PUBLICIDADE

Topo

Rótulos de alimentos: o que observar para escolher um produto saudável

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física modalidade em saúde pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício) e doutoranda em nutrição pela UNIFESP. É autora do Livro Kilorias - Faça do #projetoverão seu estilo de vida (Editora Benvirá). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre obesidade, e tem um canal de desafios (30 Dias com Paola Machado) onde testa a teoria na prática. Também é fundadora do aplicativo 12 semanas. CREF: 080213-G | SP

Colunista do VivaBem

22/06/2020 04h00

Saber ler e interpretar o rótulo dos alimentos é muito importante para quem busca manter uma alimentação saudável, uma vez que você terá condições de identificar melhor os prós e contras de cada alimento, optando por aqueles que trazem mais benefícios (ou que são menos prejudiciais) ao organismo.

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão regulamentador da rotulagem nutricional. A divulgação dos ingredientes presentes nos alimentos tornou-se obrigatória na década de 1960, para possibilitar uma escolha mais consciente por parte do consumidor. Desde então, as informações foram aprimoradas até que entre os anos de 2000 a 2002 outras normativas de destaque foram aprovadas como a citação das quantidades de ferro, sódio, cálcio, colesterol e gorduras saturadas, além da identificação de "contém glúten" nos rótulos de alimentos e bebidas com esse nutriente chamando a atenção inclusive para a presença daquilo que chamamos de "traços".

A divulgação dos ingredientes no rótulo é uma importante medida de saúde pública, pois a adequação do perfil alimentar bem como das escolhas dos alimentos consumidos impactará numa melhora do estado nutricional da população e redução no desenvolvimento ou agravamento de doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão arterial, diabetes, obesidade, entre outras.

Quais informações devem estar no rótulo dos alimentos?

LISTA DE INGREDIENTES Os ingredientes são as substâncias que entram na composição do alimento. Devem ser descritos na lista em ordem decrescente, da respectiva proporção —ou seja, os ingredientes que aparecem primeiro estão em maior quantidade no alimento.

Atenção e cuidado no consumo de alimentos com os seguintes ingredientes: açúcar, sal, glutamato monossódico, gordura vegetal, gordura vegetal hidrogenada, gordura de palma, xarope de glicose, açúcar e corantes, pois estes são ingredientes que em excesso podem prejudicar a sua saúde em longo prazo, já que contribuirão com a oferta de substâncias que correlacionam-se às doenças crônica não transmissíveis. A partir dos ingredientes adicionados nos alimentos poderemos conhecer as suas propriedades nutricionais, como quantidade de calorias, carboidratos, proteínas, lipídeos, vitaminas e minerais. É muito importante observarmos esta última característica na forma de porção, objetivando trazer estas informações para o seu dia a dia, já que ela será a nossa referência de consumo, por exemplo: 1 xícara, 2 colheres, 1 copo.

ORIGEM É sempre importante saber de onde vem o alimento que estamos comprando, não é? Neste campo você encontrará informações como o fabricante do produto e uma forma de entrar em contato com ele, caso queira informações adicionais.

PRAZO DE VALIDADE Informa a data limite para consumo seguro do alimento.

CONTEÚDO LÍQUIDO Esta informação é demonstrada em quilos, gramas, litros e mililitros e indica a quantidade do alimento / produto contido na embalagem.

LOTE Mostra o controle da produção por meio de um número de registro. Caso seja necessário rastreamento do produto, esta informação será de grande importância.

DEMAIS DADOS Informações relacionadas à presença de conservantes, lactose, glúten e diversos outros itens usados na composição de alimentos são fundamentais e devem ser registradas, facilitando as escolhas de pessoas com alergias ou intolerância alimentares, e que tem uma necessidade real de controlar ou restringir o consumo destes ingredientes para a manutenção de sua saúde e bem-estar. Ainda no caso de celíacos, os produtos contendo ou não alimentos como o trigo, centeio, malte, cevada e seus derivados precisarão adicionar no rótulo "contém Glúten" ou "não contém Glúten", em caracteres com destaque, nítidos e de fácil leitura, conforme a Lei 10.064, de 16 de maio de 2003.

Ao observar um rótulo, você encontrará obrigatoriamente: a quantidade do valor energético, carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans, fibra alimentar e o sódio, além de algumas vitaminas e minerais descritas conforme tipo de produto.

Olhando além do rótulo

Muitas são as informações que devem ser analisadas em um rótulo. Mas, de forma geral, grande atenção deverá ser oferecida no caso de carboidratos, especificamente na forma de açúcar ou xarope de glicose; a presença de gordura saturada, gordura trans, colesterol e sódio também merece destaque. Em excesso, essas substâncias correlacionam-se ao aumento daquelas doenças já descritas quando falamos dos ingredientes.

Privilegie o consumo de alimentos com menor quantidade destes nutrientes e com quantidades superiores de fibras alimentares, gorduras insaturadas, como as monoinsaturadas ou poli-insaturadas.

Lembre-se sempre de que INGREDIENTE e NUTRIENTES são diferentes, mas estão interligados, já que poderemos considerar como ingredientes os alimentos e nutrientes aqueles componentes que estes têm a oferecer.

Além da data de validade, a observação nas condições de armazenamento é essencial, pois por vezes os produtos estão na adequada data de validade, mas armazenados em ambientes úmidos e/ou muito quentes, favorecendo a sua perda nutricional e a aceleração de sua deterioração. Seja criterioso em suas escolhas e invista sempre em sua saúde.

*Colaboração da nutricionista comportamental e clínica na clínica 12 semanas Dra. Samantha Rhein (UNIFESP).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Brasil). Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova o Regulamento técnico para rotulagem de alimentos embalados. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 set. 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Brasil). Resolução RDC nº 359, de 23 de dezembro de 2003. Aprova Regulamento técnico de porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 dez. 2003.

Manual de Rotulagem dos Alimentos - Embrapa, 2015.