PUBLICIDADE

Topo

Nuno Cobra Jr

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Quem amortece o impacto da corrida é o pé, não o tênis

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nuno Cobra Jr

Nuno Cobra Júnior é um generalista do conhecimento corporal e acompanhou o treinamento físico e mental de alguns dos maiores esportistas brasileiros nos últimos 35 anos, entre medalhistas olímpicos e diversos campeões mundiais, como Ayrton Senna e o surfista Ítalo Ferreira. Preparador físico e mental, palestrante, consultor em qualidade de vida e treinamento integral, tem ajudado a conceitualizar e fomentar uma nova visão do treinamento físico, longe dos modismos e dos modelos hegemônicos de treinamento. O autor do livro O Músculo da Alma ? a Chave para a Sabedoria Corporal, Nuno defende a inovação e a renovação do treinamento físico. É fundador de uma nova abordagem metodológica que une a filosofia, a psicologia e diversas áreas do conhecimento corporal, aplicados ao treinamento físico. Veja mais em www.treinamentoconsciente.com.br

Colunista do VivaBem

14/04/2022 04h00

Caso você pudesse estudar a anatomia do pé com mais profundidade, veria que ele é um fenômeno da engenharia biomecânica, representando uma tecnologia que ainda estamos longe de dominar.

O seu pé é constituído de músculos e tendões extremamente fortes e robustos, um conjunto surpreendente, que foi projetado para sustentar o peso de todo o seu corpo, mesmo correndo em alta velocidade, viabilizando inúmeros desafios acrobáticos.

Há algumas décadas, para dar sentido ao seu marketing de venda e alavancar a margem de lucro, os fabricantes de tênis descobriram que seria possível e coerente prometer mais amortecimento e proteção contra o impacto da corrida. Na realidade, para fazer isso com sucesso, seria necessário inventar algo similar a um pé biônico, anexado ao pé original.

O que se viu nos anos seguintes foi a comercialização de calçados cada vez mais duros, altos e estruturados. Para variar, tentando superar Deus, o ser humano prometia melhorar um projeto que já era perfeito.

Foi quando surgiram as pesquisas da bioantropologia, pelas mãos do Daniel Lieberman, professor em Harvard (EUA) e grande estudioso da biologia evolucionária, concluindo que os tênis estruturados para amortecer o impacto estavam causando um efeito colateral inesperado.

Como ele pôde sentir na própria pele, como um corredor apaixonado, o seu joelho estava sofrendo demasiadamente, com frequência, com o impacto da sua pisada, mesmo que ele estivesse calçando um tênis muito caro, que lhe prometia exatamente o contrário.

As vantagens da corrida sem tênis

Como ele pôde comprovar em laboratório, filmando a passada de corredores profissionais e amadores correndo em uma esteira, ao usar um tênis que prometia mais amortecimento, havia uma grande tendência do corredor aterrissar com o calcanhar.

Pronto! Estava solucionada a charada. Ao aterrissar com o calcanhar, deixamos de utilizar toda a estrutura complexa e perfeita de amortecimento do impacto, que seria feita pelo pé, uma vez que os seus recursos não serão ativados e acionados nessa tarefa. Ao aterrissar no calcanhar, a carga gerada na pisada será transferida diretamente para o seu joelho.

Dessa forma, como o joelho é uma estrutura muito travada, sem muita capacidade de dissipação e distribuição de carga, o impacto da pisada, repetida milhões de vezes em poucos meses, irá sobrecarregar estruturas nobres, como articulações e cartilagens, algo que não poderá ser reposto.

Dr. Lieberman se tornou, então, um entusiasta da corrida descalça, curando suas lesões recorrentes e fortalecendo os músculos do seu pé.

Um tênis muito duro e estruturado inibe o fortalecimento dos músculos e tendões do nosso pé, aquilo que, no fim, garantiria um melhor amortecimento do impacto da pisada

É como se você amordaçasse e colocasse uma camisa de força em seu pé, não permitindo que ele trabalhe e exerça o seu poder de articulação.

Ao correr descalço, o cientista de Harvard percebeu que a passada instintivamente era realizada com muito mais cuidado na pisada, gerando um estilo de corrida muito mais suave, minimalista e consciente, aterrissando com o meio do pé e, logo em seguida, com a ponta do pé —ou vice-versa, dependendo da anatomia de cada corredor.

Se você lembrar que uma corrida a 7 km/h gera um impacto de sete a oito vezes o seu peso corporal, agindo sobre a articulação do joelho, irá começar a entender por que é muito arriscado correr estando acima do peso.

Por exemplo, estando com 100 kg, isso irá gerar uma carga de, pelo menos, 700 kg agindo sobre a articulação do seu joelho. Obviamente, essa estratégia não irá muito longe.

Como escolher seu tênis de corrida

Resumindo: quem amortece o impacto da corrida é o pé, não o tênis. Dessa forma, um bom tênis de corrida deve ser leve e extremamente articulado. Você deve ser capaz de dobrá-lo com facilidade. Ele pode ter um solado de amortecimento mínimo, com aproximadamente 5 mm, o que irá trazer conforto na pisada e a proteção necessária contra objetos cortantes, pedras etc.

"E se eu estiver acima do peso, qual tênis eu devo usar para correr?" Irá perguntar o leitor desavisado.

Acho que você não entendeu! Você não deveria correr!

Talvez, você tenha acreditado que a corrida de alta intensidade ou outras estratégias de curto prazo irão acelerar a perda de peso, porém, tanto para cuidar bem do seu coração e da sua saúde, como para perder peso, de forma duradoura e sustentável, seria melhor começar caminhando, durante um longo período, antes de se aventurar na corrida. Detalhe: enquanto estiver mais de 10 kg acima do peso, você não deveria iniciar a corrida.

É surreal pensar que esta informação não está disponível a toda a população, como um conceito absolutamente óbvio.

Andando pelo Parque Ibirapuera, em São Paulo, vejo que mais de 80% das pessoas que correm estão prejudicando a sua saúde, agredindo o seu coração, destruindo o seu aparelho locomotor e envelhecendo precocemente, tudo em nome de uma ilusão —pois, como já expliquei aqui, correr não é melhor do que caminhar.

Os grupos de corrida

Na realidade, os grupos de corrida deveriam se chamar grupos de caminhada e corrida, mas isso não é muito comercial. Para o iniciante, não existirá corrida saudável e produtiva sem passar pela etapa da caminhada.

Abaixo, reproduzo um diálogo recorrente que eu tenho com alunos que chegam iludidos pelo marketing do treinamento:

- Professor, como eu faço para acelerar a perda de peso?
- E se eu te contar que acelerar a perda de peso é uma estratégia nociva de treinamento físico e, ao mesmo tempo, a forma mais ineficiente de emagrecer já inventada pelo ser humano?
- Mas eu já tentei de tudo e nunca consegui perder peso!
- Esse "tentar de tudo", que você diz, foi feito a partir das mesmas estratégicas, utilizando fórmulas apelativas e comerciais ou sem fazer mudanças de hábitos que sejam sustentáveis em setores estratégicos como sono e alimentação, certo?
- Sim!
- Você conhece o conceito de insanidade corporal? Como querer chegar a resultados diferentes usando sempre a mesma estratégia?
Com pressa, você não vai chegar a lugar algum! Ou melhor, com pressa, você irá chegar sempre no mesmo lugar, perdendo peso rapidamente, alimentando o efeito sanfona e voltando ao peso anterior algum tempo depois. Isso se você tiver sorte e não bagunçar muito o seu organismo, ganhando ainda mais peso após cada dieta e movimento radical que você fizer.