, chegando íntegras no intestino.

Para pessoas com intolerância a lactose, os produtos lácteos fermentados são recomendados, pois a lactase presente nos microrganismos utilizados na fabricação desses leites fermentados favorecerá a digestão deste carboidrato.

Durante o século 19, muito se discutiu sobre o processo de fermentação, seus benefícios e os principais agentes do processo, sendo o primeiro a ser estudado o Streptococcus lactis, uma vez que esse organismo converte lactose em ácido lático.

Este processo induz uma queda de pH, gerando um ambiente ácido pouco propício a permanência de bactérias, garantindo um ambiente mais estéril.

E na prateleira?

Mas quando chegamos ao mercado, as coisas não são assim tão fáceis, já que há uma variedade enorme de produtos.

Para fazer as melhores escolhas, é imprescindível a leitura criteriosa dos rótulos, lembre-se de olhar a lista dos ingredientes e acenda o farol vermelho ao observar a presença de manteiga sem sal, açúcar, mel, frutose, sorbitol, xilitol, ciclamato e sacarina, pois todos são adicionados para promover cremosidade, palatabilidade e sabor adocicado, embora os edulcorantes tenham a finalidade de controle glicêmico também.

Alimentos lácteos considerados superalimentos

KEFIR: não é o alimento em si, mas o probiótico adicionado a ele, que na maioria das vezes é o iogurte. O kefir é produzido a partir do leite fermentado e tem a aparência semelhante a de uma pequena couve-flor.

Como todo probiótico, traz inúmeros benefícios, mas especificamente bactérias vivas com a capacidade de produzir ácido lático e álcool, principalmente ao reagir com a lactose do leite. Mas atenção, deve-se ter em mente que o kefir é diferente do iogurte, dos leites fermentados e das coalhadas.

LEITE FERMENTADO: é um alimento obtido através da fermentação do leite pasteurizado ou esterilizado com a adição de Lactobacilus —tipo o Yakult. O sabor é bastante ácido pelo processo de fermentação e formação dos ácidos (assim como no kefir), portanto uma boa dica é adicionar frutas como mamão, banana, manga, frutas secas e castanhas para torná-lo ainda mais funcional e saboroso.

Aqui estão algumas das justificativas para que você comece a introduzir estes alimentos em seu café da manhã ou lanches intermediários, mantendo regularidade de consumo e diversificando ora com frutas, ora com castanhas ou cereais.

Certamente os benefícios virão com um intestino mais regular, a pele mais saudável e bonita, maior vitalidade e prevenção de muitas doenças.

Colaboração da nutricionista Samantha Rhein

Referências:

http://www.saude.gov.br/

Lehninger, Nelson e Cox. Princípios de Bioquímica. Ed Sarvier, 1995.

Gallego, C.G; Gueimonde, M; Salminenm S. The role of yogurt in food based dietary guidelines. Nutr Rev, 2018 Dec 1;76(Suppl 1): 29-39.

Aryana KJ, Olson DW. A 100-Year Review: Yogurt and other cultured dairy products.
J Dairy Sci. 2017 Dec;100(12): 9987-10013.

Otçes, S; Cagindi, O. Kefir: a probiotic dairy-composition, nutricional and therapeutic aspects. Pakistan Journal of Nutrition 2(2): 54-59, 2003.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL